carta ao pai
1 pág.

carta ao pai

Disciplina:Psicabálise18 materiais15 seguidores
Pré-visualização1 página
Kafka diz ao longo de sua carta, que seu pai era uma forte figura opressora em sua vida, que sempre o punia por seus comportamentos “inadequados”. Kafka diz que esses aspectos de seu pai, o fez ser uma pessoa fechada e muito tímida e insegura, como podemos analisar no trecho abaixo:
“A isso respondo que, de primeiro, toda essa objeção, que em parte também pode ser voltada contra ti, não provém de ti, mas de mim. Nem mesmo a tua desconfiança com os outros é tão grande quanto a minha autodesconfiança, para a qual me educaste. Uma certa legitimidade a objeção, que além do mais contribuiu com algo novo para a caracterização do nosso relacionamento, eu não posso negar.” (Kafka, pág. 96)
Nesse trecho, Kafka se culpa por ser o oposto de seu pai, para Kafka o responsável pelo relacionamento com seu pai ser tão conturbado, é ele próprio. Kafka não consegue se adaptar ao jeito de seu pai e desenvolve um grande sofrimento em decorrência disso. Kafka diz no trecho, que ele desconfia dele mesmo, demostrando assim toda a sua insegurança, e culpa seu pai por ter o criado dessa forma. Segundo o trecho, isso fez com que a relação entre Kafka e seu pai ficasse ainda pior, já que ele não tinha coragem de confronta-lo pessoalmente, então fez a carta, como se fosse sua rendição perante o sofrimento. Kafka expõe esse alivio no trecho abaixo:
“Naturalmente as coisas não se encaixam tão bem na realidade com as provas contidas na minha carta, pois a vida é mais do que um jogo de paciência; mas com a correção que a resulta dessa replica, uma correção que não posso nem quero discutir nos detalhes, alcançou-se a meu ver algo tão aproximado da verdade, que isso pode nos tranquilizar um pouco e tornar a vida e a morte mais fáceis para ambos.” (Kafka, pág. 96)
Kafka buscava esclarecer sua relação com seu pai, que provocava muito sofrimento. Seu pai sendo uma pessoa muito coercitiva, faz com que Kafka conviva com esse sofrimento por anos e por isso usa o termo “a vida é mais do que um jogo de paciência”. Mesmo expondo o comportamento do seu pai na carta, Kafka tem um comportamento de fuga e diz que não quer discutir os detalhes, já que para ele todo o texto da carta se aproxima de uma realidade vivida por ele, e espera assim ter uma relação de paz ou um pouco mais tranquila com seu pai.