A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
PERFIL TIPOLÓGICO DA INDÚSTRIA CERÂMICA GUARANI DA REGIÃO

Pré-visualização | Página 1 de 6

Revista Tempos Acadêmicos, Dossiê Arqueologia Pré-Histórica, nº 11, 2013, Criciúma, Santa Catarina. 
ISSN 2178-0811 
210 
 
 
PERFIL TIPOLÓGICO DA INDÚSTRIA CERÂMICA GUARANI DA REGIÃO 
SUL DE SANTA CATARINA 
 
Rafael Guedes Milheira
1
 
Deisi Scunderlick Eloy de Farias
2
 
Luana Alves
3
 
 
RESUMO 
Neste trabalho apresentamos um perfil tipológico das coleções cerâmicas escavadas em sítios 
arqueológicos Guarani, localizados no município de Jaguaruna e adjacências, litoral sul de Santa 
Catarina. O contexto regional de ocupação foi interpretado como uma área de domínio dos 
grupos Guarani, ocupada desde o século XV AD, até a colonização europeia, quando o cenário 
histórico-cultural sofreu uma transformação significativa. A indústria cerâmica dos diferentes 
contextos arqueológicos indica ampla variabilidade tipológica das vasilhas representadas, 
sugerindo diferenças funcionais dos sítios arqueológicos (aldeias e acampamentos). 
 
Palavras-chave: Arqueologia Guarani. Ceramologia. Litoral sul-catarinense. 
 
Abstract 
This work we present a technological profile of the ceramics excavated in Guarani 
archaeological sites located in Jaguaruna town and vicinity, south coast of Santa Catarina. The 
regional context of occupation was interpreted as a domain area of the Guarani groups, occupied 
since the fifteenth century AD until European colonization, when the historical-cultural scenario 
has undergone a significant transformation. The ceramic industry of the different archaeological 
contexts indicates a broad typological variability of the vessels represented, suggesting 
functional differences in the archaeological sites (villages and camps). 
 
Keywords: Guarani Archaeology. Ceramology. South Coast of Santa Catarina. 
 
 
 
1
 Professor do curso de Bacharelado em Antropologia e Arqueologia e do Programa de Pós-graduação 
em Antropologia da Universidade Federal de Pelotas. Coordenador do Laboratório de Ensino e Pesquisa 
em Antropologia e Arqueologia (LEPAARQ-UFPEL). E-mail: milheirarafael@gmail.com. 
2
 Professora do Programa de Pós Graduação em Ciências da Linguagem da UNISUL. Arqueóloga, 
coordenadora do GRUPEP Arqueologia, UNISUL/Tubarão. E-mail: deisiarqueologia@gmail.com. 
3
 Pesquisadora associada do GRUPEP-Arqueologia, UNISUL/Tubarão. 
Revista Tempos Acadêmicos, Dossiê Arqueologia Pré-Histórica, nº 11, 2013, Criciúma, Santa Catarina. 
ISSN 2178-0811 
211 
 
Introdução: 
O contexto arqueológico de sítios Guarani do município de Jaguaruna 
 
O município de Jaguaruna e adjacências vêm sendo estudados desde o século 
XIX, cujo foco dos trabalhos arqueológicos, via de regra, foram os monumentais 
sambaquis. Os sítios Guarani, por sua vez, foram raramente apontados pelos primeiros 
pesquisadores, tendo sido mapeados e descritos em suas características componenciais e 
locacionais somente dos anos 1960 em diante, pelas pesquisas de Rohr
4
. Foi, portanto, 
no sentido de lançar um novo olhar para a região de Jaguaruna que esta pesquisa 
desenvolveu-se, trazendo contribuições para a arqueologia regional, sobretudo, no que 
se refere às ocupações dos grupos Guarani
5
. Identificou-se no litoral de Jaguaruna 41 
sítios Guarani, dos quais nove receberam algum tipo de intervenção arqueológica 
(Laranjal I, Laranjal II, Sibelco, Riacho dos Franciscos I, Morro Bonito I, Morro Bonito 
II, Morro Bonito III, Arroio Corrente V, Olho D’água I), com datações radiocarbônicas 
que oscilam entre o século XV e XVII AD
6
. 
 
 
 
 
 
4
 ROHR, J. A., Os sítios arqueológicos do município de Jaguaruna, 1969; ______, Sítios arqueológicos 
de Santa Catarina, 1984. 
5
 Esta pesquisa integra a tese de doutoramento de Rafael Milheira (2010), contando com bolsa de 
doutorado da FAPESP (processo 2008/57797-0). 
6
 FARIAS, D. S. E. de.; DEBLASIS, P., Arqueologia da Rodovia SC-487: Barra do Camacho-
Jaguaruna. Relatório Parcial de Pesquisa, 2008; ______, Arqueologia da Rodovia SC-487: Barra do 
Camacho-Jaguaruna. Relatório Final de Pesquisa, 2009; MILHEIRA, R. G., Arqueologia Guarani no 
litoral sul-catarinense: História e Território, 2010. 
Revista Tempos Acadêmicos, Dossiê Arqueologia Pré-Histórica, nº 11, 2013, Criciúma, Santa Catarina. 
ISSN 2178-0811 
212 
 
 
Gráfico 1: Quadro cronológico para a região lagunar sul-catarinense e adjacências. As barras à 
esquerda mostram o período de ocupação das culturas presentes na região, representado em cada 
caso pelo conjunto de datações 14C calibradas disponíveis. O gráfico menor mostra as datações 
disponíveis para os sítios Guarani individualmente; o ponto representa a idade convencional, a 
barra o(s) intervalo(s) dos valores calibrados. As datações 14C foram calibradas com o software 
Calib 6.1 utilizando a curva MARINE09 (Reimer, 2009) para a amostra de origem marinha, e a 
curva SHCAL04 (McCormack, et. all. 2004) para as amostras de origem terrestre, considerados os 
valores em 1σ. 
Elaboração do gráfico: Tiago Attore. 
 
A área piloto da pesquisa, com uma área com aproximadamente 350 km² é 
delimitada pelas lagoas da Garopaba e da Jaguaruna ao norte. Enquanto, a oeste, 
estabeleceu-se um limite arbitrário representado pela rodovia BR-101, que bordeja o 
piemonte da encosta catarinense, paralelo à linha de costa. Ao sul o limite é a margem 
esquerda do rio Urussanga. Esta área compreende uma série de localidades como 
Camacho, Morro Grande, Morro Bonito, Laranjal, entre outras, que emprestaram seus 
nomes aos sítios arqueológicos nelas situados. 
 
Revista Tempos Acadêmicos, Dossiê Arqueologia Pré-Histórica, nº 11, 2013, Criciúma, Santa Catarina. 
ISSN 2178-0811 
213 
 
 
Figura 1: Mapa geológico com a localização dos sítios Guarani identificados na Área Piloto. 
 
O estudo dos sítios foi realizado em duas etapas, seguindo métodos distintos. Na 
primeira etapa de campo fez-se uma prospecção por meio de uma malha de testes de 
subsuperfície equidistantes em 50 metros, que envolveu a cobertura de uma faixa de 
domínio em torno da rodovia SC-Estrada Geral do Camacho
7
. Em seguida, foi realizada 
uma prospecção assistemática e oportunística, contando com informações da 
comunidade local sobre a ocorrência de sítios e, sendo também guiado pelo mapa 
publicado em Rohr
8
. 
Na segunda etapa de campo, foram realizadas intervenções intrassítio que 
envolveram uma metodologia padrão: coleta de superfície e escavação de poços-teste 
em níveis artificiais de 10 cm, para delimitar a sua área ao longo do terreno. Além disso, 
foram escavadas trincheiras e unidades de escavação de meio metro de largura nas 
manchas de terra preta de alguns sítios, que permitiram compreender a composição 
estratigráfica dos sítios e evidenciar contextos arqueológicos que permitiram discutir 
questões sobre função de sítio, relação sistêmica entre os espaços de ocupação, 
reocupações, tipologia cerâmica e lítica, processos pós-deposicionais e estruturas 
arqueológicas funcionais (estruturas arquitetônicas, de combustão, de deposição de 
refugos e funerárias). 
 
7
 FARIAS, D. S. E. de.; DEBLASIS, P., op. cit., 2008; ______, op. cit., 2009. 
8
 ROHR, J. A., op. cit., 1969. 
Revista Tempos Acadêmicos, Dossiê Arqueologia Pré-Histórica, nº 11, 2013, Criciúma, Santa Catarina. 
ISSN 2178-0811 
214 
 
Através desta pesquisa pôde-se concluir que os grupos Guarani ocuparam a região 
litorânea sul-catarinense de forma súbita e massiva, expandindo-se rapidamente sobre os 
terrenos altos e firmes das paleodunas. Além disso, ocupam as lagoas, dunas e matas do 
litoral