COMUNICAÇÃO INTERATRIAL
3 pág.

COMUNICAÇÃO INTERATRIAL


DisciplinaCardiologia I3.794 materiais12.937 seguidores
Pré-visualização1 página
A comunicação interatrial é um defeito congênito de fechamento do septo interatrial, que é a estrutura que divide parte do coração entre os lados direito e esquerdo. Durante a formação embrionária do coração estes dois lados se dividem através de uma estrutura chama septo interatrial. Porém em algumas pessoas este septo não se forma adequadamente com persistência de um defeito (buraco) que comunica os dois lados do coração causando mistura do sangue com e sem oxigênio.
Existem diversos tipos de comunicação interatrial, sendo a mais comum delas a do tipo ostio secundum que se localiza normalmente no meio do septo. O defeito pode apresentar diversos tamanhos e permitir a mistura em graus variados do sangue do lado esquerdo (rico em oxigênio) ao do lado direito (pobre em oxigênio).
Durante a nossa vida intrauterina, o nosso sangue passa do lado direito para o esquerdo sem passar pelos pulmões, através do forame oval, que vai fechar algumas horas após o nascimento. Se esse forame permanecer aberto, vai criar uma comunicação interatrial, o que vai permitir que o sangue passe do lado direito para o lado esquerdo. 
Existem tipos de comunicações interatriais, dependendo da área do septo 
Seio venoso: acomete a região superior do septo interatrial e pode estar relacionada a disfunções da drenagem das veias pulmonares. 
Ostium secundum: é o tipo mais comum e acomete a região medial do septo interatrial. 
Ostium primum: acomete a região inferior do septo interatrial 
Hipertensão pulmonar causada pela comunicação do septo: 
Como existe a comunicação entre os átrios, o sangue do lado esquerdo vai para o lado direito, o que vai causar o aumento da pressao, pois vai ser muito sangue para passar pela arteria e vai causar a hipertensão pulmonar. Pode ocorrer o espessamento dos átrios, ventriculos e vasos (Hipertensão pulmonar- acima de 25mmHg).
A pressão da artéria pulmonar é baixa para comportar um volume sanguíneo maior. Quando ocorre um aumento na pressão da artéria, o ventrículo direito tem que fazer um esforço maior, pra tentar mandar esse sangue para o pulmão e quando o mesmo não acontece, começa a sintomalogia. 
 
A passagem do sangue pelo defeito, que permite esse fluxo anormal, é a responsável pelo surgimento do sopro, que é o primeiro sinal para suspeita do diagnóstico. Sopro no coração é o nome de um ruído que pode ser ouvido ("auscultado", em termo técnico) do peito durante um exame físico. O sopro no coração é resultado de sangue passando através de um orifício menor do que deveria. Parece o barulho de alguém soprando no seu ouvido ou uma fresta de janela aberta. 
Nas primeiras décadas de vida, a CIA tipicamente é assintomático. Por volta dos 40 anos de idade, os pacientes podem começar a apresentar dispneia durante o esforço físico, fadiga e palpitações. Todas estas manifestações estão ligadas à elevação da pressão na circulação pulmonar, chamada de hipertensão pulmonar. 
Por meio da auscultação cardíaca no exame físico é possível identificar algumas alterações, sendo o diagnóstico confirmado através de exames complementares, que englobam: eletrocardiograma, radiografias torácicas e ecocardiograma.
Tratamento: cardiopatia congênita
Tipos de gravidade em alguns bebês têm cardiopatias leves, que curam por conta própria com o tempo. Em outros casos, é necessário tratamento medicamentoso para controlar os sintomas como diuréticos, betabloqueadores ou exigir cirurgia cardíaca. Estas podem incluir: Procedimentos por cateter, cirurgias de peito aberto ou, nos casos mais graves, um transplante de coração.
 Para regular a frequência cardíaca, e inotrópicos para aumentar a intensidade dos batimentos. Entretanto o tratamento definitivo é a cirurgia para a correção, indicada para quase todos os casos, sendo capaz de curar a cardiopatia.
Fechamento da comunicação interatrial (CIA):
Em resumo, é feito através de uma punção da feia femoral na virilha, após a punção da veia, introduz-se cateteres e guias pela veia femoral via veia cava inferior até o átrio direito e cruzamos através do defeito, seja o forame oval ou a comunicação interatrial do átrio direito para o átrio esquerdo. Próximo passo é a colocação do dispositivo que é feita colocando um dispositivo dentro de uma bainha fechada e cruzamos o defeito, esses dispositivos são feitos de uma liga metálica e recobertos por um tecido de poliéster, eles funcionam mais ou menos como um guarda-chuva (dos 2 lados), inicialmente abre-se um dos lados dentro do AE, tracionamos o dispositivo até que ele se encoste no septo interatrial e na sequência abre-se o outro lado do guarda-chuva dentro do AD, com isso existe um mecanismo tipo sanduíche que faz com que os 2 lados do guarda-chuva se aproximem junto ao septo, um do lado esquerdo e outro do lado direito, pressionando e fazendo com que a passagem de sangue de um átrio para o outro seja impedida. Após o procedimento é realizado exames para analisar o posicionamento do dispositivo e um ecocardiograma para ter certeza que não há mais passagem de sangue de um átrio para o outro. Em seguida, são retirados os cateteres e as guias e o paciente continua internado na UTI, mas sem correr riscos e em poucos dias já deve estar liberado para continuar levando uma vida normal.
QUESTÕES:
Qual o tipo de CIA em que a região medial do septo é acometida?
Ostium primum
Ostium secudum
Seio venoso
Após o nascimento, um bebê apresentou sopro durante a ausculta pulmonar, a partir de exames complementares, o médico diagnosticou a criança com CIA. Entretanto, esse disse que a cirurgia não seria necessária no primeiro momento. Após algum tempo, o médico repetiu os exames na criança e a condição havia sumido. Explique o porquê de isso ter acontecido. 
A maioria dos pequenos defeitos no septo atrial se fecha espontaneamente durante os primeiros anos de vida, sendo assim, é preciso um acompanhamento da criança durante esse período antes de recorrer ao tratamento cirúrgico. Após o nascimento, ainda há uma imaturidade dos pulmões do bebê e alta concentração de prostaglandina dilatadora, o que pode dificultar o fechamento do septo atrial.