Resumo Recursos
30 pág.

Resumo Recursos


Disciplina<strong>direito Processual Civil</strong> - Recursos8 materiais58 seguidores
Pré-visualização8 páginas
PRONUNCIAMENTOS E RECURSOS 
Recursos 
Art. 994. São cabíveis os seguintes recursos: I - apelação; II - agravo de instrumento; III - agravo 
interno; IV - embargos de declaração; V - recurso ordinário; VI - recurso especial; VII - recurso 
extraordinário; VIII - agravo em recurso especial ou extraordinário; IX - embargos de divergência 
 
1. PRONUNCIAMENTOS JUDICIAIS 
 
São eles: Sentença, decisão interlocutória e despachos. 
 
 
1.1 Despacho \u2013 Demais Atos do Processo \u2013 Prazo para juiz proferir de 5 dias 
Art. 203 § 3o São despachos todos os demais pronunciamentos do juiz praticados no 
processo, de ofício ou a requerimento da parte. 
 
\uf0b7 Conceito: São aqueles que servem para impulsionar o processo, 
mas não tem conteúdo decisório, sendo inaptos para trazer 
prejuízos às partes. 
 
\uf0b7 Não Há recurso Art. 1001 CPC (Doutrinas aludem que pode ocorrer 
quando possuir condição de decisão). 
 
 
1.2 Decisão Interlocutória \u2013 Prazo para juiz proferir de 10 dias 
Art. 203 Parágrafo 2º: § 2o Decisão interlocutória é todo pronunciamento judicial 
de natureza decisória que não se enquadre no § 1o. 
 
\uf0b7 Além das sentenças, o juiz profere outro tipo de ato, que tem 
conteúdo decisório. Distingue-se das sentenças por seu caráter 
interlocutório, pelo fato de ser proferido no decurso de um 
processo, sem aptidão para finalizá-lo. E sem ainda, pôr fim à fase 
de conhecimento em primeiro grau de jurisdição. 
 
\uf0b7 Recurso: Cabe Agravo de instrumento 
Art. 1015 (1º Tutela 2º Mérito) analogia 1015 Inciso 13 
Julgamento Parcial \uf0e0 Agravo de Instrumento \uf0e0 Inciso 2º Agravo 
de instrumento que trata de mérito 
 
1.3 Sentença \u2013 Prazo de 30 dias (O prazo pode se estender sem qualquer sanção ao juiz) 
\u2013 Põe fim a fase cognitiva (Sentença, Acordão Colegiado e [monocrático - 932 CPC]), 
extingue a execução e fase de cumprimento. 
Colegiado - recurso especial (STJ), recurso extraordinário (STF), recurso ordinário 
constitucional (STF E STJ), Recurso de divergência (recursos dos tribunais 
superiores) 
 
 
\uf0b7 Art. 203 Parágrafo 1º: Ressalvadas as disposições expressas dos 
procedimentos especiais, sentença é o pronunciamento por meio do qual o 
juiz, com fundamento nos arts. 485 (extinção do processo sem 
mérito) e 487 (com resolução de mérito), põe fim à fase cognitiva do 
procedimento comum, bem como extingue a execução. 
 
 
1º INSTANCIA CABE 3 RECURSOS-> AGRAVO DE INSTRUMENTO, EMBARGOS, APELAÇÃO 
 
 
 
2. TEORIA GERAL DOS RECURSOS 
 
Conceito: 
 
 Um meio de impugnação. Previsto em lei para no mesmo processo: Invalidar, reformar, 
integrar e esclarecer. 
 
Pressupõem inconformismo insatisfação com as 
decisões judiciais, e que buscam outro 
pronunciamento do Poder Judiciário a respeito das 
questões a ele submetidas. (Marcos Vinicius) 
 
Numa acepção mais técnica e restrita, recurso é o 
meio ou instrumento destinado a provocar o 
reexame da decisão judicial, no mesmo processo 
em que proferida, com a finalidade de obter-lhe a 
invalidação, a reforma, o esclarecimento ou a 
integração. (Didier) 
 
 
 
Objetivos: 
 
\uf0b7 Modificar: A reforma da decisão impugnada, consistente na substituição da 
decisão recorrida por outra, favorável à parte recorrente, a ser proferida 
pelo órgão julgador do recurso, conforme artigo 1.005 do Código de 
Processo Civil (art. 512 CPC73); 
\uf0b7 Invalidar: A invalidação (ou anulação) da decisão, a fim de que o órgão que 
a prolatou, quando isto seja possível, profira nova decisão, sanando os 
vícios que geraram sua anulação; 
\uf0b7 Integrar: O esclarecimento ou a integração da decisão judicial impugnada, 
pelo mesmo órgão que a proferiu, para sanar-lhe omissão, contradição ou 
obscuridade. 
\uf0b7 Correção de erro material (art. 1.019, inc. III) 
 
 
 
 
Características: Distingui de outros atos processuais 
 
a. Interposição na mesma relação processual: Os recursos não têm natureza 
jurídica de ação, nem criam um novo processo. 
 
\uf0e8 A doutrina majoritária entende que o poder de recorrer se qualifica como 
aspecto, elemento, modalidade ou extensão do próprio direito de ação 
exercido no processo, refutando a tese de que o recurso seria uma ação 
autônoma. Pelo recurso, prolonga-se o curso (a litispendência) do processo. 
 
b. A aptidão para retardar ou impedir a preclusão ou a coisa julgada: Enquanto 
há recurso pendente, a decisão impugnada não se terá tornado definitiva. 
 
\uf0e8 Não significa que a decisão impugnada não possa desde logo produzir 
efeitos, tendo em vista que alguns recursos são dotados de efeito 
suspensivo, e outros que não são. 
 
c. Correção de erros de forma ou de conteúdo: Ao fundamentar o seu recurso, o 
interessado poderá postular a anulação ou a substituição da decisão por outra. 
Deverá expor quais as razões de sua pretensão. 
 
\uf0e8 Errores in procedendo (de fundo ou de forma): São vícios processuais, 
decorrentes do descompasso entre a decisão judicial e as regras de 
processo civil; 
 
Acarreta a ANULAÇÃO OU 
DECLARAÇÃO DE NULIDADE DA 
DECISÃO, com a restituição dos autos 
ao juízo de origem para que outra seja 
proferida. 
 
\uf0e8 Errores in judicando (vícios de conteúdo ou processuais): São vícios de 
conteúdo, de fundo, em que se alega a injustiça da decisão, o 
descompasso de norma de direito material. 
 
Acarreta A REFORMA DA DECISÃO, 
quando o órgão ad quem profere outra, 
que substitui a originária. 
 
d. Impossibilidade, em regra, de inovação: Em regra, não se pode invocar, em 
recurso, matérias que não tenham sido arguidas e discutidas anteriormente. 
 
\uf0e8 Art. 493, CPC: Levando em os fatos 
novos relevantes, que se verifiquem até 
a data do julgamento do recurso. 
 
\uf0e8 Art. 1.014: Provar que deixou de alegar 
matéria por motivo de força maior. 
 
\uf0e8 Questões de ordem pública. 
 
e. O sistema de interposição: Os recursos são interpostos perante o órgão a quo, 
e não perante o órgão ad quem. 
\uf0e8 Exceção: agravo de instrumento 
 
f. A decisão do órgão ad quem em regra substitui a do a quo: São várias as 
alternativas 
 
\uf0e8 Não conhecer do recurso: A decisão do órgão a quo prevalece, e não é 
substituída; 
\uf0e8 Pode conhecer do recurso, apenas para anular ou declarar a nulidade 
decisão anterior, determinando o retorno dos autos para que seja 
proferida outra; 
\uf0e8 Conhecer do recurso, negando lhe provimento: decisão anterior será 
mantida; ou dando lhe provimento, para reforma-la: a decisão pelo ad 
quem substitui a do órgão a quo. Deverá ser cumprido e executado é o 
acordão, e não mais a decisão ou sentença. 
 
g. O não conhecimento do recurso e o trânsito julgado: O STJ pacificou o 
entendimento de que o recurso, ainda que não venha a ser conhecido, impede 
o transito em julgado, salvo em caso de má-fé. 
 
 
 
 
2.1 Princípios 
 
 
 
 
2.1.1 Duplo grau de jurisdição: 
 O princípio do duplo grau consiste no direito concedido à parte de exigir a revisão 
do julgamento que lhe fora contrário por uma instância jurisdicional superior. 
 
\uf0b7 O princípio do duplo grau de jurisdição pressupõe dois órgãos 
judiciários diversos, postos em posição de hierarquia: um 
inferior, outro superior. A decisão proferida pelo órgão de grau 
inferior é revista pela decisão proferida pelo órgão de grau 
hierárquico superior. A segunda decisão não é 
necessariamente melhor que a primeira; é apenas superior, ou 
seja, é apenas proferida por um órgão hierarquicamente 
superior. (Didier) 
 
2.1.2 Taxatividade (legalidade, tipificação): 
 Somente a lei pode criar recursos no sistema processual civil brasileiro. Não 
qualquer lei, mas por lei federal, por força que dispõe