A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
49 pág.
E-BOOK-Técnicas-Radiológicas-MMII1

Pré-visualização | Página 1 de 7

PROJETO RADIOLOGIA NA PALMA DA MÃO 
 
 
Prof. Raphael Ruiz 
 E-BOOK – TÉCNICAS DE 
POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS 
 
 
 
 
 MEMBROS INFERIORES 
 
 
 
VOLUME: 02 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PROJETO RADIOLOGIA NA PALMA DA MÃO 
 
 
Prof. Raphael Ruiz 
INFORMAÇÕES DO PROJETO 
Endereço eletrônico: www.raphaelruiz.gdigital.com.br 
 
CRIADOR DO PROJETO RADIOLOGIA NA PALMA DA MÃO 
 
Professor Raphael Ruiz 
MINICURRÍCULO 
O Professor Raphael Ruiz iniciou sua trajetória na RADIOLOGIA há 15 anos como 
Técnico em Radiologia, atuando em diversas modalidades do Diagnóstico por Imagem. 
- Tecnólogo em Radiologia. 
- Mestre em Engenharia Biomédica. 
- Pós-graduado em Docência do Ensino Superior. 
- Pós-graduado em Imagenologia. 
- Pós-graduado em Novas Tecnologias de Ensino-Aprendizagem. 
 Atualmente é: 
- Docente e Coordenador do Centro Universitário Senac. 
- Docente e Coordenador do Centro Universitário Ítalo Brasileiro. 
- Docente do Curso de Tecnologia em Radiologia da Universidade Nove de Julho. 
 
Preocupado com a formação de seus alunos e com o futuro da RADIOLOGIA, o Professor 
Raphael Ruiz compartilha de seus conhecimentos na INTERNET, possibilitando o acesso 
a um conteúdo de qualidade para todas as pessoas que estejam interessadas em 
aprender mais sobre o Universo da Área. 
 
FANPAGE OFICIAL: www.facebook.com/raphaelruizprofessor 
 
PROJETO RADIOLOGIA NA PALMA DA MÃO 
 
 
Prof. Raphael Ruiz 
ARTELHOS EM AP (DEDOS DOS PÉS) 
 
Posição: Realizar a radiografia com o paciente em decúbito dorsal ou sentado na 
mesa de exame; o joelho fletido com a superfície plantar do pé sobre o R.I. Alinhar 
o eixo longitudinal dos artelhos com o RC. Assegurar que as articulações MTF 
estejam centralizadas com o RC. 
Raio central: RC com ângulo de 7° a 15° em direção ao calcâneo incidindo na 
articulação MTF da falange de interesse emergindo no centro do R.I. 
DFRI: 1 metro. 
Receptor de Imagem (R.I): 13x18 
Sem bucky 
Sentido do R.I: Transversal dividido. 
Identificação: lado direito do paciente 
Patologias Demonstradas: Fraturas e/ou luxações das falanges. Algumas 
patologias, como a osteoartrite e a artrite gotosa (gota), podem ser evidenciadas, 
especialmente na primeira falange. 
Estruturas visualizadas: Pododáctilos de interesse, incluindo os metatarsos. 
 
 
Artelho Frente AP 
Fonte: BONTRAGER, Kenneth L., 2003 
 
 
 
PROJETO RADIOLOGIA NA PALMA DA MÃO 
 
 
Prof. Raphael Ruiz 
ARTELHOS EM OBLIQUA – ROTAÇÃO MEDIAL (DEDOS DOS PÉS) 
 
Posição: Realizar a radiografia com o paciente em decúbito dorsal ou sentado na 
mesa de exame; joelho fletido com a superfície plantar do pé sobre o R.I. Obliquar 
a perna internamente 45º, mantendo a perna reta com a linha do pé. 
Centralizar e alinhar o eixo longitudinal dos artelhos com o RC. Assegurar que as 
articulações dos artelhos estejam centralizadas com o RC. 
Raio central: RC perpendicular incidindo em nível das articulações MTF, 
emergindo no centro do R.I. 
DFRI: 1 metro. 
Receptor de Imagem (R.I): 13x18 
Sem bucky 
Sentido do R.I: Transversal dividido. 
Identificação: lado direito do paciente 
Patologias Demonstradas: Fraturas e/ou luxações das falanges em questão são 
demonstradas. Algumas patologias, como a osteoartrite e a artrite gotosa (gota), 
podem ser evidenciadas, especialmente no primeiro artelho. 
Estruturas visualizadas: Pododáctilos de interesse, incluindo os metatarsos. 
Cada pododáctilo deve ser separado sem sobreposição dos tecidos moles 
 
 
Artelhos obliqua 
 
PROJETO RADIOLOGIA NA PALMA DA MÃO 
 
 
Prof. Raphael Ruiz 
ANTE – PÉ FRENTE (AP) 
 
Posição: Paciente sentado ou em decúbito dorsal. Membro inferior de interesse 
fletido. Superfície plantar do ante-pé apoiada no R.I e, manter a linha da perna 
alinhada com a linha do pé. 
Raio central: Perpendicular, incidindo no 3° metatarso, emergindo no centro do 
R.I. 
DFRI: 1 metro. 
Receptor de Imagem (R.I): 18x24 
Sem bucky 
Sentido do R.I: Transversal dividido. 
Identificação: lado direito do paciente 
Patologia Demonstrada: Fratura, luxação ou corpo estranho. 
Estruturas visualizadas: Todos os artelhos incluindo os metatarsos mais 
articulações associadas. O eixo longitudinal do pé alinhado ao eixo longitudinal da 
porção do filme à ser exposto. 
 
Ante-pé frente AP 
 
 
 
 
 
PROJETO RADIOLOGIA NA PALMA DA MÃO 
 
 
Prof. Raphael Ruiz 
ANTE – PÉ (OBLÍQUA) 
 
Posição: Paciente sentado ou em decúbito dorsal. Membro inferior de interesse 
fletido. Superfície plantar do ante-pé apoiada no R.I, obliquar a perna internamente 
de 30° a 45º, mantendo a perna reta com a linha do pé. 
Raio central: Perpendicular, incidindo no 3º metatarso, emergindo no centro do 
R.I. 
DFRI: 1 metro. 
Receptor de Imagem (R.I): 18x24 
Sem bucky 
Sentido do R.I: Transversal dividido. 
Identificação: lado direito do paciente 
Patologias Demonstradas: Fratura, luxação ou corpo estranho. 
Estruturas visualizadas: Todos os artelhos incluindo os metatarsos mais 
articulações associadas. 
 
 
Ante-pé obliqua 
PROJETO RADIOLOGIA NA PALMA DA MÃO 
 
 
Prof. Raphael Ruiz 
SESAMÓIDES AXIAL - INCIDÊNCIA TANGENCIAL 
 
Posição: Realizar a radiografia com o paciente em decúbito ventral ou de joelhos 
com o tronco elevado apoiado pelos MMSS. Flexionar dorsalmente o pé de modo 
que a superfície plantar forme um ângulo de 15° a 20° a partir do eixo vertical. 
Flexionar dorsalmente a primeira falange e repousá-la sobre o R.I para manter a 
posição. 
Raio central: perpendicular ao chassi, direcionado tangencialmente para a face 
posterior da primeira articulação metatarso-falangiana. (de acordo com a 
dorsiflexão do 1° artelho, pode ser necessário angular o RC para uma incidência 
tangencial verdadeira, é importante que o raio central e a superfície plantar do pé 
formem um ângulo de 15° a 20°). 
DFRI: 1 metro 
Receptor de Imagem (R.I): 13x18 ou 18x24 
Sem bucky 
Identificação: lado direito do paciente 
Sentido do R.I: Transversal, longitudinal dividido ou panorâmico. 
Patologia Demonstrada: Essa incidência demonstra uma imagem dos ossos 
sesamóides na primeira articulação metatarsofalangiana para avaliar a extensão 
da lesão. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PROJETO RADIOLOGIA NA PALMA DA MÃO 
 
 
Prof. Raphael Ruiz 
Incidência alternativa: Se o paciente não puder tolerar a posição de decúbito 
ventral, pode ser realizada uma incidência reversa com o paciente em decúbito 
dorsal, usando uma longa tira de gaze para segurar as falanges. Mais uma vez, o 
RC é direcionado tangencialmente à face posterior da primeira articulação MF. 
Usar apoio para evitar movimentos. No entanto, essa não é uma posição de 
preferência, devido a DOF aumentada com ampliação e perda de definição da 
imagem; essa opção só deve ser feita quando o paciente não puder assumir a 
posição em decúbito ventral. 
Estruturas visualizadas: Os sesamóides devem ser vistos alinhados, livres de 
sobreposições. 
 
 
Sesamóide axial 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PROJETO RADIOLOGIA NA PALMA DA MÃO 
 
 
Prof. Raphael Ruiz 
PÉ FRENTE (AP) 
 
Posição: Paciente sentado ou em decúbito dorsal, nesta incidência coloca – se o 
pé apoiado sobre a metade do R.I, deve-se fletir o joelho para maior apoio do pé 
ao R.I e manter a linha da perna reta com a linha do pé. 
Raio central: Angulado de 7º a 10º posterior incidindo na base do 3° metatarso, 
emergindo no meio do filme. 
Observação: Para corpos estranhos, o RC deve estar perpendicular