A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
98 pág.
Orientações Didáticas Fundamentais sobre as Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa

Pré-visualização | Página 29 de 29

http://www.edtl.com.pt/index.php?option=com_mtree&task=viewlink&link_id=
351&Itemid=2 
CHARTRAND, S.-G. (1997). Les composantes d’une gramaire du texte. Québec Français, 
No 104, pp. 42-45. Fonte: 
http://www.erudit.org/culture/qf1076656/qf1377386/57679ac.pdf 
COSTA, M. V. (1994). Cravo. Lisboa: D. Quixote. 
DOLZ, J. &. (1996). Un decálogo para enseñar a escribir. (T. d. restrita, Ed.) CULTURA y 
Educación, 2, 31-41. 
 
 
Pá
gi
n
a9
6
 
DOLZ, J., GAGNON, R., & DECÂNDIO, F. (2010). Produção escrita e dificuldades de 
aprendizagem. CAmpinas(SP): Mercado de Letras. 
FERREIRA, C., & CARDOSO, S. (1994). A dialetologia no Brasil. São Paulo(SP): Contexto. 
FERREIRO, E. &. (1986). A psicogênese da língua escrita. Porto Alegre (RS): Artmed. 
FERREIRO, E. (1990). A escrita como sistema de representação. Em E. FERREIRO, 
Reflexões sobre Alfabetização (pp. 10-16). São Paulo(SP): Cortez Editores. 
FERREIRO, E. (2008). Alfabetização e Cultura Escrita. Revista Nova Escola. São Paulo, São 
Paulo, Brasil: Abril. Fonte: 
http://revistaescola.abril.com.br/edicoes/0162/aberto/mt_245461.shtml. 
FIORIN, J. L. (2006). Introdução ao pensamento de Bakhtin. Capítulo 3. São Paulo (SP): 
Ática. 
FOUCAMBERT, J. (1994). A leitura em questão. Porto Alegre(RS): Artmed. 
HALLIDAY, M. A., & HASAN, R. (1976). Cohesion in English. New York: Longman. 
KOCH, I. e. (1989). Texto e Coerência. São Paulo(SP): Cortez Editores. 
KOCH, I. e. (1991). A coerência textual. São Paulo(SP): Contexto. 
KOCH, I. e. (1991). A Coesão Textual. São Paulo(SP): Contexto. 
KOCK, I. (2002). O texto e a construção de sentidos. Caminhos de Linguística. São 
Paulo(SP): Contexto. 
LERNER, D. (maio-2002). A Autonomia do Leitor. Uma Análise Didática. Revista de 
Educação. N. 6. 
MANN, V. (1989). Les habilités phonologiques: Predicteurs valides des futures capacités 
en lecture. Em &. C. L. Rieben, L´apprentti lecteur, Recherches empiriques et 
implications pédagógiques. Neuchâtel-Paris: Delachaux et Niestlé. 
MANN, V. (1993). Phoneme awareness and future reading ability. Journal of learning 
Disabilities, 26 (4), pp. 259-269. 
MARTINS, M. A., & SILVA, A. C. (1999). Os nomes das letras e a fonetização da escrita. 
Análise Psicológica, Ano 1 (XVII), pp. 49-63. 
MESA, C. Z. (janeiro de 2008). Influencia de la escritura alfabética em la segmentación 
de sonidos vocálicos y consonânticos. Lectura y Vida. 
MOLINARI, M. C. (outubro/1999). Intervención Docente em uma situación de dictado a 
la maestra. Buenos Aires: Colegio integral Martín Buber/Red Latinoamericana de 
Alfabetización. 
 
 
Pá
gi
n
a9
7
 
PERFETTI, C. A. (1987). Phonemic knowledge and learning to read are reciprocal: a 
longitudinal study of first grade children. Merrilpalmer Quarltely, 33, pp. 283-
319. 
QUINTEROS, G. (1997). El uso y función de las letras en el periodo pre-alfabético. Tesis 
de Maestría. México: DIE/Cinvestav. 
ROJO, R. H. (1999). Oral e escrito em sala de aula. Letramento escolar e gêneros do 
discurso. Anais do II Congresso Nacional da ABRALIN: s/p., CD-ROM. 
Florianópolis: UFSC/ABRALIN. 
ROJO, R. H. (set/dez 2006). As relações oral/escrita nos gêneros orais formais e 
públicos: o caso da conferência acadêmica. Revista Linguagem em (Dis)curso; 
volume 6, número 3;. 
SANT'ANNA, A. R. (1987). A poesia possível. Rio de Janeiro(RJ): Editora Rocco. 
SAUSSURE, F. d. (1969). Curso de Linguística Geral. São Paulo(SP): Editora Cultrix. 
SCHNEUWLY, B., & DOLZ, J. (1998). Gêneros Orais e Escritos na Escola. CAmpinas (SP): 
Mercado de Letras. 
SCHNEUWLY, B., & DOLZ, J. (1998). Gêneros Orais e Escritos na Escola. Campinas (SP): 
Editora Mercado de Letras. 
SCHNEWULY, B., & DOLZ, J. (2004). Palavra e Ficcionalização: um caminho para o 
ensino da linguagem oral. Em B. SCHNEWULY, & J. &. DOLZ, Gêneros orais e 
escritos na escola (p. 129). Campinas(SP): Mercado de Letras. 
SILVA, L. P. (2009). Prática Textual em Língua Portuguesa. Curitiba(PR): IESDE Brasil SA. 
SIMON, M. L. (3 a 7 de março/2008.). A Construção do Texto. Coesão e Coerência 
Textuais e o Conceito de Tópico. Texto resultante do trabalho apresentado no I 
Simpósio de Estudos Filológicos e Linguísticos, promovido pelo CiFEFiL. Rio de 
Janeiro(RJ): FFP (UERJ). 
TRASK, L. R. (2006). Dicionário de Linguagem e Linguística. São Paulo(SP): 2006. 
VERNON, S. (1997). La relación entre la conciencia fonológica y los niveles de 
conceptualización de la escritura. Tesis de doctorado. México: DIE/Cinvestav. 
VERNON, S. e. (1999). Writing development: A neglected variable in the consideration 
of phonological awareness. Harvard Educational Review, 69 (4), 395-415. 
VYGOTSKY, L. (1991). Pensamento e Linguagem. São Paulo: MArtins Fontes. 
VYGOTSKY, L. S. (1989). A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes. 
WEISZ, T. (1985). Repensando a prática de alfabetização: as ideias de Emília Ferreiro na 
sala de aula. Cadernos de Pesquisa, No 52, pp. 115-119. 
 
 
Pá
gi
n
a9
8
 
WEISZ, T. (1988). As contribuições da psicogênese da língua escrita e algumas reflexões 
sobre a prática de alfabetização. Ciclo Básico em Jornada Única: uma nova 
Concepção de Trabalho Pedagógico em São Paulo. São Paulo (SP): SEE de 
SP/CENP - Coordenadoria De Estudos e Normas Pedagógicas. 
WEISZ, T. (2002). O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo (SP): Ática. 
WEISZ, T. (nov/1999 - jan/2000). Psicogênese da língua escrita: Uma revolução 
conceitual faz 20 anos. Pátio - Revista Pedagógica, 34-45. 
WEISZ, T. (nov/dez 2003 - jan/2004). Didática da leitura e da escrita: questões 
polêmicas. Pátio - Revista Pedagógica, No 28.