TGP - Parte I
16 pág.

TGP - Parte I


DisciplinaTeoria Geral do Processo9.449 materiais176.936 seguidores
Pré-visualização7 páginas
quando então, se dizem 
dispositivas.
Fontes:
Direta: lei \u201cLato sensu\u201d
Supletivas:
Indiretas \u2192 costume/jurispr./princípios
Secundárias \u2192 Dir. Histórico/estrangeiro/doutrina
Concretas: CF/CE/ Lei Fed./Lei Estadual/ Lei Orgânica Jud./ Regim. Int. Trib.
Interpretação da norma:
Interpretar: determinar a exata significação do enunciado legal, com o objetivo de determinar-lhe o 
conteúdo.
Critérios:
Objetivo:
A classificação da interpretação do ponto de vista objetivo tem em consideração os meios ou 
expedientes intelectuais empregados na interpretação da lei.
\u2013 Gramatical \u2192 também chamada literal, é aquela que se inspira no próprio significado das 
palavras, sendo a pior de todas as interpretações
\u2013 Lógica \u2192 também chamada teleológica, é aquela que visa a compreender o espírito da lei e 
a intenção do legislador ao editá-la; procura descobrir a finalidade da lei ou a vontade nela 
manifestada.
\u2013 Sistemática \u2192 Nessa interpretação, o exegeta deve colocar a norma dentro do contexto de 
todo o direito vigente e com a regras particulares de direito que têm pertinência com ela.
\u2013 Histórica \u2192 se assenta sobre a história da lei ou dos seus precedentes, como projetos de lei, 
discussões no plenário, exposições de motivos etc. Busca o mens legis, intenção do 
legislador.
Subjetivo:
A classificação da interpretação do ponto de vista subjetivo toma em consideração o sujeito que 
interpreta a lei.
\u2013 Autêntica \u2192 proveniente do próprio legislador, que é quem faz a lei
\u2013 Doutrinária \u2192 proveniente dos doutrinadores ou comentadores da lei
\u2013 Judicial \u2192 interpretação dos juízes e tribunais ao aplicarem a lei no caso concreto.
Resultado:
A classificação da interpretação do ponto de vista dos resultados leva em consideração o fato de 
haver na lei algo a mais ou a menos do que deveria dela constar.
\u2013 Extensiva \u2192 é aquela que impõe uma ampliação do enunciado legal, por ter a lei sido 
demasiado restrita, dizendo menos do que queria, excluindo aparentemente situações visadas 
pela lei. Nesse caso, cumpre ao intérprete ampliar o sentido e o alcance das palavras da lei.
\u2013 Restritiva \u2192 é aquela que impõe uma restrição do enunciado legal, por ter a lei sido 
demasiado ampla, dizendo mais do que queria, compreendendo aparentemente situações 
que, na sua intenção, deveriam ter sido excluídas. Nesse caso, cumpre ao intérprete 
restringir o sentido e o alcance das palavras.
Integração:
A integração da norma processual é a atividade pela qual se preenchem as lacunas verificadas na lei, 
mediante pesquisa e formulação da regra jurídica aplicável à situação de conflito não expressamente 
prevista pela ordem jurídica. Isto se faz pela analogia, costumes e princípios gerais de direito.
\u2013 Analógica \u2192 permite resolver o conflito não previsto em lei, mediante a utilização de regra 
jurídica relativa a um caso semelhante.
\u2013 Princípios gerais de Direito \u2192 são enunciados gerais e universais, geralmente expressos em 
latim, que ajudam na resolução dos conflitos, quando não seja possível resolvê-los pela 
analogia ou pelos costumes. Esses princípios constituem pressupostos lógicos das normas 
legais, embora não apareçam na lei positivada.
\u2013 Costumes \u2192 regras não escritas, produto de uma repetição reiterada, observados por todos, 
impondo-se como meios de resolução dos conflitos; sendo muito prestigiados nas relações 
entre os comerciantes.
Limites espaciais e temporais
A eficácia espacial das normas processuais é regulada pelo princípio da territorialidade, também 
conhecido como lei do foro; e nem poderia ser de outra forma, considerando que se trata da 
disciplina de uma atividade jurisdicional do Estado, e não se admite atividade estatal regulada por 
lei estrangeira. O CPC entretanto ressalva as disposições processuais específicas previstas em 
tratados ou convenções internacionais de que o Brasil seja signatário.
\u2192 Estado soberano
\u2022 Vigência: 45 dias da publicação
\u2192 Efeitos imediatos:
\u2013 Dir. adquiridos
\u2013 Ato jur. Perfeito
\u2013 Coisa julgada
Conflitos Temporais
\u2192 Sistema de Solução de conflitos temporais:
\u2013 Unidade processuais \u2192 Um bloco só de processo. Só pode ser regulado por uma única lei, a 
antiga ou a nova, de modo que a antiga teria de se impor em detrimento da nova.
\u2013 Fases processuais \u2192 um desmembramento do processo em fases para evitar, durante a sua 
duração que pode ser de anos, conflitos entre leis revogadas e vigentes. Em cada fase do 
processo, vale a lei que estiver vigente à época.
\u2013 Isolamento dos atos processuais \u2192 um desmembramento do processo em atos, para 
atualizar ainda mais rápido o processo de acordo com as leis que são revogadas e/ou surgem. 
Antes a lei nova só passava a contar na próxima fase do processo, agora isso ocorre mais 
rápido, ou seja, a cada ato. Sistema esse que foi consagrado pelos CPC art. 2º e CPP art. 
1.211, que asseguram que a norma processual não tenha efeito retroativo, provendo somente 
para o futuro, para atos processuais ainda não realizados quando da sua entrada em vigor.
Não fica afastada, porém, a ultratividade (proatividade) das leis processuais, fenômeno 
segundo o qual a norma revogada continua produzindo sua eficácia até que se conclua o ato 
por ela regulado.
Diferença entre processo e procedimento:
Pra que serve? Processo é a Ferramenta do Estado para resolver as lides.
O que é? Processo é uma relação jurídica de direitos e obrigações que vai se materializar por 
meio de um procedimento.
O procedimento é o conjunto de atos que são necessários para exercer o processo. 
Jurisdição
É o poder-dever do Estado-juiz de declarar e realizar o direito.
Considerações:
Soberania \u2192 Poder-dever do Estado
Poderes \u2192 Funções
Jurisdição:
\u2022 Substituição da vontade \u2192 das partes, pela decisão do Estado.
\u2192 Elementos:
\u2022 \u201cNotio\u201d \u2192 ter noção do que se trata a lide, saber qual é o caso concreto;
\u2022 \u201cVocatio\u201d \u2192 chamar em juízo, intimar;
\u2022 \u201cCoertio\u201d \u2192 executar a decisão, fazer cumprir utilizando-se da força;
\u2022 \u201cIudicium\u201d \u2192 decidir;
\u2022 \u201cExecutio\u201d \u2192 executar a decisão, fazer cumprir.
Princípios:
Da investidura: provêm do entendimento de investir poder em alguém, poder este fornecido pelo 
Estado, Ex. Poder investido ao juiz pelo Estado
Da aderência ao território: uma limitação espacial, territorial da jurisdição exercida
Da indelegabilidade: aquele juiz devidamente investido daquela função, não pode delegar poder a 
outra pessoa.
Da indeclinabilidade (CF 5º, XXXV): O juiz não pode se negar julgar uma lide (também chamado 
de princípio da inafastabilidade da jurisdição)
Do juiz natural (Igualdade/Independência/Imparcialidade): equidistância, imparcialidade, etc.
Da inércia ou da demanda: O juiz está à espera de uma demanda. Enquanto este não for demandado, 
ficará inerte. Existem algumas exceções, \u201cex officio\u201d, deste princípio, ex. O Habeas Corpus, que 
pode ser impetrado pelo próprio juiz, se este achar que no caso concreto foi cometido uma injustiça, 
mesmo que nenhum advogado tenha pedido o habeas corpus para ele.
Art. 460 do CPC: É defeso ao juiz proferir sentença, a favor do autor, de natureza diversa da pedida, 
bem como condenar o réu em quantidade superior ou em objeto diverso do que Ihe foi demandado.
Quando ao juiz é pedido uma decisão sobre A, e ele decide sobre A + B, chama-se ultra petita.
Quando ao juiz é pedido uma decisão sobre A + B, e ele decide somente sobre A, citra petita.
Quando ao juiz é pedido uma decisão sobre A, e ele decide sobre B, chama-se extra petita.
Princípio do acesso à justiça: Essa simples faculdade acabou erigida num princípio, segundo o qual 
a todos é assegurado o acesso ao Judiciário, para defesa de seus direitos; servindo a expressão 
\u201cacesso à justiça\u201d para determinar duas finalidades básicas do sistema jurídico:
a) primeiro, o sistema deve ser igualmente acessível a todos;
b) segundo, ele