TGP - Parte I
16 pág.

TGP - Parte I


DisciplinaTeoria Geral do Processo9.390 materiais175.483 seguidores
Pré-visualização7 páginas
deve produzir resultados que sejam individual e socialmente justos.
Nula poene sine iudicio: Não há pena sem julgamento, sentença, jurisdição.
Jurisdição contenciosa e voluntária: 
A palavra jurisdição vem do latim ius (direito) e dicere (dizer).
\u2192 Lide/Partes/Demanda
Espécies de jurisdição:
\u2192 Una: Soberania da lei nacional no território. O poder do Estado é uno na sua essência, mas 
fracionado no seu exercício.
\u2192 Quanto à Gradação: A jurisdição inferior é a que se exerce na primeira instância por juiz que 
conhece e julga, originariamente, as causas; a jurisdição superior é a exercida na superior 
instância, por força de recurso interposto em causa já sentenciada, como consequência do duplo 
grau.
\u2192 Quanto ao objeto/matéria: Penal e Civil
\u2192 Quanto a origem: A jurisdição legal é permanente, nasce da investidura do juiz no cargo com as 
atribuições próprias de seu ofício, de dizer ou declarar o direito; a jurisdição convencional é 
momentânea, exercida pelo árbitro ou tribunal arbitral, por força de compromisso assumido pelas 
partes, sendo momentânea.
\u2192 Quanto aos organismos judiciários: comum (ordinária) e especial (extraordinária).
\u2192 Quanto à forma: A jurisdição contenciosa é exercida em face de litígio, quando há controvérsia 
(inter nolentes), e a jurisdição voluntária, quando o juiz se limita a homologar a vontade dos 
interessados, ou quando o juiz decide, mas em face de interesses não litigiosos.
Jurisdição x Arbitragem
\u2192 Lei 9.307/96
A arbitragem configura um exercício de atividade jurisdicional exercida por um particular, com 
autorização do Estado. É uma forma de composição de lide extraprocessual. A conciliação, por 
outro lado, é uma forma de composição de lide intraprocessual, requer homologação.
\u2022 Antes: laudo arbitral; Hoje: sentença arbitral \u2192 título executivo
Estrutura do Poder Judiciário (CF 92/126)
1. O STF: 
\u2022 compõe-se de 11 ministros, com mais de 35 e menos de 65 anos;
\u2022 detêm jurisdição sobre todo o território nacional; 
\u2022 competência originária e recursal (ordinária e extraordinária); 
\u2022 compete-lhe precipuamente a guarda da Constituição. 
\u2022 Sede em Brasília 
\u2022 Artigos: 101 e 102
1.a) O CNJ:
\u2022 órgão com competência para controlar a atividade administrativa e financeira do Poder 
Judiciário, pelo cumprimento dos deveres funcionais dos juízes, além das atribuições que lhe 
forem conferidas pelo Estatuto da Magistratura e pela Constituição.
\u2022 Artigos: 92 e 103-B
2. O STJ:
\u2022 compõe-se de, no mínimo, trinta e três ministros nomeados pelo Presidente da República;
\u2022 brasileiros com mais de 35 e menos de 65 anos de idade, depois de aprovada a escolha pelo 
senado.
\u2022 Escolha feita dentre desembargadores dos TJs e dos TRFs, de advogados e membros do MP 
dos Estados, do DF e Federal; 
\u2022 os membros saídos dos tribunais estaduais e regionais, e escolhidos entre advogados e 
membros do MP, integram o chamado quinto constitucional; 
\u2022 detêm jurisdição sobre todo o território nacional; 
\u2022 competência originária e recursal (ordinária e especial). 
\u2022 Sede em Brasília
\u2022 Artigos: 103 ao 105
3. Os TRFs:
\u2022 São órgãos de 2º grau da Justiça Federal comum;
\u2022 compõe-se de no mínimo 7 juízes, escolhidos dentre juízes federais, com mais de cinco anos 
de carreira, mediante promoção; 
\u2022 assegurada também a participação de advogados e membros do MP todos com mais de 10 
anos na profissão ou na carreira. Esta participação respeita também o chamado quinto 
constitucional; 
\u2022 brasileiros com mais de 30 e menos de 60 anos; 
\u2022 competência originária e recursal; 
\u2022 julgar, em grau de recurso, as causas decididas pelos juízes federais e estaduais no 
exercício da competência federal da área de sua jurisdição; 
\u2022 a jurisdição é delimitada por região (são regionais), havendo, atualmente, 5 TRFs, com sede 
em Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Recife, compreendendo 5 regiões.
\u2022 Artigos:107-109
3.1 Os juízes federais:
\u2022 são órgãos de 1º grau da Justiça Federal (mais propriamente, os órgãos são os juízos ou 
varas; o juiz é um dos elementos desse órgão);
\u2022 Cada Estado, bem como o DF, constitui uma Seção Judiciária, que tem por sede a respectiva 
capital, e varas localizadas segundo o estabelecido em lei (CF art. 110); 
\u2022 sua competência é prevista no art. 109 CF, sobressaindo a de processar e julgar as causas 
em que a União, entidade autárquica e empresa pública forem interessadas na 
condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falência, as de acidentes 
do trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho. 
\u2022 A Justiça Federal conta ainda com os Juizados Especiais Federais e Turmas de Recursais 
(Lei 10.259/2001), e também com tribunais do júri para o julgamento de crimes dolosos 
contra a vida.
4. A Justiça do Trabalho: é estruturada com órgãos de 1º grau, que são as Varas do Trabalho; de 2º 
grau, que são os TRTs; e de 3º grau, que é o TST (CF art. 111, I a III).
4.1 O TST:
\u2022 órgão de 3º grau da Justiça Trabalhista;
\u2022 compõe-se de 27 ministros; 
\u2022 brasileiros com mais de 30 anos e menos de 65 anos de idade, nomeados pelo Presidente da 
República, após aprovação pelo Senado, com mais de dez anos de atividade, e os demais 
dentre juízes dos TRTs, oriundos da magistratura de carreira; 
\u2022 sede em Brasília; 
\u2022 jurisdição sobre todo o território nacional; 
\u2022 competência determinada por Lei Ordinária.
4.2 Os TRTs:
\u2022 órgãos de 2º grau da Justiça Trabalhista;
\u2022 compõe-se de, no mínimo, 7 juízes nomeados pelo Presidente da República; 
\u2022 brasileiros com mais de 30 e menos de 65 anos de idade, assegurando também, a 
participação de advogados e membros do Ministério Público do Trabalho com mais de 10 
anos de atividade (CF ART. 115 I e II).
4.3 Os juízes do trabalho: órgãos de 1º grau da Justiça Trabalhista; atuam nas varas do trabalho, aos 
quais compete processar e julgar as ações oriundas da relação de trabalho, abrangidos os entes de 
direito público externo e da administração pública direta e indireta da União, dos Estados, do DF e 
dos Municípios (CF 114 I), na forma da lei (CF, art. 114, IX), bem como todos os feitos referidos na 
CF (114 II a X).
Conta, ainda, a Justiça do Trabalho, com a ajuda da arbitragem, pois frustrada a negociação 
coletiva, as partes poderão eleger árbitros.
5. A Justiça Eleitoral: estrutura organizacional mais ampla que as demais justiças, atuando em 1º 
grau os juízes eleitorais e as juntas eleitorais; em 2º grau os TREs; em 3º grau o TSE.
5.1 O TSE:
\u2022 sede em Brasília;
\u2022 composição de no mínimo 7 membros escolhidos mediante eleição pelo voto secreto dentre 
os ministros do STF e do STJ, e dois juízes dentre 6 advogados de notável saber jurídico e 
idoneidade moral (CF 119 I e II);
\u2022 jurisdição sobre todo o território nacional
\u2022 competência estabelecida em LC
\u2022 decisões irrecorríveis, salvo se contrariarem a CF, e as denegatórias de HC ou mandado de 
segurança
5.2 Os TREs:
\u2022 órgãos de 2º grau da Justiça Eleitoral
\u2022 há 1 em cada Estado e 1 no DF
\u2022 7 membros escolhidos mediante eleição pelo voto secreto dentre desembargadores do TJ e 
juízes de direito; 1 juiz do TRF com sede na capital do Estado ou no DF e juízes escolhidos 
pelo Presidente da República, dentre advogados de notório saber jurídico e idoneidade 
moral, indicados pelo TJ (CF 120 §1º I, II e III);
\u2022 A organização e competência dos juízes eleitorais e das juntas eleitorais são objeto de LC;
\u2022 A Justiça Eleitoral é uma justiça suis generis pois toda a sua estrutura organizacional é 
composta de membros integrantes de outros órgãos judiciários, pelo que não existe concurso 
para ingresso na carreira de magistrado eleitoral.
6. A Justiça Militar da União é composta de juízes e tribunais militares, sendo eles de 1º grau, e o 
STM de 2º grau.
7. A Justiça