A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
KANT NA FUNDAMENTAÇAÕ DA METAFÍSICA DOS COSTUMES

Pré-visualização | Página 1 de 1

QUAL O OBJETIVO DE KANT NA FUNDAMENTAÇAÕ DA METAFÍSICA DOS COSTUMES?
R.: Kant busca um princípio de moralidade que fundamente os costumes e o agir moral, uma vez que ele afirma que a distinção dos homens para outros animais é a capacidade da razão e independentemente das inclinações, a razão tem de ser racional, necessária e boa. Contudo, para que uma ação seja meramente boa, não basta que seja conforme com a lei moral, é preciso além disso,que seja praticada por causa da lei moral.
EM QUE SENTIDO KANT DISTINGUE O IMPERATIVO CATEGÓRICO DO HIPOTÉTICO?
R.: O Imperativo categórico são leis universais, não podendo ser desobedecidas, não importando as circunstâncias, sendo um fim em si mesmo, ou seja, nenhuma outra finalidade pode justificar a desobediência. 
 Já no Imperativo Hipotético tem aplicação quando desejamos atingir algum fim determinado, por exemplo se desejamos adquirir conhecimento, é imperativo que aprendamos. O hipotético tem um sentido mais facultativo.
COMENTE O PRINCÍPIO ÉTICO KANTIANO “AGE COMO SE A MÁXIMA DE TUA AÇÃO DEVESSE TORNAR-SE MEDIANTE TUA VONTADE, A LEI UNIVERSAL DA NATUREZA.”
R.: Sobre isso, Kant certamente diria:
“Não preciso pois de perspicácia de muito largo alcance para saber o que hei de fazer para que o meu querer seja moralmente bom. Inexperiente a respeito do curso das coisas do mundo, incapaz de prevenção em face dos acontecimentos que nele se venham a dar, basta que eu pergunte a mim mesmo: – podes tu querer também que a tua máxima se converta em lei universal? Se não podes, então deves rejeitá-la” (IK, FMC, p. 35/36).
Kant denomina esse princípio como “Lei Universal do Direito”, é o Imperativo Categórico aplicado na vida do homem dotado de razão, porém imperfeitamente racional. Seria portanto, imaginar uma norma que obrigasse todo mundo a agir da mesma forma diante de uma mesma situação.
Se o que você faz for seguido não só por você, mas por todas as outras pessoas então, sua máxima será moralmente correta, caso contrário sua máxima será imoral.
Resumindo: Se você não deseja que os outros façam, então você tem o dever moral de não fazer também