A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
Apostila Exames Laboratoriais

Pré-visualização | Página 1 de 4

APOSTILA – EXAMES LABORATORIAIS AP001 
PERFIL GLICÍDICO 
 
EXAMES PARA SOLICITAR VALORES DE REFERÊNCIA INTERPRETAÇÃO OBSERVAÇÕES 
Glicemia casual <200mg/dL Se acima, associado com 
presença de sintomas de 
poliuria, polidipsia, perda 
ponderal, diagnóstico de 
Diabetes Mellitus. 
Esse exame é a determinação da 
glicemia em amostra de sangue colhida 
em qualquer horário do dia, 
independente da pessoa estar em jejum 
ou não. Útil em casos de pessoas com 
sintomas muito evidentes e sugestivos 
de diabetes. 
Glicemia de jejum < 99mg/dl Valores acima de 126 mg/dl se 
correlacionam relativamente 
bem com os valores de 2 horas 
após sobrecarga acima de 200 
mg/dl, de modo que glicemias 
de jejum > 126mg/ dl em duas 
ocasiões confirmam o 
diagnóstico de Diabetes. 
É a forma mais simples, prática e barata 
de diagnosticar o diabetes. Deve ser 
colhida amostra de sangue pela manhã, 
após um jejum de 8 a 12 horas. 
Glicose - Teste oral 75 gramas < 140mg/dL Indivíduos que apresentarem 
glicemia no tempo 120 
minutos após sobrecarga de 75g 
de glicose, superior a 200mg/dl, 
são considerados como 
portadores de Diabetes. 
Indivíduos que apresentarem 
glicemia no tempo 120 
Indicado em pacientes com glicemia de 
jejum pouco alterada, ainda não 
atingindo o nível para diagnóstico de 
diabetes, ou em pacientes de risco 
muito elevado para diabetes com 
glicemia de jejum normal. Colhe-se uma 
amostra de sangue (geralmente em 
jejum), então o paciente ingere 75g de 
 
 
APOSTILA – EXAMES LABORATORIAIS AP001 
minutos entre 140 e 199 mg/dl 
o diagnóstico é de 
intolerância glicídica (pré-
diabetes). 
glicose dissolvida em água e colhe uma 
nova glicemia após 2 horas. 
Pré-diabetes - jejum ≥100 e ˂126 Os indivíduos pré-diabéticos 
apresentam glicemia de jejum 
entre 100 e 125gd/L. 
O pré-diabetes refere-se a um estágio 
intermediário entre a homeostase 
normal de glicemia e a manifestação de 
DM. 
Os níveis glicêmicos de indivíduos pré-
diabéticos podem permanecer 
imutáveis, reverter-se à normalidade 
ou, mais comumente, progredir para o 
Diabetes tipo 2. 
Pré-diabetes – 2 horas após 
75g de glicose 
≥140 e ˂200 Os indivíduos pré-diabéticos 
apresentam valores glicêmicos 
no teste de tolerância oral entre 
140 e 199mg/dL. 
Hemoglobina glicada (A1C) De até 8% na faixa pré-puberal 
Menor que 8,5% na faixa puberal 
Menor que 7% na fase final da 
puberdade e em adultos 
OU 
Inferior a 6,5 % em pacientes diabéticos 
Se for maior que 6,5%, reavaliar 
a dieta e os medicamentos. 
Solicitar duas vezes ao ano para todos 
pacientes diabéticos ou a cada três 
meses para pacientes que se 
submeteram a alterações do esquema 
terapêutico ou não estejam alcançando 
os objetivos recomendados para o 
tratamento. 
Insulina 2,6 a 24,9 uUI/mL Valores superiores indicam 
possível Resistência à insulina. 
Utilizar o valor encontrado para 
o cálculo de HOMA. 
Utilizar para verificação de Resistência à 
insulina. 
Índice de HOMA  HOMA IR >4,65 μU/mL 
• HOMA – IR > 3,6μU/mL + IMC > 27,5 
kg/m2 
O resultado é excelente quando 
próximo a 1. 
Utilizar para verificação de Resistência à 
insulina, juntamente com o resultado da 
glicemia. 
 
 
APOSTILA – EXAMES LABORATORIAIS AP001 
PERFIL LIPÍDICO 
 
EXAMES PARA SOLICITAR VALORES DE REFERÊNCIA INTERPRETAÇÃO OBSERVAÇÕES 
Colesterol total 02 a 19 anos 
Desejável : < 170,0 mg/dL 
Limítrofe : 170,0 a 199,0 mgd/L 
Elevado : > 199,0 mg/dL 
> 19 anos 
Desejável : < 200,0 mg/dL 
Limítrofe : 200,0 a 239,0 mg/dL 
Elevado : > 239,0 mg/dL 
Avaliação da função hepática. 
Colesterol total maior que 
240mg/dL em dosagem 
anterior. 
Doença arterial coronariana 
conhecida ou outra doença 
vascular aterosclerótica. 
O uso de certos medicamentos e 
drogas, bem como a ingestão de 
bebidas alcoólicas pode estar associado 
ao encontro de valores alterados de 
colesterol total sérico. De modo ideal, a 
avaliação do colesterol total sérico deve 
ser realizada após pelo menos uma 
semana com dieta habitual mantida, 
sem o uso de bebidas alcoólicas ou 
exercícios. 
Colesterol HDL Menos de 40 mg/ dL - Grande risco de 
doença cardíaca 
40 -59 mg/dL - Deve melhorar 
60 mg/dL - Protetor contra doença 
cardíaca 
 
OU 
 
Desejável – ≥ 60 
Indesejável - Até 40 
- Apresenta papel protetor na formação 
de aterosclerose; Transporta o 
colesterol de outras partes do 
organismo de volta ao fígado. 
 
Colesterol LDL Ótimo ˂ 100 mg/dL 
Desejável- até 100 mg/dL 
Adequado - 100 a 129 mg/dL 
- Elevação associada a maior chance de 
desenvolvimento de doença cardíaca 
aterosclerose e indiretamente ao 
 
 
APOSTILA – EXAMES LABORATORIAIS AP001 
Discretamente elevado - 130 a 159 
mg/dL 
Elevado - 160 a 189 mg/dL 
Muito elevado - maior ou igual 190 
infarto e AVC. 
Colesterol VLDL Desejável - Até 30 mg/dL 
Discretamente elevado - 30 a 40 mg/dL 
Elevado - 40 a 99 mg/dL 
Muito elevado - Maior ou igual a 100 
mg/dL 
- Colesterol VLDL alto acelera o 
aparecimento de aterosclerose e 
chances de doenças cardíacas ou 
metabólicas. 
 
Triglicerídeos Desejável - Até 150 
Discretamente elevado - De 150 a 199 
Elevado - De 150 a 199 
Muito elevado - Maior ou igual a 500 
- Triglicérides abaixo de 100 mg/dL: não 
requerem tratamento 
Níveis superiores a 200 mg/dL: devem 
ser acompanhados 
Entre 100 e 200 mg/Dl: controvérsia em 
relação ao tratamento. 
 
PERFIL HEPÁTICO 
 
EXAMES PARA SOLICITAR VALORES DE REFERÊNCIA INTERPRETAÇÃO OBSERVAÇÕES 
ALT (Alanina 
aminotransferase) 
Adultos: 3 a 50 U/L Valores aumentados: necrose 
celular hepática de qualquer 
causa, choque severo, 
insuficiência cardíaca, hepatite 
infecciosa e tóxica, icterícia 
obstrutiva, obstrução biliar, 
cirrose. 
Para verificar disfunção hepática. 
 
 
APOSTILA – EXAMES LABORATORIAIS AP001 
 
Valores diminuídos: azotemia, 
diálise renal crônica. 
AST (Aspartato 
aminotransferase) 
Mulher: 9-25 U/L 
Homem: 10-40 U/L 
Valores aumentados: doenças 
hepáticas, infarto agudo do 
miocárdio, pancreatite aguda, 
dano intestinal, 
hipotireoidismo. 
 
Valores diminuídos: azotemia, 
diálise renal crônica, estados de 
deficiência de piridoxal fosfato. 
Para verificar disfunção hepática, 
marcador auxiliar de infarto agudo do 
miocárdio e pericardite. 
Fosfatase alcalina Idade : Mulheres (U/L) : Homens (U/L) 
RN : 150,0 a 600,0 : 150,0 a 600,0 
5 meses a 9 anos: 250,0 a 950,0 : 250,0 
a 950,0 
10 a 11 anos : 250,0 a 950,0 : 250,0 a 
730,0 
12 a 13 anos : 200,0 a 730,0 : 275,0 a 
875,0 
14 a 15 anos : 170,0 a 460,0 : 170,0 a 
970,0 
16 a 18 anos : 75,0 a 720,0 : 125,0 a 
720,0 
> 18 anos : 35,0 a 104,0 : 40,0 a 129,0 
As fosfatases alcalinas estão 
presentes em ossos, fígado, 
intestino, placenta, rins e 
leucócitos. 
 
Cerca de 90% da fosfatase 
alcalina circulante são 
isoenzimas hepáticas e ósseas. 
 
A fosfatase alcalina total 
encontra-se elevada em 
distúrbios do trato biliar, 
hepatites, doenças de Paget, 
neoplasias, 
Para verificar disfunção hepática, 
icterícias obstrutivas, diagnóstico de 
doenças ósseas e metabolismo mineral. 
 
 
APOSTILA – EXAMES LABORATORIAIS AP001 
hiperparatireoidismo, 
osteomalacia e raquitismo. 
Gama GT (Gama 
glutamiltransferase) 
Homem: 08 a 61 U/L 
Mulher: 05 a 36 U/L 
 
Valores aumentados: doenças 
hepáticas em geral, 
pancreatites, infarto agudo do 
miocárdio, lupus eritematoso 
sistêmico, obesidade 
patológica, hipertireoidismo,