ISO - qualidade de SOftware
33 pág.

ISO - qualidade de SOftware

Disciplina:Qualidade de Softwere33 materiais35 seguidores
Pré-visualização2 páginas
ISO
Qualidade de Software

Profa.: Armanda Maria
armandamaria@gmail.com

ISO

ISO

• Nasceu de uma conferência em Londres, em outubro de 1946,
mas só começou a funcionar em 1947;

• Inicialmente, a ISO só produzia recomendações e não normas
internacionais;

• Os documentos partiam de normas já existentes;

ISO

• Em dezembro/2004, a ISO chegou a 14.941 documentos
internacionais de padronização, contando quase 150 países
participantes e cerca de 50 mil especialistas que criavam e
verificavam os documentos.

ISO

• A palavra ISO provém do grego isos e significa igual.

• As normas internacionais oferecem uma base comum para julgar
a qualidade de produtos e definir critérios em contratos e
negociações.

• Permitem que consumidores encontrem compatibilidade entre
tecnologias e produtos.

ISO

• Exemplo:

– As dimensões de conectores elétricos permitem que pessoas
em trânsito entre países diferentes possam utilizar
equipamentos como computadores.

ISO, IEC e JTC1

ISO

• A ISO criou com a IEC (International Eletrotechnical Commission)
o JTC1 (Joint Technical Committee 1).

• O JCT1 é responsável pela criação de normas relacionadas com
Tecnologia da Informação.

JCT1

• As normas abrangem:

– Projeto e desenvolvimento de sistemas e ferramentas de TI;
– Qualidade, desempenho, segurança, portabilidade e

interoperabilidade de sistemas de TI;
– Harmonização de ferramentas, ambientes e vocabulário

utilizado em TI;
– Ergonomia de sistemas.

JTC1

• Alguns princípios regem o JTC1;
• Há uma preocupação com a aplicação do conhecimento;
• O conteúdo dos documentos deve buscar atender a objetivos

como tempo de desenvolvimento de sistemas e custos
envolvidos na aplicação de tecnologias.

• Procura-se abranger o maior leque possível de assuntos
relacionados com qualidade de produtos e de serviços ligados à
TI.

JTC1

• É dividido em subcomissões cada qual responsável por tratar um
determinado corpo de normas.

• As subcomissões são divididas em grupos de trabalhos (working
groups) que tratam de assuntos específicos.

JTC1

• Estrutura hierárquica:

JTC1

• Algumas subcomissões:

SC Área de estudos

SC-6 Telecomunicações e troca de informações entre sistemas

SC-7 Software e engenharia de sistemas

SC-22 Linguagens de Programação

SC-27 Técnicas de segurança para TI

JTC1

• A subcomissão SC-7 é particularmente importante para gerentes
e desenvolvedores de software, pois reúne diversas normas que
possuem relação com a qualidade de software.

• Alguns grupos de trabalho em que a SC-7 está dividida:

WG Área de estudo

WG-2 Documentação e sistemas

WG-6 Avaliação e métricas

WG-7 Gerência de ciclo de vida

WG-12 Medição de tamanho funcional

JTC1

• Para identificar quem é responsável pela elaboração de uma
dada norma, utiliza-se uma notação similar à empregada para
identificar caminhos numa estrutura de diretórios:

JTC1/SC-7/WG-6

ABNT

• Associação Brasileira de Normas Técnicas – fundada em 1940;
• Órgão brasileiro responsável por normas de qualidade;
• Representa no Brasil a ISO e a IEC;
• Também possui uma estrutura interna em árvore, a divisão no

nível mais alto é chamada de comitê.
• Cada comitê é responsável por uma área de conhecimento

diferente e por sua vez, é subdivido em comissões, que são
responsáveis pela elaboração das normas.

ABNT

• Alguns comitês da ABNT

CB Área de estudo

CB-01 Mineração e metalurgia

CB-02 Construção civil

CB-21 Computadores e processamento de dados

CB-52 Café

ABNT

• O comitê 21 possui duas comissões técnicas: engenharia de
software e portabilidade de software, divididas em 7 comissões
de estudos; e a comissão técnica de linguagens, sistemas
operacionais e banco de dados, dividida em 3 comissões de
estudos.

CE Área de estudo

21:101.01 Qualidade de software

21:101.03 Gerência do ciclo de vida

21:101.06 Estimativa de tamanho de software

21:101.08 Ergonomia

ABNT

• O trabalho da ABNT é basicamente normativo, mas realiza
também, a certificação.

• Cuida da preparação de normas técnicas, mas também pode
verificar a implantação e uso dessas normas em uma empresa.

Inmetro

• Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade
Industrial.

• Tem função de verificar a observância de normas naquilo que se
refere a medições, realizar credenciamento de laboratórios de
medições.

• A ABNT é credenciada pelo Inmetro para fazer a certificação de
empresas em normas de qualidade.

Certificação e Adequação

• Uma empresa pode adotar uma ou mais normas de qualidade
para organizar sua estrutura e procedimentos, métodos de
fabricação, etc, sem que seja preciso passar por nenhuma forma
de inspeção.

• Toda empresa, não importando seu tamanho número de
empregados nem faturamento anual, possui normas internas.

• Qualquer empresa pode adotar normas internacionais ou não,
basta desejar fazê-lo.

Certificação e Adequação

• A adequação a uma norma consiste em colocar em prática, total
ou parcialmente, aquilo que nela é proposto.

• Pode ser feito de maneira autônoma ou com auxílio de
consultoria.

• A certificação envolve a participação de um organismo ou
empresa externa, devidamente regulamentado ou credenciado,
que possa atestar que a empresa candidata segue corretamente
um dado padrão.

Certificação e Adequação

• Passos para implementar um sistema de qualidade

Definição do
escopo Diagnóstico

Planejamento e
documentação

Gestão da
transição

Correções

Certificação e Adequação

• Definição do escopo: delimitar quais áreas do negócio serão
afetadas com as mudanças;

• Diagnóstico: Apontar os problemas e fazer um planejamento
das mudanças em função das normas que se pretende adotar;

• Planejamento de documentação: garantir que a padronização
pertença à empresa e não à memória das pessoas que trabalham
nela;

• Gestão da transição: a implementação deve ser feita de
maneira gradual e levará a novas análises e adaptações.

Certificação e Adequação

• A adequação às normas deve vir antes da certificação;

• É importante que a empresa esteja realmente engajada num
compromisso de melhoria contínua.

Certificação e Adequação

• Passos para a certificação:

Pré-auditoria RecomendaçõesAuditoriaCorreções

Relatório de
Não-conformidade

Relatório de
Não-conformidade

Certificação e Adequação

• Pré-auditoria: é a fase inicial e serve para medir a diferença
entra a maneira como a empresa trabalha atualmente e aquilo
que a norma a ser adotada estabelece.

– As diferenças entre os procedimentos adotados e os
normalizados são chamados de “não-conformidades”.

• Correções: Fase que leva à auditoria, o resultado dessa fase é
um novo relatório de não-conformidades.

• Recomendações: podem ser de diferentes tipos:

Certificação e Adequação

– Certificar imediatamente a empresa, porém sugerindo
pequenas correções a serem realizadas;

– Certificar a empresa, porém sob a condição de que certas
correções mais sérias sejam efetuadas;

– Não certificar a empresa, recomendando uma nova etapa de
adequação à norma antes de uma nova tentativa de
certificação.

Certificação e Adequação
● O fato de uma empresa exibir um selo ISO 9000 não

significa automaticamente que seus produtos possuem
qualidade, mas, por exemplo, apenas que um
determinado setor cumpre com uma regulamentação
de qualidade.

● A certificação é válida por um dado período, durante o
qual há acompanhamento por parte da instituição que
forneceu o certificado.

● Existe o risco da empresa perder seu certificado por
descumprimento das normas.

Certificação e Adequação
● Algumas normas de software:

ISO 9000
● Teve origem na norma britânica BS570,