Segurança Aula 9
35 pág.

Segurança Aula 9


DisciplinaQsms - Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde46 materiais112 seguidores
Pré-visualização3 páginas
04/10/2017
1
Técnico em Química
Segurança, Meio Ambiente e Saúde
Prof. Edil Lins
Aula 9
Por que Gerenciar?
Objetivo Geral da Gestão
Conforme a Agenda 21 - ECO-92:
\u201c Impedir, tanto quanto possível e reduzir, ao
mínimo, a produção de resíduos perigosos, e
submeter esses resíduos a um manejo que
impeça danos ao meio ambiente\u201d.
Gerenciamento = Minimização + Manejo
04/10/2017
2
Água
\u2022 Preciso comprar 
volumes tão grandes 
de PQs?
\u2022 Preciso gerar e 
descartar PQs 
excedentes?
\u2022 Preciso descartar
soluções ácidas e
básicas?
\u2022 Preciso descartar 
solventes usados?
Pra que Gerenciar?
Aumentar a Eficiência do Uso de Recursos
Porque
DESCARTE DE
RESÍDUOS nada 
mais é do que 
uma 
demonstração de
INEFICIÊNCIA
no consumo, nos
serviços
prestados e nos
processos
produtivos. PQs fora de uso emalmoxarifados
3
PQs excedentes
Por Razões Éticas e de Responsabilidade Socioambiental
Pra que Gerenciar?
Resíduos e Rejeitos
Evitar que produtos químicos caros
comprados com o dinheiro do contribuinte
Tornem-se...
E provoquem acidentes ou contaminem o ambiente
4
04/10/2017
3
\uf0b4Evitar a imputação da
responsabilidade penal.
\uf0b4Necessário conhecimento da
Legislação Ambiental
Pra que Gerenciar?
Aspectos Legais
\uf0a7 LEI FEDERAL 6938:1981 - Política Nacional do Meio
Ambiente
\uf0a7 CONSTITUIÇÃO FEDERAL :1988
\uf0b4 ART. 225 - Todos tem o direito ao meio ambiente
ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo
e essencial à sadia qualidade de vida, impondo- se ao
poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e
preservá-lo para as presentes e futuras gerações.
04/10/2017
4
LEI Nº 12.305:2010
Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no
9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências.
Resíduos sólidos: material, substância, objeto ou bem descartado
resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se
procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados
sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos
cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de
esgotos ou em corpos d\u2019água, ou exijam para isso soluções técnica ou
economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível.
Aspectos Legais
Rejeitos: resíduos sólidos que, depois de
esgotadas todas as possibilidades de tratamento e
recuperação por processos tecnológicos disponíveis
e economicamente viáveis, 
possibilidade que não 
ambientalmente adequada.
não
apresente
m a disposição
outra 
fina
l
LEI Nº 12.305:2010 \u2013 Política Nacional de 
Resíduos Sólidos
04/10/2017
5
Art. 9º Na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser 
observada a seguinte ordem de prioridade:
1. Não geração
2. Redução
3. Reutilização
4. Reciclagem
5. Tratamento
6. Disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos
Ainda institui a responsabilidade compartilhada!
LEI Nº 12.305:2010 \u2013 Política Nacional de Resíduos Sólidos
Como Gerenciar?
Dispondo de um Plano de Gerenciamento de Resíduos
PGR: Documento integrante do processo de licenciamento ambiental,
baseado nos princípios da não geração de resíduos e na
minimização da geração de resíduos, que aponta e descreve as
ações relativas ao seu manejo, no âmbito do estabelecimento,
contemplando os seguintes aspectos:
Fase intra-estabelecimento
\uf0fc geração
\uf0fc segregação
\uf0fc acondicionamento
\uf0fc coleta
\uf0fc armazenamento
\uf0fc transporte
\uf0fc tratamento
\uf0fc descarte local
Fase extra-
estabelecimento
\uf0fc transporte externo
\uf0fc tratamento externo
\uf0fc disposição final
04/10/2017
6
Quando Gerenciar?
De imediato!
Não esperar a ação do 
Órgão Ambiental, ANVISA, 
Ministério Público...
...ou a ocorrência de uma
FATALIDADE para começar a
implantar a Gestão Ambiental.
GERENCIAR custa infinitamente menos que uma VIDA HUMANA!
15
Representam riscos?
A ausência de gerenciamento 
de resíduos pode levar a 
eventos indesejados 
(\u201cacidentes\u201d)?
Resíduos x Segurança
04/10/2017
7
Algumas situações que há riscos:
\uf0b4Na segregação de resíduos;
\uf0b4No acondicionamento dos resíduos;
\uf0b4No transporte interno e externo;
\uf0b4No armazenamento;
Indústrias que utilizam produtos 
químicos em seus processos 
produtivos
são os maiores responsáveis 
pela geração de resíduos 
perigosos
PRODUÇÃO ROTINEIRA
DE RESÍDUOS
04/10/2017
8
Resíduos de laboratórios são gerados em pequena escala
GRANDE variedade
possuem natureza física e química
extremamente variada
Gerenciamento de resíduos/rejeitos
- Etapas
\uf0b4 Inventário de reagentes e resíduos;
\uf0b4Manuseio;
\uf0b4Segregação;
\uf0b4Acondicionamento;
\uf0b4Armazenamento;
\uf0b4Transporte interno;
\uf0b4Tratamento;
\uf0b4Disposição Final.
04/10/2017
9
Inventário
\ufffdLevantamento de reagentes e produtos (nome,
quantidade, localização, validade, etc);
\ufffdLevantamento dos resíduos ou classes de
resíduos gerados (tipo, estado físico,
quantidade, classe, etc...)
\ufffdEnvolve a caracterização e a classificação dos
resíduos;
\ufffdPossibilita o diagnóstico da situação;
Inventário
Os objetivos gerais a serem alcançados com o 
inventário são:
a) Racionalização da aquisição e uso de produtos
químicos;
b) Economia de recursos financeiros;
c) Minimização de materiais residuais;
d) Aumento da segurança química;
e) Fornecimento de informações para subsidiar
planos de gestão;
04/10/2017
10
Segregação
\uf0b4A segregação do resíduo deve ser feita no
local e no momento da geração, devendo-se
observar as suas características:
\uf0fc Físicas
\uf0fc Químicas
\uf0fc Estado físico
\uf0fc Riscos envolvidos
Segregação - Tipos de resíduo
\uf0b4Ativos
Resíduos que estão sendo gerados no presente
Sua composição é conhecida (pelo menos qualitativamente)
\uf0b4Passivos
São aqueles acumulados e armazenados ao longo dos anos
Frascos inadequados, sem identificação e sem \u201cdono\u201d
04/10/2017
11
Segregação
SEGREGAÇÃO
PERIGOSO NÃOPERIGOSO
ESTADO FÍSICO?
ONDE 
DISPOR/LANÇAR?
ESTADO FÍSICO?
PROPRIEDADES?
TRATAMENTO?
INERTE NÃO INERTE PERIGOSO
RESÍDUO
Corrosivo ReativoInflamável PatogênicoTóxico
Classificação de Resíduos Sólidos 
NBR 10.004:2004
CLASSE II B CLASSE II A CLASSE I
Normas Complementares:
NBR 10.005 - Lixiviação de Resíduos 
NBR 10.006 - Solubilização de Resíduos 
NBR 10.007 - Amostragem de Resíduos
04/10/2017
12
Várias substâncias reagem perigosamente 
quando em contato com outras.
Esta característica é inerente às substâncias.
Incompatibilidade Química
Onde encontrar informações sobre
os produtos químicos
\uf0b4 1. Rótulo do produto
\uf0b4 2. FISPQ\u2019s ou MSDS - Fichas de Informação de
Segurança de Produtos Químicos
\uf0b4 (Frases de Risco e Segurança, Pictogramas, Código 
NFPA)
\uf0b4 Sites para consulta:
http://www.merck-chemicals.com/brazil
http://www.sigmaaldrich.com/brazil.html
http://sistemasinter.cetesb.sp.gov.br/produtos/produto_c
onsulta_completa.asp
04/10/2017
13
Pictogramas de risco
Associação Nacional para Proteção contra Incêndios 
dos EUA - NFPA
Segregação
Diagrama de 
Hommel
ou 
Diagrama de
Risco
04/10/2017
14
RISCOS À SAÚDE:
4 - Letal
3 - Muito perigoso
2 - Perigoso
1 - Risco leve
0 \u2013 Nenhum risco
REATIVIDADE:
4 - Pode explodir
3 - Pode explodir com choque 
mecânico ou calor
2 - Reage violentamente 
1 - Instável se aquecido 
0 - Estável
DIAMANTE DA NFPA
Riscos específicos:
W ou W = reage com água 
Air ou Air = reage com ar
Oxy= oxidante
INFLAMABILIDADE:
4 \u2013 Extremamente inflamável
3 - líquido inflamável, flash point < 
38 °C
2 - líquido inflamável 38 °C <flash 
point < 98 °C
1 \u2013 Combustível se aquecido
0 - Não inflamável
Acetonitrila
Exemplos:
04/10/2017
15
Acondicionamento
Para o acondicionamento seguro de substâncias, o
recipiente deve atender aos seguintes