A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Resumo ECA (Estatuto da Criança e Adolescente)

Pré-visualização | Página 1 de 1

ECA – ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
Lei 8069/90
Criança: pessoa com até 12 anos incompletos.
Adolescente: pessoa entre 12 a 18 anos. 
Direito à vida e à saúde: arts. 8º a 10
A gestante e a parturiente têm direito a 1 acompanhante, de preferência no pré-natal, no trabalho de parto e pós-parto. Deve haver identificação plantar e digital do bebê e digital da mãe, e os documentos do parto devem ser arquivados por 18 anos.
Direito à liberdade: art.16
Direito de ir, vir e estar nos logradouros públicos e espaços comunitários, observadas as restrições legais. 
Toque de recolher: é a restrição à liberdade de locomoção de crianças e adolescentes desacompanhadas no período noturno (para o STJ é ilegal). 
Proibições do ECA: arts. 77 a 82 + art. 250
Proibida venda de revistas de pornografia (capa tem que ser opaca); 
Proibida venda de fogos de artifícios, salvo se pelo reduzido potencial lesivo não possam causar lesão em caso de uso inadequado; 
Criança e adolescente não podem ir para hotel, motel, pensão ou congênere, salvo se houver autorização judicial. 
Criança e adolescente não podem ir para local que explore comercialmente jogos de bilhar, nem com autorização dos pais.
Obs.: A violação disso é causa de infração administrativa.
Autorização para viagens:
Viagens nacionais: adolescentes não precisam de autorização. Criança precisa de autorização judicial, válida por 2 anos, salvo se estiver acompanhada de ascendente, colateral maior até o 3º grau. 
Viagens internacionais: criança e adolescente precisam de autorização judicial, salvo se acompanhado dos pais ou responsável, ou se estiver acompanhado de 1 dos pais com autorização por escrito do outro, com firma reconhecida (art. 84).
Conselho Tutelar: arts. 131 a 140
Obrigatoriedade e composição: deve haver, no mínimo, 1 Conselho Tutelar por município e cada um é composto por 5 conselheiros. É um órgão não jurisdicional. 
Requisitos para ser candidato ao Conselho Tutelar (art. 133): maior que 21 anos, idoneidade moral e residir no município. A eleição ocorre de 4 em 4 anos, no 1º domingo de outubro do ano seguinte das eleições presidenciais (2019).
Família: 
Modalidades de família: É separada em:
Natural (art. 25): pais ou qualquer deles e seus descendentes (regra);
Extensa ou ampliada: formada por parentes próximos, no qual a criança tem convivência, afinidade e afetividade (ex: tios). Tem preferência na adoção;
Substituta: tem 3 modalidades Guarda, Tutela e Adoção (irrevogável e aplica-se para estrangeiro).
Regras gerais da família substituta (art. 28): depende de alguns fatores, como:
Consentimento: se for menor de 12 anos, será ouvido sempre que possível;
Irmãos: preferencialmente juntos;
Índios ou quilombolas: devem ficar, preferencialmente, no seio de sua comunidade. 
Tutela: válida para o menor de 18 anos, com pressuposto de que houve a suspensão ou extinção do poder familiar. Ex: Harry Potter. 
Guarda: não necessariamente pressupõe o afastamento com os pais e gera direitos previdenciários (art.33). Ex: pais vão viajar por 1 ano e o filho fica na guarda dos tios (guarda temporária). 
Adoção:
Idade do Adotante: tem que ser maior de 18 anos e ter diferença de 16 anos de diferença entre adotante e adotado. 
Vedações ou proibições para adotar: é vedado adotar por procuração (art. 39), irmãos não podem se adotar (art. 42, §1º) nem ascendente pode adotar descendente.
Consentimento dos pais biológicos: como regra, precisa da concordância dos pais. Pode se retratar até a audiência (art.166). A exceção é não precisar de concordância dos pais, nos casos de destituição do poder familiar ou pais desconhecidos (não ter indicativo de quem é o pai).
Modalidades de adoção: temos alguns tipos de adoção (art. 42):
Conjunta (art. 42, §2º): só podem adotar conjuntamente se forem casadas ou viverem em união estável. 
Unilateral (art. 41, §1º): é a adoção feita pelo padrasto ou madrasta. 
Póstuma: é a adoção que ocorre quando o adotante falece no curso da adoção. Terá continuidade se tiver demonstrada vontade de adotar.
União homoafetiva: a jurisprudência autoriza o que o ECA não prevê. 
Internacional (art. 51): o adotante é domiciliado ou residente fora do Brasil. A adoção nacional tem preferência na adoção internacional, e o brasileiro tem preferência.
Estágio de convivência (art. 46): tem prazo máximo de 90 dias. Se for adoção internacional, tem prazo de 30 a 45 dias, prorrogável 1x por igual período. 
Crimes no ECA: arts. 225 e seguintes
Todos os crimes de ação penal pública incondicionada. 
Corrupção de menores (art. 244-B): trata-se de crime formal (súmula 500, STJ). 
Ato infracional: a criança que comete ato infracional não recebe medida socioeducativa, recebe medida de proteção, prevista em rol não taxativo no art. 101. A criança apreendida em flagrante é levada ao Conselho Tutelar e o adolescente recebe medida socioeducativa, prevista em rol taxativo no art. 102.
Medidas Socioeducativas: temos como medidas socioeducativas:
Advertência (art. 115 e 115, § único): é a admoestação verbal, ou seja, bronca, o esporro. Não precisa de prova da autoria para ser aplicada. 
Obrigação de reparar o dano (art. 116): preferenciais em crimes patrimoniais, podendo ser feita de maneira ampla. 
Prestação de serviços à comunidade (art. 117): trabalhos forçados são proibidos, pois tem caráter educativo. Tem prazo máximo de 6 meses, preferencialmente trabalhar 8h semanais, aos fins de semana e feriados. 
Liberdade assistida (art. 118 e 119): tem prazo mínimo de 6 meses, realizada pelo orientador. 
Semiliberdade (art. 120): pode ser fixado inicialmente ou como forma de progressão pelo meio aberto. A escolarização e a profissionalização são obrigatórias. 
Internação: temos algumas modalidades de internação:
Provisória: acontece antes da sentença, o juiz deve justificar a necessidade da medida, com prazo máximo de 45 dias. 
Internação definitiva: é aplicada na sentença. Só cabe como medida excepcional (art.122) e não tem prazo determinado (não tem pena aplicada). Aos 21 anos a desinternação é compulsória. 
É cabível para (i) atos infracionais com violência ou grave ameaça; (ii) reiteração no cometimento de ato infracional grave (súmula 492, STJ); (iii) descumprimento reiterado e injusto de medida anteriormente imposta (antes da internação – regressão). A internação dos incisos i e ii tem prazo máximo de 3 anos, com reavaliação a cada 6 meses; para o inciso iii tem prazo máximo de 3 meses. 
Obs.: tráfico de drogas não necessariamente gera internação definitiva. 
Procedimento: 
Cientificação dos pais e responsáveis
Recebimento
REPRESENTAÇÃO 
 Audiência em continuação
Audiência de Apresentação
Defesa Prévia
Obs.: sempre será julgado pela Justiça Estadual. O legitimado ativo é sempre o Ministério Público. A representação independe de prova pré-constituída, autoria e materialidade. Se os pais não forem encontrados, o juiz nomeia curador especial; no caso de não encontrar o adolescente, o processo é suspenso e expede-se mandado de busca e apreensão. 
Na audiência de apresentação, é nula a desistência de outras provas em face da confissão do adolescente (súmula 342, STJ). É facultativa a defesa prévia e tem prazo de 3 dias. Na audiência de continuação, será proferida sentença e caberá apelação para o TJ estadual. 
Remissão: é o perdão do ocorrido. 
	Quem
	Efeito
	Limite
	MP
	Exclusão do processo
	Até a representação
	Juiz
	Suspensão ou extinção do processo
	Até a sentença
Pode cumular medida socioeducativa com a remissão, salvo internação e semiliberdade.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.