A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Resenha de Caso Nike e Reebok 17 08 2018

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ
Pós-graduação em Direito e Processo do Trabalho e Previdenciário 
Resenha de Caso: Prospecção internacional em calçado esportivo: Nike e Reebok.
 
Nome do aluno (a): Amanda Maria Nascimento Silva
Trabalho da disciplina: DIREITO TUTELAR DO TRABALHO
Tutor: ELIANE CONDE PEIXOTO DA COSTA NETO
ARACAJU
2018
Resenha de Caso: Prospecção internacional em calçado esportivo: Nike e Reebok.
REFERÊNCIA: Rosenzweig, Phip M. PROSPECÇÃO EM CALÇADO ESPORTIVO:NIKE E REEBOK. Escola negócios de Harvard, Ver. 14 de Julho de 1994. acesso em 17 ago. 2018.
	O caso em estudo apresenta de que forma ocorreu o desenvolvimento das indústrias de calçados esportivos nos Estados Unidos da América, ente as os anos de 1980 e 1990, onde as empresas Nike e Reebok estavam na liderança dentro do referido segmento, mantendo um baixo custo dos seus produtos com o objetivo de atingir um número maior de consumidores. No que se refere as relações trabalhistas, estas eram desenvolvidas por contratadas destas multinacionais em países da Ásia.
	As marcas Nike e Reebok possuíam um forte apelo publicitário, e assim, durante uma época se tornaram líderes do mercado no EUA. Com o intuito de manter os baixos preços dos custos de seus produtos, ambas as empresas se concentravam apenas no desenho e na publicidade, deixando a produção para as fabricantes contratadas.
	As contratadas da Nike e Reebok se instalaram em países como Coreia do sul, Taiwan, China, Indonésia e Filipinas, tendo em vista que nestes países, havia a predominância de mão de obra barata e em larga escala. Desta forma, as empresas de calçados esportivos não precisavam lidar com a produção, apenas exigiam que o produto final atendesse as normas especificadas, retirando assim das multinacionais a vinculação entre o capital social e trabalho.
	A partir do ano de 1970, o número de contratadas cresceu notavelmente gerando assim, uma concorrência nacional entre as fabricantes de calçados, tendo em vista que as referidas marcas contratavam com diversas fabricas de calçados ao concomitantemente, exigindo alta produtividade a abaixo custo. Acontece que tal concorrência faz surgir maior competição ente as empresas da referida área industrial, fazendo com que as exigências contra os trabalhadores das fabricas fossem maiores.
	Com o passar do tempo, verifica-se que alguns países começaram a oferecer aumentos salariais, o que acarretou uma tendência de mudança das empresas para países vizinhos com ofereciam condições de custos menores. Ocorre que nos países com custo menores, a preocupação com as condições de trabalho do empregado era praticamente inexistente, e ao parar para analisar é possível constatar que tal fato indiretamente fora incentivado pelas contratantes, já que as mesmas aparentemente só estavam preocupadas com o financeiro.
	A referida situação acabou ocasionando uma grande disputa capitalista o que fez com que a imprensa local e internacional voltasse os olhos para as condições de trabalho que os funcionários eram submetidos onde fora constatado inúmeras irregularidades trabalhistas, como por exemplo, longas horas de trabalho em troca de salários extremamente baixos, além da pressão psicológica para que se produza cada vez mais. Desta forma, surgia para essas empresas a acusação de desrespeito aos direitos trabalhistas através de seus contratados, em razão da pressão da comunidade internacional no tocante as condições de trabalho. A partir de tal fato, ambas empresas elaboraram documentos que deveriam servir de diretrizes a serem seguidas por suas contratadas.
Observa-se que a Reebok se tratava de uma empresa que possuía histórico de apoio aos direitos trabalhistas, no entanto, também fora acusada, tendo como consequência da acusação a elaboração de padrões de produção em direitos humanos da Reebok, baseado na Declaração Universal dos Direitos Humanos voltados a enquadrar os fornecedores nos padrões aceitáveis de dignidade no emprego.
	No que se refere a Nike, esta negava a vinculação direta com seus trabalhadores, no entanto, elaborou um documento descrito de “Memorando de Entendimento da Nike”. Tal documento previa que as contratadas deveriam estar de acordo com as leis trabalhistas locais de modo a não explorar o trabalho infantil, não praticar discriminação e aderir as práticas ambientais da Nike.
	Podemos concluir que o presente caso pode ser utilizado para ilustrar a necessidade de se proteger os direitos dos trabalhadores. Nota-se que os empregados das referidas marcas, viviam em uma “escravidão” moderna onde eram submetidos a situações inaceitáveis, sem direito a hora extras, salário e condições dignas. No texto em estudo é possível verificar uma reflexão voltada a necessidade imprescindível de proteger as partes hipossuficientes, para que grandes marcas como a Nike e Reebok, não sejam mais beneficiadas pela sua própria torpeza ao desrespeitar os Direitos Trabalhistas.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.