A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
32 pág.
Aula 14 Recém Nato de baixo peso e prematuridade

Pré-visualização | Página 1 de 3

AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
NUTRIÇÃO MATERNOINFANTIL 
Aula 14: Recém-Nato de baixo peso 
e prematuridade 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Objetivos 
1. Identificar as características dos Recém-Natos de Baixo 
Peso e Prematuros (RNBP’s e RNPT’s); 
 
2. Reconhecer as limitações no processo digestivo, as 
vantagens da utilização do Leite Humano (LH) da própria 
mãe, o aumento da demanda energética e a necessidade 
de nutrientes específicos; 
 
3. Explicar a necessidade da terapia nutricional em 
determinados casos. 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Introdução 
Definição 
 
O Recém-Nato de Baixo Peso (RNBP) é todo aquele que nasce com peso inferior a 2.500 g. 
 
Classificação 
• Recém-Nato de Muito Baixo Peso (RNMBP) – com peso inferior a 1.500 g; 
• Recém-Nato de Extremo Baixo Peso (RNEBP) – com peso inferior a 1.000 g. 
 
O baixo peso ao nascer pode ser decorrente de Restrição do Crescimento Intrauterino (RCIU) ou desnutrição 
fetal. Nesse caso, o recém-nascido será denominado Pequeno para a Idade Gestacional (PIG) ou Recém-Nato de 
Baixo Peso a Termo (RNBPT). 
 
Um recém-nascido pode ser considerado Adequado para a Idade Gestacional (AIG) e apresentar Baixo Peso ao 
Nascer (BPN). 
 
Os Recém-Natos (RN’s) nascidos antes de 37 semanas são classificados como prematuros (idade gestacional ≤ 37 
semanas). 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Características 
Tipos de prematuridade 
 
Prematuridade limítrofe (37-38 semanas) 
 
Os Recém-Natos Prematuros (RNPT’s) com boa evolução clínica (peso médio = 2.500 g) podem apresentar sucção 
débil. 
 
Toda a abordagem é semelhante ao Recém-Nato a Termo (RNAT), com cuidado específico quanto à sucção e ao 
método de alimentação. 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Características 
Tipos de prematuridade 
 
Prematuridade moderada (31-36 semanas) 
 
RNPT’s que apresentam: 
• Peso = 1.600-2.500 g; 
• Comprimento = 39-46 cm; 
• Perímetro Cefálico (PC) = 29-33 cm. 
 
Esses RN’s são mais suscetíveis à (a): 
• Imaturidade pulmonar; 
• Hiperbilirrubinemia – imaturidade na captação e conjugação da bilirrubina indireta; 
• Hipoglicemia; 
• Hiponatremia 
• Infecções. 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Características 
Tipos de prematuridade 
 
Prematuridade extrema (24-30 semanas) 
 
Geralmente, os RNPT’s apresentam: 
• Peso < 1.500 g; 
• Comprimento < 38 cm; 
• PC < 29 cm. 
 
Esses RN’s podem manifestar as mesmas intercorrências dos prematuros moderados com maior gravidade, o que 
inclui: 
• Anomalias cardíacas; 
• Enterocolite necrosante; 
• Síndrome da angústia respiratória. 
 
A avaliação do ganho de peso diário é muito importante – principalmente entre os prematuros PIG’s. 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Características 
Aspectos estruturais da prematuridade 
 
• Redução da estatura, do comprimento do fêmur, dos membros inferiores (pés), dos Perímetros Cefálico e 
Abdominal (PC e PA); 
 
• Desproporção da relação cérebro/fígado; 
 
• Desproporção da relação PC/PT (PC > PT); 
 
• Retardo no crescimento epifisário; 
 
• Diminuição da circunferência da coxa, do braço e da reserva adiposa. 
 
• Perda de peso fisiológica: PIG < 5% do peso ao nascer; 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Características 
Aspectos estruturais da prematuridade 
 
• Diminuição da taxa de filtração glomerular – redução e reabsorção de sódio, de glicose e de aminoácidos, 
além da excreção de bicarbonato; 
 
• Aumento da viscosidade sanguínea; 
 
• Diminuição do percentual de gordura; 
 
• Retardo na maturação pulmonar – hipóxia e retenção de CO₂; 
 
• Diminuição do glicogênio cardíaco. 
 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Crescimento 
Avaliação do crescimento 
 
Para determinar a adequação do peso à idade gestacional, é necessário utilizar curvas de crescimento 
específicas: 
• Ao nascimento (FENTON, 2013); 
• Durante a internação (FENTON, 2013; EHRENKRANZ, 1999); 
• A longo prazo (OMS, 2006). 
 
A presente recomendação será válida enquanto não forem publicados os resultados do estudo do consórcio 
multicêntrico (INTERGROWTH-21st) – recentemente incumbido da construção de valores de referência (mais 
próximos do padrão) de crianças nascidas pré-termo. 
 
O índice de crescimento (ROHER) caracteriza, no período pós-natal imediato, o tipo de crescimento intrauterino 
(razão peso x estatura), ou seja, indica quando há um crescimento normal com proporcionalidade entre o peso e 
o comprimento. 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Crescimento 
Avaliação do crescimento 
 
Índice de crescimento (índice de ROHER) 
IC = peso (g) x 100 / comprimento (cm)³ 
Interpretação 
< 2,2: crescimento retardado 
2,2-3,0: crescimento normal 
> 3,0: crescimento excessivo 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Curvas de crescimento 
Curvas para avaliação do crescimento 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Curvas de crescimento 
Exemplo: curvas de Fenton 
 
Meninas Meninos 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Crescimento e idade corrigida 
Idade Corrigida para RNPT 
 
Conceito de Idade Corrigida (IC) = idade pós-natal 
 
Número de semanas que faltou para o nascimento (40 semanas). 
 
A IC deve ser aplicada da seguinte forma: 
• Para o comprimento – até 36 meses; 
• Para o peso – 24 meses; 
• Para PC – 18 meses. 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Crescimento e idade corrigida 
Idade Corrigida para RNPT 
 
Exemplo 
 
RNPT com 8 semanas de vida 
 
• Nascimento: com 35 semanas; 
• IC = 3 semanas de vida pós-natal (8 semanas de vida - 5 semanas  40 semanas - 35 de nascimento); 
• Ganho de peso = em média 25-30 g/dia; 
• Estatura = 0,75 cm/semana; 
• PC = em média 1,1 cm. 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Alterações metabólicas 
Carboidratos 
 
• Tendência à hipoglicemia por imaturidade aos mecanismos de adaptação ao jejum – incluindo redução da 
resposta de liberação de catecolaminas à hipoglicemia; 
 
• Diminuição da gliconeogênese; 
 
• Diminuição do glicogênio hepático e cardíaco – aumento do consumo de glicose pelo cérebro; 
 
• Necessidade de provimento de uma média de 3-4 mg de glicose por Kg/min (venosa) – no prematuro = 10-
12 mg/Kg/min. 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Alterações metabólicas 
Proteínas 
 
1. A redução da reserva energética ao nascer aumenta o catabolismo proteico, cuja intensidade depende da 
eficácia da terapia nutricional. 
 
2. O estado catabólico aumenta a liberação de amônia, ureia, creatinina e de ácido úrico. 
 
3. A acidose metabólica pode ser um achado comum. 
 
4. A imaturidade de processos enzimáticos envolvidos no ciclo da ureia pode contribuir para o aumento da 
amônia. 
 
5. A redução da atividade da enzima cistationase (chave para a conversão da metionina em cisteína) faz com 
que a taurina e a cistina se tornem aminoácidos essenciais. 
AULA 14: RECÉM-NATO DE BAIXO PESO E PREMATURIDADE 
Nutrição maternoinfantil 
Alterações metabólicas 
Lipídeos 
 
• Acentuada capacidade de lipólise – principalmente nos PIG’s, devido ao aumento da demanda energética;

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.