A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
414 pág.
743 Manuacl Sinalizacao Rodoviaria DNIT

Pré-visualização | Página 18 de 50

dos sinais de regulamentação e as legendas e setas na cor preta. A Figura 78 a seguir 
mostra um exemplo de sinal de regulamentação composto. 
Figura 78 – Sinal de regulamentação composto 
 
 
2.3. SINAIS DE ADVERTÊNCIA 
Os sinais de advertência são utilizados sempre que se julgar necessário chamar a atenção dos usuários 
para situações potencialmente perigosas, obstáculos ou restrições existentes, na via ou em suas 
adjacências, indicando a natureza dessas situações à frente, quer sejam permanentes ou eventuais. 
Estas situações exigem cuidados adicionais e reações de intensidade diversa, por parte dos motoristas, 
que podem ir desde um simples estado de alerta, quando a situação é eventual, à adoção de manobras 
mais complexas de direção, como reduções de velocidade ou até mesmo a parada do veículo, quando 
a situação é permanente. 
Entre as situações permanentes de perigo a serem advertidas, incluem-se: 
Curvas; 
Interseções; 
Estreitamentos de pista; 
Condições de superfície da pista; 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
93 
MT/DNIT/IPR 
Ocorrência de dispositivos de controle de tráfego que provoquem redução acentuada da 
velocidade ou parada do tráfego; 
Declives acentuados; 
Cruzamentos em nível; 
Passagens de nível. 
Entre as situações eventuais de perigo a serem advertidas, incluem-se a ocorrência, na pista ou em 
área a ela adjacente, de: 
Pedestres; 
Ciclistas; 
Animais; 
Maquinaria agrícola; 
Ventos fortes laterais; 
Queda de pedras; 
Cascalho. 
Entre as restrições eventuais a serem advertidas, incluem-se: 
Altura limitada; 
Largura limitada; 
Peso bruto total limitado; 
Peso limitado por eixo; e 
Comprimento limitado. 
Além da forma normalmente quadrada com uma diagonal na vertical, os sinais de advertência trazem 
fundo amarelo e o símbolo ou legenda na cor preta. 
As exceções são o sinal de Cruz de Santo André, que tem a forma própria, os sinais de Sentido Único 
e Duplo (normalmente adotados em sinalização de obras), que se diferenciam pela forma retangular, o 
sinal de Semáforo à Frente, que, além da amarela, tem as cores verde e vermelha dos semáforos, e o 
sinal de Obras, que tem o fundo na cor laranja. 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
94 
MT/DNIT/IPR 
As dimensões dos sinais variam em função das características da via, principalmente no tocante à sua 
velocidade de operação, de forma a possibilitar a percepção do sinal, e a legibilidade e compreensão 
de sua mensagem, por parte do usuário, dentro de um tempo hábil para que se realize a operação 
ditada por essa mensagem. Assim, como regra geral, são recomendadas as dimensões dos sinais de 
advertência em geral, conforme indicado no Anexo A – Diagramação das Placas adiante, sendo as do 
tipo I correspondentes a rodovias com velocidade de operação igual ou inferior a 60 km/h, e as do tipo 
II, correspondentes a velocidade de operação superior a 60 km/h. Contudo, em situações específicas, 
como em travessias urbanas e áreas protegidas por legislação especial, podem ser admitidas 
dimensões previstas no Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito – Volume II – Sinalização 
Vertical de Advertência, do CONTRAN. 
2.3.1. Posicionamento dos sinais de advertência 
2.3.1.1. Posicionamento transversal 
No tocante ao seu posicionamento transversal, os sinais de advertência são colocados normalmente à 
margem direita da via, dela guardando uma distância segura, porém dentro do cone visual do 
motorista, e frontais ao fluxo de tráfego, conforme ilustram as Figuras 79 e 80 a seguir: 
Figura 79 – Posicionamento transversal – Pista com acostamento 
 
 
min 1,50 m
AcostamentoPista
1,
50
 
m
1,
50
 
m
 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
95 
MT/DNIT/IPR 
Figura 80 – Posicionamento transversal – Pista sem acostamento 
 
min. 1,50 m
Pista
Bo
rd
a 
da
 
pi
st
a
1,
50
 
m
1,
50
 
m
 
 
2.3.1.2. Posicionamento longitudinal 
Os sinais de advertência têm seu posicionamento ao longo da via condicionado pela distância de 
visibilidade necessária para sua visualização e pelo tipo de situação para o qual se está chamando a 
atenção. 
A distância de visibilidade necessária para a visualização do sinal é composta pela distância de 
percurso na velocidade de operação da via, correspondente ao tempo de percepção e reação, acrescida 
da distância que vai desde o ponto limite do campo visual do motorista, até o sinal. (Ver Figura 81). A 
tabela a seguir relaciona distâncias mínimas de visibilidade para as velocidades de operação 
comumente consideradas, para um tempo de percepção e reação de 2,5 segundos. 
Tabela 2 – Velocidade de operação x distância mínima de visibilidade 
 
 
 
 
 
 
 
Velocidade de Operação 
(km/h) 
Distância Mínima de Visibilidade 
(m) 
40 
50 
60 
70 
80 
90 
100 
110 
120 
60 
70 
80 
85 
95 
105 
115 
125 
135 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
96 
MT/DNIT/IPR 
Figura 81 – Posicionamento longitudinal do sinal de advertência 
 
Zona de desaceleração ou preparação
para operação no trecho com restrição
Distância de visibilidade
para o sinal de advertência
Distância de 
 percepção e reação
Limite de visualização 
 do sinal
LEGENDA
Velocidade de operação da via
Velocidade de operação na zona com restrição 
Início da área de
 influência do sinal
Início do trecho com
 restrição sinalizado
Sinal de
 advertência
 10
V 
V 
V 
V 
R
R
 
 
Existem casos que não são necessariamente relacionados a um local específico, normalmente 
representado por situações eventuais de perigo, para os quais, por consequência, não está previsto um 
afastamento para o sinal, que deverá ser posicionado em trecho com probabilidade de ocorrência do 
perigo. Como exemplo, pode-se citar, entre outras situações, a presença de pedestres, ciclistas, 
maquinaria agrícola e animais na pista, ou ainda a ocorrência de ventos laterais. 
A fim de facilitar sua indicação em projetos, os sinais de advertência são reunidos em ordem 
sequencial, segundo os correspondentes números de código oficiais da Resolução 243/2005 do 
CONTRAN, conforme se apresenta na Figura 82 a seguir. 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
97 
MT/DNIT/IPR 
Figura 82 – Sinais de advertência 
Sinal Código Nome Página 
 
A-1a Curva acentuada à esquerda 113 
 
A-1b Curva acentuada à direita 114 
 
A-2a Curva à esquerda 115 
 
A-2b Curva à direita 115 
 
A-3a Pista sinuosa à esquerda 116 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
98 
MT/DNIT/IPR 
Sinal Código Nome Página 
 
A-3b Pista sinuosa à direita 116 
 
A-4a Curva acentuada em “S” à esquerda 117 
 
A-4b Curva acentuada em “S” à direita 117 
 
A-5a Curva em “S” à esquerda 117 
 
A-5b Curva em “S” à direita 118 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
99 
MT/DNIT/IPR 
Sinal Código Nome Página 
 
A-6 Cruzamento de vias 118 
 
A-7a Via lateral à esquerda 119 
 
A-7b Via lateral à direita 119 
 
A-8 Interseção em “T” 120 
 
A-9 Bifurcação em “Y” 120 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
100 
MT/DNIT/IPR 
Sinal Código Nome Página 
 
A-10a Entroncamento oblíquo à esquerda 122 
 
A-10b Entroncamento oblíquo à direita 122 
 
A-11a Junções sucessivas contrárias - primeira à esquerda 122 
 
A-11b Junções sucessivas contrárias - primeira à direita 123 
 
A-12 Interseção em círculo 123 
Manual de Sinalização Rodoviária 
 
 
101 
MT/DNIT/IPR 
Sinal Código Nome Página 
 
A-13a Confluência à esquerda 124 
 
A-13b Confluência à direita 124 
 
A-14 Semáforo à frente 125 
 
A-15