Aula AI MES
24 pág.

Aula AI MES


DisciplinaPrincípios de Automação Industrial3 materiais197 seguidores
Pré-visualização2 páginas
MESMES
Manufacturing Executing SystemsManufacturing Executing Systems
SumSumááriorio
Automação Industrial 2
\u2022 Introdução
\u2022 Arquitetura
\u2022 Funcionalidades
\u2022 Ferramentas
\u2022 Considerações Finais
IntroduIntroduççãoão
3Automação Industrial
Definições
\u2022 Sistemas MES são softwares que adquirem dados de processo 
(quantidades produzidas, itens reparados, lista dos lotes prontos, nível de 
utilização das máquinas, tempos de setup, processo e movimentação, 
etc.) de diversas fontes, os armazenam em um banco de dados 
relacional e os disponibilizam através de relatórios dos mais diversos 
tipos.
\u2022 Um MES tem também como objetivo essencial proporcionar uma visão 
global única de todo processo. 
\u2022 Possui o foco em ajudar às aplicações cliente a ter um controle mais 
preciso sobre pedidos de compras, de vendas, níveis de estoque, etc., ou 
seja, das várias etapas de produção.
IntroduIntroduççãoão
4Automação Industrial
Definições
\u2022 Os sistemas MES tem uma função mais \u201cativa\u201d que os PIMS. Isto no 
sentido de que eles pegam as várias informações associadas ao plano de 
produção gerado pelos sistemas ERP (Enterprise Resourcing Planning). 
\u2022 Com base nisso, atuam em conjunto com os sistemas supervisórios no 
controle da execução das atividades, fluxo de materiais, emissão de 
ordens de armazenamento, entre outras inúmeras ações.
IntroduIntroduççãoão
5
Vantagens
Automação Industrial
\u2022 Identificação de desperdícios (excesso de produção, tempos de espera, 
inventário desnecessário, defeitos).
\u2022 Redução dos tempos de produção.
\u2022 Redução dos custos de mão de obra e treinamento.
\u2022 Apoio à produção enxuta.
\u2022 Apoio à melhoria contínua.
\u2022 Melhora a confiabilidade do produto final (melhor qualidade).
\u2022 Aumenta a visibilidade das atividades do chão de fábrica, assim como 
dos custos do processo de manufatura.
ArquiteturaArquitetura
6Automação Industrial
Níveis hierárquicos da Informação
ArquiteturaArquitetura
7Automação Industrial
Do ponto de vista físico, a arquitetura de um sistema MES é
conceitualmente igual à dos PIMS:
- Um servidor principal: é o processo / computador que centraliza as 
informações e o acesso às fontes de dados, assim como que fornece as 
informações às demais aplicações-cliente do Nível 4 (ERP)
- Alguns servidores de comunicação: atuam como intermediários entre o 
servidor principal e os vários subsistemas do Nível 2 (SCADA)
- Estações-cliente: atuando sobre o servidor principal, representam o ponto 
de acesso dos usuários ao sistema e suas funcionalidades
- Um banco de dados relacional: repositório das informações coletadas
- Infraestrutura de rede e de automação: conjunto de softwares básico, 
middlewares e protocolos industriais de suporte à comunicação entre os 
vários sistemas dos níveis envolvidos. 
ArquiteturaArquitetura
8Automação Industrial
Solução MES
ArquiteturaArquitetura
9
Funções de Controle da Produção
Automação Industrial
FuncionalidadesFuncionalidades
10Automação Industrial
Funcionalidades MES
FuncionalidadesFuncionalidades
11
Key Performance Indicator (KPI)
Automação Industrial
FuncionalidadesFuncionalidades
12
Funcionalidades MES
Automação Industrial
\u2022 Escalonamento detalhado de operações
\u2022 Acompanhamento de produção
\u2022 Despacho de produção
\u2022 Alocação e controle de recursos
\u2022 Aquisição de dados
FuncionalidadesFuncionalidades
13
Funcionalidades MES
Automação Industrial
\u2022 Gerenciamento da qualidade
\u2022 Gerenciamento do processo
\u2022 Análise de performance
\u2022 Interface com
\ufffd Controle de documentação
\ufffd Gerenciamento de manutenção
Ferramentas PrincipaisFerramentas Principais
14
Scheduler : Programação Avançada da Produção
Automação Industrial
\u2022 A programação da produção pode ser 
feita de forma automática ou manual e 
pode ser avaliada através de diversas 
ferramentas gráficas.
\u2022 Vários cenários podem ser simulados e, 
então, enviados para a produção.
\u2022 As conseqüências de eventos do chão de fábrica podem ser 
prontamente avaliadas na programação dos próximos dias. 
Ferramentas PrincipaisFerramentas Principais
15
Controle de Paradas
Automação Industrial
\u2022 Quais as principais causas de paradas de produção de seu processo 
de manufatura?
\u2022 Quanto tempo durou cada parada ocorrida na produção?
\u2022 Para responder a estas perguntas é necessário registrar uma grande 
quantidade de paradas do processo.
\u2022 Entretanto, a contabilização das paradas não pode onerar a operação.
\u2022 Por outro lado, as paradas precisam ser registradas à medida que vão 
acontecendo, evitando esquecimentos ou aproximações de valores.
\u2022 Uma série de análises devem ser feitas nos dados armazenados para 
responder às perguntas acima.
Possibilita o gerenciamento em tempo real ou histórico das falhas ocorridas
Ferramentas PrincipaisFerramentas Principais
16
Registro de Paradas
Automação Industrial
\u2022 O registro de paradas deve ser feito automaticamente
\ufffd Quando o equipamento para, o operador registra uma parada em
aberto.
\ufffd Esta parada pode vir com uma causa do chão-defábrica
\ufffd O operador pode complementar as informações escolhendo de 
listas pré-configuradas
\ufffd Assim que o equipamento volta a funcionar a parada é finalizada
\u2022 Para facilitar, as paradas podem ser justificadas em conjunto.
Ferramentas PrincipaisFerramentas Principais
17
Analise Multidimensional
Automação Industrial
\u2022 Os registros podem ser agrupados em um relatório OLAP (On 
Line Analytical Processing) atualizado em tempo real.
\u2022 O objetivo final de uma
ferramenta OLAP transformar
dados em informações capazes
de dar suporte a tomadas de 
decisões gerenciais de forma 
amigável e flexível ao usuário e 
em tempo hábil.
Ferramentas PrincipaisFerramentas Principais
18
OEE \u2013 Overall Equipment Effectiveness
Automação Industrial
\u2022 Extrair a melhor performance de equipamentos ou células, significa 
obter:
\ufffd O máximo em tempo de utilização
\ufffd O máximo de performance
\ufffd O máximo em qualidade
\u2022 Estes três índices combinados dão origem ao OEE.
\u2022 OEE é um índice que aponta a efetividade da operação em cada 
célula de manufatura.
Ferramentas PrincipaisFerramentas Principais
19
OEE \u2013 Overall Equipment Effectiveness
Automação Industrial
Ferramentas PrincipaisFerramentas Principais
20
OEE \u2013 Critérios para Cálculo de Perdas
Automação Industrial
\u2022 É possível extrair do sistema as perdas de tempo e de quantidade.
\u2022 O restante é calculado em função da velocidade
\u2022 Nem sempre o OEE é composto somente por três indicadores. 
Pode ser adicionado um quarto indicador que representa o 
rendimento do processo.
Ferramentas PrincipaisFerramentas Principais
21
TPM \u2013 Total Productive Maintenance
Automação Industrial
Ferramentas PrincipaisFerramentas Principais
22Automação Industrial
Outras Ferramentas....
\u2022 Rastreabilidade do processo/qualidade
\u2022 Add-In para Excel
\u2022 Acompanhamento da produção
\u2022 Ainhamento com programas coorporativos 
(Six Sigma, Asset Manegement, etc) 
\u2022 Etc, etc ....
ConsideraConsideraçções Finaisões Finais
23Automação Industrial
\u2022 Sistemas MES, assim como o PIMS, vêm sendo adotados de forma 
crescente principalmente pelas grandes empresas. As suas 
complexidades e custos de integração têm, ainda, praticamente 
inviabilizado sua adoção por PMEs.
\u2022 Sistemas tipo ERP não são projetados para se comunicar diretamente 
com o chão-de-fábrica.
\u2022 Muitas vezes, o problema de implantação de sistemas MES/PIMS se 
da pelas várias fontes de dados, distribuídas e/ou heterogêneas, 
comuns de existirem no chão-de-fábrica, há diversos problemas de 
interoperabilidade por resolver.
\u2022 A implantação é demorada, variando de 6 meses a 1 ano.
\u2022