A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
84 pág.
Protocolo de Levantamento de Problemas para Reabilitação PLPR Manual

Pré-visualização | Página 1 de 34

Um instrumento baseado na Classificação de Internacional de Funcionalidade, 
Incapacidade e Saúde – CIF
PLPR / Protocolo de levantamento de Problemas Para a reabilitação
AUtorAS:
rosana Ferreira Sampaio
Fabiane ribeiro Ferreira
Mariana Angélica Peixoto de Souza
Universidade Federal de Minas Gerais
Índice
O que é o Protocolo 
de Levantamento 
de Problemas para 
a Reabilitação – 
PLPR?
O que é O PrOtOcOlO de levantamentO de PrOblemas 
Para a reabilitaçãO – PlPr?
Principais 
objetivos do 
PLPR
É um instrumento desenvolvido para sistematizar a coleta de informações funcionais durante o acolhimento dos 
usuários de serviços de reabilitação. o instrumento possui um formato estruturado, com questões que cobrem os 
componentes Condição de Saúde, Função do Corpo, Atividade, Participação e Fatores Contextuais (Ambientais e 
Pessoais) da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) da organização Mundial de 
Saúde.
• Identificar as principais demandas do usuário; 
• Indicar os profissionais que devem ser envolvidos no cuidado;
• Apontar o serviço mais indicado para iniciar o atendimento a pacientes adultos 
que busquem serviços de reabilitação.
o protocolo pode ser aplicado por qualquer profissional que compõe a equipe de reabilitação e deve ser respondido 
pelo próprio paciente ou por informante próximo, durante o primeiro atendimento em uma rede de serviços de 
reabilitação. É indicado para o acolhimento de usuários adultos e idosos. 
PRPL - passo a passo
POr que cOletar infOrmações funciOnais é imPOrtante?
As decisões tomadas no campo da saúde são sempre pautadas em uma base teórica 
que guia os pensamentos e atitudes dos profissionais (sAmpAio & luz, 2009).“
A reabilitação tem por objetivos a promoção, prevenção e a restauração da funcionalidade dos indivíduos, buscando 
reduzir o impacto de uma condição de saúde ou alterações anatômicas/fisiológicas no desempenho de atividades 
e participação em situações reais de vida. 
Para que o planejamento e monitoramento do processo de reabilitação sejam adequados, é necessário que, desde 
o primeiro contato com o indivíduo, sejam coletadas informações abrangentes relacionadas às suas demandas 
funcionais, definição de objetivos e planejamento de metas. A maneira que os serviços e profissionais de reabilitação 
abordam fenômenos como funcionalidade, incapacidade, dependência, independência, adoecimento e saúde está 
relacionada aos modelos teóricos e conceituais que os norteia. Desde 2012 o Ministério da Saúde preconiza o 
uso do modelo da CIF como orientador das ações de reabilitação no Sistema Único de Saúde (SUS) e na Saúde 
Suplementar (BrASIL, 2012b).
PRPL - passo a passo
o modelo da CIF adota uma perspectiva biopsicossocial, concebendo a funcionalidade e incapacidade humana 
como uma interação dinâmica entre o indivíduo com uma condição de saúde e os fatores contextuais – pessoais e 
ambientais. Desde a publicação da CIF, este modelo tem sido aplicado em diferentes situações, que incluem desde 
o desenvolvimento de ferramentas de avaliação funcional para aplicação clínica, ao uso para o planejamento de 
políticas, ações, serviços e investimentos em reabilitação. 
o PLPr foi desenvolvido para abordar essas duas necessidades: 1) a identificação sistematizada das necessidades 
funcionais dos usuários que buscam os serviços e 2) orientar a organização e planejamento das ações dos serviços 
de reabilitação organizados em rede.
o fluxo do usuário dentro da rede deve ser otimizado pela troca de informações entre 
todos os seus pontos, permitindo estabelecer um contínuo ininterrupto de assistência 
nos diferentes níveis de cuidado.
PRPL - passo a passo
o primeiro contato do usuário com o serviço é um momento chave para se estabelecer vínculos de 
corresponsabilização entre os envolvidos no processo, articular as ações desenvolvidas nos diferentes pontos 
da rede, delinear as responsabilidades de cada segmento e orientar os fluxos de acesso dos usuários. Através da 
construção desses vínculos, o acolhimento favorece a reorganização dos processos de trabalho em saúde, resgata 
a equipe multiprofissional e permite a qualificação das relações entre os profissionais, gestores e usuários (FrANCo 
et al., 1999; MITRE et al., 2012). Nesse sentido, é essencial promover a adequada comunicação entre profissionais e 
serviços que compõem a rede, desde o acolhimento.
A sistematização das informações coletadas no acolhimento garante que dados relevantes 
para o início da abordagem do usuário sejam obtidos de maneira uniforme em todos os 
pontos da rede.
PRPL - passo a passo
cOmO Preencher, interPretar e tOmar decisões 
utilizandO O PlPr?
o PLPr é composto por três páginas e está dividido em três partes:
•	1ª	parte	–	Identificação	do	paciente
•	2ª	parte	–	Resumo	das	Informações	Sociais	e	de	Saúde
•	3ª	parte	–	Breve	Descrição	Funcional	(BDF)
PRPL - passo a passo
1ª	parte 
 
Identificação	
do paciente Data da entrevista: ____ /____ /______ Entrevistador: ________________________ Profissão: _______________________
 Nome do paciente: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . C P 0 1 Prontuário:
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
 Telefone 1: [ ___ ] _________ - ___________ Telefone 2: [ ___ ] _________ - ___________
C P 0 2 Data de nascimento: _____ /_____ /______ C P 0 3 Idade: C P 0 4 Sexo: 1 Masculino 2 Feminino
C P 0 5 Informante: 1 Próprio usuário 2 Outro. Descrição:
C P 0 6 Serviço que realizou o acolhimento:
C P 0 7 a Centro de saúde de referência: C P 0 7 b ESF: C P 0 7 c ACS: 
BDF / Síntese da Breve Descrição Funcional
 Qualificadores
0 1 2 3 4 8 (NE) 9 (NA) EVA
Mobilidade
b 4 5 5 Funções de tolerância a exercícios
b 7 1 0 Funções relacionadas à mobilidade das articulações
d 4 1 0 Mudar a posição básica do corpo
d 4 5 0 Andar
d 4 7 0 Utilização de transporte
Comunicação
d 3 3 0 Fala
d 3 5 0 Conversação
Eutrofia
b 5 1 0 Funções de ingestão
b 5 3 0 Funções de manuntenção do peso
Auto-cuidado
d 5 1 0 Lavar-se
d 5 3 0 Cuidados relacionados aos processos de excreção
d 5 4 0 Vestir-se
d 5 7 0 Cuidar da própria saúde
Dor e desconforto b 2 8 0 Sensação de dor
Atividade interpessoal
d 7 1 0 Interações interpessoais básicas
d 9 2 0 Recreação e lazer
Energia e sono
b 1 3 0 Funções da energia e impulsos
b 1 3 4 Funções do sono
Afeto
b 1 5 2 Funções emocionais
d 2 4 0 Lidar com o estresse e outras demandas psicológicas
d 7 7 0 Relações íntimas
Tarefas e 
demandas gerais
d 2 3 0 Realizar a rotina diária
d 6 4 0 Realização das tarefas domésticas
d 6 6 0 Ajudar os outros
Trabalho remunerado d 8 5 0 Trabalho remunerado
Resultado do PLPR
Demanda principal
Profissionais envolvidos no cuidado Profissional coordenador do caso (quando necessário)
Local para início da atenção
PLPR / PROTOCOLO DE LEVANTAMENTO DE PROBLEMAS PARA A