A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
266 pág.
Comparativo Novo CPC vs. Antigo CPC

Pré-visualização | Página 18 de 50

do processo para praticar ato 
simulado ou conseguir fim vedado por lei, o juiz proferirá 
decisão que impeça os objetivos das partes, aplicando, 
de ofício, as penalidades da litigância de má-fé. 
Art. 129. Convencendo-se, pelas circunstâncias da 
causa, de que autor e réu se serviram do processo para 
praticar ato simulado ou conseguir fim proibido por lei, 
o juiz proferirá sentença que obste aos objetivos das 
partes. 
 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. 4.a versão (10.04.2015). É permitida a 
distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, sendo vedada sua 
comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos disponíveis 
no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões 
poderão ser enviadas para novocpc@medina.adv.br. 
31 
CPC/2015 CPC/1973 
 Art. 132. O juiz, titular ou substituto, que concluir a 
audiência julgará a lide, salvo se estiver convocado, 
licenciado, afastado por qualquer motivo, promovido 
ou aposentado, casos em que passará os autos ao seu 
sucessor. 
 Parágrafo único. Em qualquer hipótese, o juiz que 
proferir a sentença, se entender necessário, poderá 
mandar repetir as provas já produzidas. 
Art. 143. O juiz responderá, civil e regressivamente, por 
perdas e danos quando: 
Art. 133. Responderá por perdas e danos o juiz, quando: 
I – no exercício de suas funções, proceder com dolo ou 
fraude; 
I - no exercício de suas funções, proceder com dolo ou 
fraude; 
II – recusar, omitir ou retardar, sem justo motivo, 
providência que deva ordenar de ofício ou a 
requerimento da parte. 
II - recusar, omitir ou retardar, sem justo motivo, 
providência que deva ordenar de ofício, ou a 
requerimento da parte. 
Parágrafo único. As hipóteses previstas no inciso II 
somente serão verificadas depois que a parte requerer 
ao juiz que determine a providência e o requerimento 
não for apreciado no prazo de 10 (dez) dias. 
Parágrafo único. Reputar-se-ão verificadas as hipóteses 
previstas no no II só depois que a parte, por intermédio 
do escrivão, requerer ao juiz que determine a 
providência e este não Ihe atender o pedido dentro de 
10 (dez) dias. 
 Seção III 
 Das Exceções 
 Art. 304. É lícito a qualquer das partes argüir, por meio 
de exceção, a incompetência (art. 112), o 
impedimento (art. 134) ou a suspeição (art. 135). 
 Art. 305. Este direito pode ser exercido em qualquer 
tempo, ou grau de jurisdição, cabendo à parte oferecer 
exceção, no prazo de quinze (15) dias, contado do fato 
que ocasionou a incompetência, o impedimento ou a 
suspeição. 
 Parágrafo único. Na exceção de incompetência (art. 
112 desta Lei), a petição pode ser protocolizada no juízo 
de domicílio do réu, com requerimento de sua imediata 
remessa ao juízo que determinou a citação. 
 Subseção I 
 Da Incompetência 
 Art. 307. O excipiente argüirá a incompetência em 
petição fundamentada e devidamente instruída, 
indicando o juízo para o qual declina. 
 Art. 308. Conclusos os autos, o juiz mandará processar a 
exceção, ouvindo o excepto dentro em 10 (dez) dias e 
decidindo em igual prazo. 
 Art. 309. Havendo necessidade de prova testemunhal, o 
juiz designará audiência de instrução, decidindo dentro 
de 10 (dez) dias. 
 Art. 310. O juiz indeferirá a petição inicial da exceção, 
quando manifestamente improcedente. 
 Art. 311. Julgada procedente a exceção, os autos serão 
remetidos ao juiz competente. 
CAPÍTULO II Seção II 
DOS IMPEDIMENTOS E DA SUSPEIÇÃO Dos Impedimentos e da Suspeição 
Art. 144. Há impedimento do juiz, sendo-lhe vedado 
exercer suas funções no processo: 
Art. 134. É defeso ao juiz exercer as suas funções no 
processo contencioso ou voluntário: 
 I - de que for parte; 
I – em que interveio como mandatário da parte, oficiou 
como perito, funcionou como membro do Ministério 
Público ou prestou depoimento como testemunha; 
II - em que interveio como mandatário da parte, oficiou 
como perito, funcionou como órgão do Ministério 
Público, ou prestou depoimento como testemunha; 
II – de que conheceu em outro grau de jurisdição, tendo 
proferido decisão; 
III - que conheceu em primeiro grau de jurisdição, tendo-
lhe proferido sentença ou decisão; 
III – quando nele estiver postulando, como defensor 
público, advogado ou membro do Ministério Público, 
seu cônjuge ou companheiro, ou qualquer parente, 
IV - quando nele estiver postulando, como advogado 
da parte, o seu cônjuge ou qualquer parente seu, 
consangüíneo ou afim, em linha reta; ou na linha 
colateral até o segundo grau; 
 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. 4.a versão (10.04.2015). É permitida a 
distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, sendo vedada sua 
comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos disponíveis 
no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões 
poderão ser enviadas para novocpc@medina.adv.br. 
32 
CPC/2015 CPC/1973 
consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o 
terceiro grau, inclusive; 
IV – quando for parte no processo ele próprio, seu 
cônjuge ou companheiro, ou parente, consanguíneo 
ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, 
inclusive; 
V - quando cônjuge, parente, consangüíneo ou afim, de 
alguma das partes, em linha reta ou, na colateral, até o 
terceiro grau; 
V – quando for sócio ou membro de direção ou de 
administração de pessoa jurídica parte no processo; 
VI - quando for órgão de direção ou de administração 
de pessoa jurídica, parte na causa. 
 
VI – quando for herdeiro presuntivo, donatário ou 
empregador de qualquer das partes; 
Art. 135. (suspeição) 
III - herdeiro presuntivo, donatário ou empregador de 
alguma das partes; 
VII – em que figure como parte instituição de ensino com 
a qual tenha relação de emprego ou decorrente de 
contrato de prestação de serviços; 
 
VIII – em que figure como parte cliente do escritório de 
advocacia de seu cônjuge, companheiro ou parente, 
consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o 
terceiro grau, inclusive, mesmo que patrocinado por 
advogado de outro escritório; 
 
IX – quando promover ação contra a parte ou seu 
advogado. 
 
§ 1º Na hipótese do inciso III, o impedimento só se 
verifica quando o defensor público, o advogado ou o 
membro do Ministério Público já integrava o processo 
antes do início da atividade judicante do juiz. 
Art. 134. 
Parágrafo único. No caso do no IV, o impedimento só se 
verifica quando o advogado já estava exercendo o 
patrocínio da causa; é, porém, vedado ao advogado 
pleitear no processo, a fim de criar o impedimento do 
juiz. 
§ 2º É vedada a criação de fato superveniente a fim de 
caracterizar impedimento do juiz. 
 
§ 3º O impedimento previsto no inciso III também se 
verifica no caso de mandato conferido a membro de 
escritório de advocacia que tenha em seus quadros 
advogado que individualmente ostente a condição 
nele prevista, mesmo que não intervenha diretamente 
no processo. 
 
Art. 145. Há suspeição do juiz: Art. 135. Reputa-se fundada a suspeição de 
parcialidade do juiz, quando: 
I – amigo íntimo ou inimigo de qualquer das partes ou 
de seus advogados; 
I - amigo íntimo ou inimigo capital de qualquer das

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.