309 pág.

doutorado maria lucia

Disciplina:Historia do Direito Brasileiro2.409 materiais1.542 seguidores
Pré-visualização50 páginas
MARIA APARECIDA LUCCA CAOVILLA

A DESCOLONIZAÇÃO DO ENSINO JURÍDICO NA AMÉRICA
LATINA SOB A PERSPECTIVA DO BEM VIVER:

a construção de uma nova educação fundada no constitucionalismo
e na interculturalidade plural

Tese apresentada ao Curso de Pós-Graduação
Stricto Sensu em Direito, Programa de
Doutorado, da Universidade Federal de Santa
Catarina, como requisito à obtenção do título
de Doutora em Direito, Estado e Sociedade,
sob a orientação do professor Doutor Antonio
Carlos Wolkmer.

Florianópolis, 2015

Ao Ivar, meu amor!
À Isadora e ao Gabriel, nossos amores!

Amor maior... que eu!

Aos que têm sede de oportunidade, de dignidade, de respeito... de
justiça!

Ao povo latino-americano!

AGRADECIMENTOS

À Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), por meio do
Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito (PPGD/UFSC),
seus professores e professoras, pela acolhida e reconhecida contribuição
à minha formação acadêmica e profissional. Aos funcionários e
funcionárias da secretaria do PPGD, minha gratidão por todo suporte e
ajuda nesses quatro anos em que transitei e usufruí do bom convívio.

À Unochapecó, por meio da equipe da Vice-Reitoria de Ensino,
Pesquisa e Extensão, aos professores e professoras, técnicos e técnicas,
que me auxiliaram para que fosse possível concluir essa etapa de minha
vida acadêmica.

Ao meu orientador, professor doutor Antonio Carlos Wolkmer,
por aceitar o desafio de orientação desta tese, tornando possível explorar
novos caminhos no contexto da educação jurídica.

Aos familiares e amigos, por todo apoio, companheirismo e
parceria.

Às queridas professoras Odete e Silvana… imprescindíveis!

A Deus, pela força, inspiração e luz… pela fé!

RESUMO

Diante da necessidade de construção de uma nova cultura constitucional
de integração latino-americana e criação de um diálogo intercultural
para efetivação do Direito como elo de transformação para a libertação,
o presente estudo propõe-se repensar um novo modelo jurídico, a fim de
fazer germinar a semente para uma sociedade mais equitativa,
ancorando-se num paradigma comunitário-participativo, em que o
equilíbrio e a complementaridade estarão interligados. Ao descortinar-se
um novo constitucionalismo, emerge outro projeto político-comunitário,
que parte especificamente da América Latina, exigindo um Direito
descolonizado, considerando que os movimentos sociais podem ser um
mecanismo de desconstrução do direito tradicional, tendo no pluralismo
jurídico um mecanismo capaz de fazer o contraponto ao estatismo, com
possibilidades dinâmicas e aptas para a proposta de uma educação
jurídica epistemologicamente contemporânea, baseada no “bem viver”.
Nesse sentido, o projeto do “bem viver” questiona o Estado predador,
hierárquico e individualista, no resgate de uma identidade perdida e que
precisa ser reconstituída. Toda essa reflexão vai ao encontro de um
desejo de reconstrução da vida, repercutindo nas condições adversas da
humanidade, que o modernismo e o capitalismo submergiram. Para
tanto, é necessário sair de uma visão monocultural e emergir para os
estados plurinacionais, descolonizando-os, posto que imperam baseados
numa individualidade que deteriora a capacidade natural do humano,
que não é único no mundo, que precisa respeitar a natureza à sua volta,
para perceber que tudo vive, está interconectado e é interdependente. O
enfrentamento do tema exige determinação. Trata-se de estudo inovador,
tendo em vista os aspectos formais que o permeiam – políticos,
econômicos, históricos e institucionais, somando-se o capitalismo
desenvolvimentista travestido de modernismo – afetando diretamente o
objeto da pesquisa e refletindo numa cultura de organização jurídica e
educacional dogmatizada e esgotada, que precisa ser recuperada para
que a sociedade alcance um paradigma comunitário-participativo no
âmbito da educação jurídica. Ao concluir-se a pesquisa, sinaliza-se no
sentido de que é possível haver mudança epistemológica, no âmbito da
educação jurídica, propondo a renovação dos saberes, levando em conta
as experiências sociais vivenciadas em países da América Latina, com
base no pluralismo jurídico comunitário-participativo, evidenciando as
tendências do Direito a partir da ampliação das demandas populares e do
ativismo social, protagonizadas nos novos direitos, na interculturalidade,

igorbsantos
Destacar

igorbsantos
Sublinhar

igorbsantos
Sublinhar

igorbsantos
Sublinhar

igorbsantos
Sublinhar

bem como nas experiências ancestrais, para almejar um equilíbrio com
todas as formas de existência.

Palavras-chave: Descolonização do Direito. Ensino jurídico.
Constitucionalismo latino-americano. Pluralismo. Interculturalidade.
Bem viver. Alteridade.

igorbsantos
Sublinhar

ABSTRACT

Confronted with the necessity of building a new constitutional culture of
Latin American integration, and the creation of an intercultural dialogue
for the achievement of the Law, as a link of transformation for the
freedom, this study aims to rethink a new legal model in order to
germinate the seed for a more equitable society, anchoring in a
community-participatory paradigm, in which the balance and the
complementarity will be interconnected. While uncovering up a new
constitutionalism, a new political and community project emerges,
which starts specifically from Latin America, demanding a decolonized
Law, considering that social movements can be a deconstruction
mechanism of the traditional law, having in the legal pluralism, a
mechanism able to make the point against the statism, with dynamic
possibilities able to the proposal of a epistemologically contemporary
legal education based on the “good living”. In this sense, the “good
living” project questions the predator, hierarchical and individualistic
State, in the rescue of a lost identity which needs to be reconstituted. All
this reflection meets a desire for the reconstruction of life, reflecting the
adverse conditions of humanity, where modernism and capitalism
submerged. Therefore, it is necessary to leave a monocultural vision and
emerge to the plurinational states, decolonizing them, since they rein
based on an individuality which deteriorates the natural capacity of the
human being, who is not unique in the world, that needs to respect
nature around them, to notice that everything is alive, everything is
interconnected and interdependent. Facing the issue requires
determination. This is a groundbreaking study considering the formal
aspects which permeates it – political, economic, historical and
institutional, adding up the developmental capitalism disguised as
modernism – which directly affects the research object and reflecting in
a culture of legal and educational organization that is dogmatic and
exhausted, which needs to be recovered for the society to reach a
community-participatory paradigm in the scope of legal education. By
concluding this research, it is signaled that it is possible to have
epistemological changes, in the scope of legal education, promoting the
renewal of knowledge, taking into account the social lived experiences
in Latin American countries, based on the community-participatory
legal pluralism, highlighting the trends of Law from the expansion of
popular demands and social