19 pág.

Análise de Custos Comportamento Organizacional Online Gestão de Projetos Microeconomia Sistemas de Informação Gerencial Seminário Interdisciplinar IV

Disciplina:Cálculo Diferencial e Integral II4.776 materiais276.657 seguidores
Pré-visualização4 páginas
SUMÁRIO

31	INTRODUÇÃO	�
42	DESENVOLVIMENTO	�
42.1	MATRIZ RACI	�
52.2	DEMANDA E OFERTA	�
72.3	QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO	�
112.4	SISTEMAS DE INFORMAÇÕES EMPRESARIAIS	�
152.5	CONTABILIDADE DE CUSTOS	�
163	CONCLUSÃO	�
17REFERÊNCIAS	�
�

�
INTRODUÇÃO

Partindo da temática interdisciplinar empresa “Bonitta”, este estudo tem como objetivo promover a exploração, pelos acadêmicos e futuros profissionais de Administração, conhecimentos e práticas ligados ao gerenciamento de projetos, microeconomia, análise de custos, gestão de sistema de informação e comportamento organizacional.
A empresa “Bonitta” é fabricante de calçados femininos e precisa remodelar o negócio para sobreviver ao mercado, é uma tradicional marca do setor calçadista que compõe o conjunto de empresas que atua no Rio Grande do Sul. Está há 30 anos no mercado e atende principalmente a linha de calçados femininos no mercado brasileiro. Marca popular reconhecida no mercado, mas que com o passar do tempo, vem sofrendo dificuldades em função de fatores internos e externos à empresa.
Inicialmente, o estudo aborda um diagnóstico preliminar e emergencial para remodelação da empresa para buscar maior eficiência e competitividade no mercado, para isso, a “Bonitta” precisa trabalhar em algumas frentes como: gestão de projetos, inovação do produto e redimensionamento através da gestão de custos, do sistema de informação gerencial, além de melhorias na condição e alocação das pessoas da empresa, considerando seu bem-estar e qualidade de vida.
.

desenvolvimento

 matriz raci

A Matriz de Responsabilidades, também conhecida como Matriz RACI, é uma ferramenta de gestão de pessoas que distribui tarefas entre os colaboradores no gerenciamento de um projeto, facilitando a comunicação dentro da empresa e otimizando o uso dos recursos humanos.

A matriz permite mapear e visualizar de forma simplificada os responsáveis por cada etapa de um projeto. Ela permite uma divisão mais clara das tarefas, tornando mais fácil saber quem ficou responsável por fazer o quê. Também impede que alguma tarefa fique sem um responsável.

A matriz também garante que todo mundo que deve acompanhar o projeto será lembrado, uma vez que lista quem precisa ser consultado ou informado sobre seu andamento. Além disso, a forma como ela permite visualizar a distribuição de tarefas ajuda ainda a fazer uma partilha mais justa das atribuições.
No mundo corporativo, o conceito de responsabilidade corresponde à obrigação de um subordinado cumprir um dever passado por seu superior na hierarquia da empresa e de responder por suas ações.

A responsabilidade está, portanto, na mão contrária à da autoridade. Enquanto a autoridade é o poder de comando que se desenvolve no sentido superior-subordinado, a responsabilidade é uma relação subordinado-superior.

A responsabilidade não pode ser delegada a funcionários que estão em um nível inferior da hierarquia. O que podem ser delegadas são tarefas. Ao distribuir tarefas a um subordinado, a autoridade não reduz sua responsabilidade.
Diante da falta de inovação no design dos calçados da empresa “Bonitta”, será realizado uma matriz RACI para organizar e planejar melhor a atuação da empresa, as pessoas envolvidas na RACI são: Pedro, Marcos, Mari, Luana e a Eliza.
Os cargos são:

Pedro – Marketing;

Marcos – Diretor;

Mari – financeiro;

Luana – RH;

Eliza – Logística

	MATRIZ RACI
	PESSOAS

	ATIVIDADE
	Pedro
	Marcos
	Mari
	Laura
	Eliza

	DEFINIR
	R
	A
	C
	I
	I

	PROJETAR
	R
	C
	A
	I
	C

	DESENVOLVER
	A
	R
	C
	I
	C

	TESTAR
	R
	A
	C
	I
	I

	LEGENDA RACI

	R - Responsável
	A - Autoridade
	C - Consultado
	I - Informado

demanda e oferta

Oferta e demanda são as duas forças que garantem o funcionamento de um mercado, determinando preços e a quantidade de produtos oferecidos. O termo oferta se refere à quantidade disponível de um produto, ou seja, aquela que as empresas querem ou podem vender. Já a demanda é a quantidade que os consumidores querem ou podem adquirir desse produto, ou seja, sua procura.

A quantidade de produtos oferecidos – sua oferta – é determinada pelos vendedores. Ela é influenciada pelo preço desse produto no mercado, o custo dos insumos e a tecnologia, por exemplo.

Já quem estabelece a demanda é o consumidor. A procura por um produto depende de fatores como seu preço, o poder aquisitivo da população, os gostos e a moda, a existência de produtos similares ou substitutos no mercado, dentre outros.
A empresa “Empresa “Bonitta”” pertence a uma das estruturas de mercado, “concorrência perfeita” onde as características da estrutura de mercado é concorrência perfeita situação ideal de mercado na qual existe uma grande quantidade de vendedores e uma grande quantidade de compradores. Esse cenário favoreceria um equilíbrio natural nos preços pela relação entre a oferta e a demanda.

Também chamada de concorrência pura, a concorrência perfeita é um conceito que não se verifica no mundo real, sendo mais um modelo teórico do que prático. O setor de hortifrutigranjeiros costuma ser apontado como o exemplo mais próximo desse modelo.

Em um mercado de concorrência perfeita, a tendência é de que, no longo prazo, as receitas das empresas correspondam a seu custo total.
Em uma pesquisa de mercado a empresa conseguiu estimar as equações de demanda e de oferta do seu produto responsável por 20% do seu faturamento.

Demanda: Qd = 240 - P

Oferta: Qo = 60 + P

Segue o preço e a quantidade de equilíbrio, sabendo que a mesma pratica um preço de R$ 80,00, e utilizando toda a sua capacidade produtiva produz 150 mil unidades do produto.
Preço
60+80P=240-80P

60+240=80+80

300=160P

P=1,875

P=87,50

Quantidade de equilíbrio

240-P
240-80(87.50)

240-7000

6,760

	A ação que a empresa Bonitta deve tomar é aumentar seu produto para 87,50 não precisando de utilizar toda a sua capacidade produtiva de 150 mil unidades do produto mais sim 6,760. Onde conforme o preço cai a demanda aumenta, quanto maior o preço mais a empresa ganha.

Qualidade de Vida no Trabalho

De forma sucinta e objetiva, Qualidade de Vida no Trabalho, ou QVT, como também é conhecida, é o grau de satisfação que um colaborador tem com as funções exercidas e com o local em que trabalha. Diferente do que muitos acreditam, a satisfação de um profissional no ambiente de trabalho não é algo que diz respeito somente a ele. Esta, aliás, é uma questão que deve ser vista e ter a devida atenção por parte da gestão da organização, afinal, a satisfação do colaborador está diretamente ligada aos bons resultados que a empresa obtém ou deseja obter em um futuro próximo.

Empresas são feitas por pessoas. Nada melhor que ter pessoas motivadas, felizes e engajadas, prontas para colocar com seus talentos profissionais à disposição da empresa, para que juntos todos possam colher bons frutos, não é mesmo? Garantir um alto nível de Qualidade de Vida no Trabalho faz parte da ação conjunta entre gestores, empresários e equipe de Gestão de Pessoas. Investir em equipamentos e maquinários, estimular a cordialidade e gentileza entre colaboradores, para criar uma cultura organizacional amistosa e agradável, são algumas das muitas iniciativas que a organização pode ter para que todos tenham qualidade de vida no trabalho.
Manter boas relações interpessoais com os colegas e superiores torna o ambiente melhor e mais favorável para a execução das atividades profissionais.

 Assim como no aspecto pessoal, a QVT é essencial para o desenvolvimento dos colaboradores, tanto dentro como fora do ambiente da empresa. Neste sentido, é importante salientar o papel social das organizações também na formação de cidadãos mais conscientes de seu papel na sociedade.

 Segundo Bom Sucesso (1997) cabe as organizações, naquilo que tange a qualidade de vida no trabalho, divulgar sua missão e objetivos, facilitando o processo de informação dos