A Cartomante - texto dissertativo II.
1 pág.

A Cartomante - texto dissertativo II.


DisciplinaLiteratura17.097 materiais82.869 seguidores
Pré-visualização1 página
Comentário dissertativo sobre o conto "A CARTOMANTE"

O conto é uma trama bem urdida, construída á partir do envolvimento de dois amigos com uma mesma mulher. Seria mais um caso corriqueiro como tantos que ainda hoje acontecem por ai, se não fosse a forma como ele foi construído.

Uma historia envolvente, datada de 1969, recheada de suspense, que provoca sensações diversas no leitor. O autor usa o recurso do diálogo entre Rita e Camilo para humanizar a relação entre os dois amantes, deixando o leitor na dúvida quanto a aceitar ou não como válida a traição, e até mesmo torcer por Camilo.

 A figura solitária e sinistra da Cartomante quase que direcionando o pensamento de Rita e Camilo é outro recurso do autor para questionar até onde a fé, superstição ou crença das pessoas pode conduzir as atitudes humanas.

O espaço onde os acontecimentos se desenrolam também é algo assim de enriquecer o texto, um subúrbio, um local escuro, com casas e ruas antigas, ambiente propício para contos misteriosos.

A antiga amizade entre Vilela e Camilo e o envolvimento de Camilo com Rita foi muito bem elaborado através do uso de uma situação/acontecimento na vida de Camilo.

No texto, Camilo ao ver Rita se deixa seduzir, mas ao mesmo tempo seduz, e para possui la sufoca todo resquício de moral e amizade com Vilela.

A atenção que Rita deu a Camilo, as atitudes idênticas, os mesmos gostos, a proximidade, as brincadeiras, os olhares, o presente em forma de bilhete, foram caminhos para se chegar a um envolvimento sem retorno.

A presença do suspense é bem marcada pelo autor quando do afastamento e silencio de Vilela, é precisamente ai que começa o suspense e a trama romântica adiquire ares de dramática.

O autor trabalha com as inquietações humanas de quem praticou algo errado. Medo, incertezas, suposições, desconfiança, arrependimento, pavor, coisas assim que tiram o sono de seu possuidor.

Por último, o autor não foge a regra do que acontece na realidade; o mal sempre é descoberto, as conseqüências nunca são satisfatórias.

FIM