ATLS   9ed   2012 PTBR

ATLS 9ed 2012 PTBR

Disciplina:Atendimento Pré-hospitalar (aph)141 materiais887 seguidores
Pré-visualização50 páginas
AMERICAN COLLEGE OF SURGEONS
-

Inspiring Quality:
Highest Standards, Better Outcomes

®

• . ®
ACS .:-_�,�

Commlttee .s,�
onTrauma

®

Colégio Americano de Cirurgiões
Comitê de Trauma

®

•

Presidente do Comitê de Traunza: Michael F. Rotondo, MD, FACS
Diretor Médico do Programa de Trauma: John Fildes, MD, FACS
Presidente do Comitê ATLS: Karen J. Brasel, MD, MPH, FACS
Gerente do Progran�a ATLS: Will Chapleau, EMT-P, RN, TNS
Gerente do Projeto: Claire Merrick
Editor de Desenvolvimento: Nancy Peterson
Serviços de Produção: Anne Seitz and Laura Horowitz, Hearthside Publishing Services
Serviços de Mídia: Steve Kidd and Alex Menendez, Delve Productions
Desenhista: Terri Wright Design
Artista: Dragonfly Media Group
Layout e Composição do Livro: Greg Johnson/Textbook Perfect

Nona Edição

Copyright © 2012 American College of Surgeons
633 N. Saint Clair Street
Chicago, IL 60611-3211

Copyright das edições anteriores 1980, 1982, 1984, 1993, 1997, 2004, e 2008 pelo Colégio
Americano de Cirurgiões.

Direitos autorais reconhecidos internacionalmente conforme a Convenção de Berna e a
Convencão Uniforme de Direitos Autorais. Todos os direitos reservados. Este manual

.;:,

é protegido por direitos autorais. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida,
armazenada em sistema recuperável ou transmitida, sob qualquer forma ou por qualquer
meio, eletrônico, mecânico, fotocópia, gravação ou outro, sem permissão por escrito do
Colégio Americano de Cirurgiões.

O Colégio Americano de Cirurgiões, seu Comitê de Trauma e os autores colaboradores
tomaram todo o cuidado para que as dosagens de drogas e as recomendações de tratamento
aqui contidas estejam corretas e compatíveis com os padrões geralmente aceitos na
data da publicação. No entanto, à medida que novas pesquisas e a experiência clínica
ampliam o nosso conhecimento, podem tornar-se necessárias ou apropriadas alterações
no tratamento e no uso de drogas. Aconselha-se os leitores e os participantes deste curso
a checarem as informações mais recentes disponíveis, fornecidas pelo fabricante de cada
medicamento a ser administrado, a fim de verificar a dosagem recomendada, o método

"'

e o tempo de administração e as contraindicações. E responsabilidade do profissional
informar-se de todos os aspectos do atendimento e escolher o melhor tratamento para cada
doente individualmente. No te que o colar cervical e a imobilização de coluna continuam
sendo o padrão atual do PHTLS para o transporte de doentes com lesão vertebromedular.
Se o colar cervical e os dispositivos de imobilização tiverem de ser retirados no hospital,
em ambientes controlados, isso só deve ser feito quando a estabilidade da lesão estiver
assegurada. O colar cervical e os dispositivos de imobilização foram retirados em algumas
fotos e vídeos para melhor clareza da demonstração da técnica específica. O Colégio
Americano de Cirurgiões, seu Comitê de Trauma e os autores colaboradores isentam­
se de qualquer responsabilidade, perda ou dano que possa ocorrer como consequência,
direta ou indireta, do uso e aplicação de qualquer parte do conteúdo desta No na Edição
do Programa ATLS.

Advanced Trauma Life Supportli e a sigla ATLS1Y são marcas registradas do Colégio
Americano de Cirurgiões.

Impresso nos Estados Unidos da América.

Advanced Trauma Life Supportl Student Course Manual

Número de Controle da Biblioteca do Congresso: 2012941519
ISBN 13: 978-1-880696-02-6

icatória
Para Paul "Skip" Coll icott, MD, FACS
Todos nós deixamos pegadas na areia durante a nossa passagem pela vida. De
vez em quando, paramos e olhamos para trás, para essas pegadas. Esta Nona
Edição do manual do ATLS® é realmente a soma das contribuições de muitos
que deixaram pegadas, direta e indiretamente. Mas não há pegadas maiores
ou mais firmemente marcadas do que as que foram deixadas por Paul E. "Skip"
Collicott, MD, FACS.

"'

E duro lembrar "dos antigos tempos ruins" quando o doente traumatizado era
avaliado no pronto-socorro por um interno ou por um estudante de medicina. A
avaliação começava com a história e o exame físico completos. A menos que o doente
estivesse morrendo, não se dava nenhuma prioridade especial aos ABC. Imagine o
interno perguntando à família de um doente com ferimento por arma de fogo no tórax
sobre as doenças da infância, enquanto o doente estava com desconforto respiratório
significativo! No entanto, era isso o que acontecia. Como o mesmo doente é atendido
de forma diferente hoje.

Hoje, quando os meios de comunicação mostram vários conflitos e outros eventos
traumáticos em qualquer lugar do mundo, uma coisa evidente é que os primeiros
socorristas e os médicos que cuidam das vítimas utilizam os princípios e os métodos
do ATLS. Por quê? Porque esses princípios e métodos funcionam.

Nós, e os doentes traumatizados que nós tratamos, temos uma dívida de
gratidão com você, Skip - com você e com o seu pequeno grupo original de autores.
Se tivéssemos a felicidade de ter a oportunidade de tocar tantas vidas ao redor do
mundo como a sua visão e o seu esforço fizeram ao longo do nascimento, adolescência
e agora maturidade do ATLS®, então poderíamos sentir-nos justificadamente
orgulhosos de nossas realizações. Parece inadequado dizer, mas . . . obrigado pela sua
visão. O ATLS funciona!

Esta homenagem a Skip e ao legado que ele deixará vai muito além da dedicação
desta edição do manual a ele. Valeu, meu amigo.

Max L. Ramenofsky, MD, FACS
Professor of Surgery
Robert Wood Johnson College ofMedicine
New Brunswick, NJ

Richard M. Bell, MD, FACS
Professor, Department of Surgery
University of South Carolina
Columbia, SC

� . umar1o
CAPÍTULO 1 Avaliação e Atendimento Iniciais 2

�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO 1: Avaliação e Atendimento Iniciais 23

CAPÍT ULO 2 Via Aérea e Ventilação 30

�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO 11: Conduta em Via Aérea e Ventilação 50
�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO 111: Cricotireoidostomia 58

CAPÍTULO 3 Choque 62

�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO IV: Avaliação e Tratamento do Choque 82
�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO V: Dissecção de Veia (Estação Opcional) 92

CAPÍTULO 4 Trauma Torácico 94

�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO VI: Identificação Radiográfica de
Lesões Torácicas 1 1 3

��ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO VIl: Tratamento de Lesões Torácicas 1 1 8

CAPÍT ULO 5 Trauma Abdominal e Pélvico 122

�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO VIII: Avaliação Ultrassonográfica
Direcionada para Trauma (FAST) 1 4 1

�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO IX: Lavagem Peritoneal Diagnóstica
(Opcional) 145

CAPÍTULO 6 Trauma Craniencefálico 148

�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO X: Avaliação e Tratamento de Trauma
de Cabeça e Pescoço 1 70

CAPÍTULO 7 Trauma Vertebromedular 174

�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO XI: Identificação Radiográfica de
Lesões de Coluna 194

�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO XII: Avaliação e Tratamento de Lesão
de Medula 1 99

CAPÍTULO 8 Trauma Musculoesquelético 206

�� ESTAÇÃO DE TREINAMENTO PRÁTICO XIII: Avaliação e Tratamento de Trauma
Musculoesquelético 224

CAPÍTULO 9 Lesões Provocadas por Queimaduras e Frio 230
CAPÍT ULO 10 Trauma Pediátrico 246
CAPÍTULO 11 Trauma Geriátrico 272
CAPÍTULO 12 Trauma na Gestante e Violência Doméstica 286
CAPÍTULO 13 Transferência para Tratamento Defin itivo 298
APÊNDICES 309
ÍNDICE REMISSIVO 355

v

• VI

O meu primeiro contato com o ATLS foi em San Diego,
em 1980, quando era residente. O curso de instrutor
foi dirigido por Paul E . "Skip" Collicott, MD, FACS
e incluía entre os estudantes, fellows - um jovem
cirurgião de San Diego, A. Brent Eastman, MD, FACS,
e um de San Francisco, Donald D. Trunkey, MD, FACS.
Durante o ano seguinte ou nos dois anos seguintes, nós
treinamos