Resenha.TransformaçãoIRS
3 pág.

Resenha.TransformaçãoIRS

Disciplina:Direito Tributário6.611 materiais102.672 seguidores
Pré-visualização1 página
UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ
Pós-graduação em Direito Público: Constitucional, Administrativo e Tributário

Resenha do caso de Harvard intitulado “Transformação no IRS”

Nome do aluno: Alberto Eduardo Cavalcante Fragoso

Trabalho da Disciplina Sistema Constitucional Tributário
Tutor: Prof. José Eduardo de Araújo Duarte

Maceió/AL
2019

TÍTULO
Transformação no IRS
REFERÊNCIA: EDMONDSON, Amy C.; FREI, Frances X. Transformação no IRS. Santford: Graduate School of Businesse. Santford, 2002.

Introdução
O presente trabalho se refere ao estudo do caso alusivo à reforma administrativa, em 1998, na “Internal Revenue Service”, imbuído da gestão fiscal nos Estados Unidos da América. As alterações estruturais no órgão fiscal americano foram debatidas intensamente nas duas décadas antecedentes, recebendo críticas pelo excesso de burocracia e deficiência no processo desde o atendimento ao cliente até a arrecadação tributária propriamente dita – pelas desconformidade procedimentais à luz das regras específicas de cada tributo, o que embaraçava, de maneira sensível, a relação entre os contribuintes e a autoridade fiscal.
Neste cenário, instituiu-se uma comissão presidencial, por ordem do então Presidente Bill Clinton, em 1997, que se encarregou da análise das carências organizacionais do órgão fiscal cujos sistemas se apresentavam, à época, “terrivelmente obsoletos e os níveis de serviço espantosamente baixos comparados àqueles de indústrias do setor privado”. Muitas das recomendações foram transformadas em lei, a exemplo da Lei de Reestruturação e Reforma (RRA/98), a priorizar também o atendimento ao contribuinte ao invés de apenas atentar, como anteriormente, para a mera arrecadação dos tributos.
Criar ferramentas de otimização e melhoramento na estrutura organizacional passou a ser considerado como elemento orientador de observância obrigatória no IRS americano, focando, a partir desta perspectiva, no destinatário final da ação estatal fiscal – o contribuinte, através da implementação de mecanismos de inovação, a exemplo do fomento de “links” diretos com o cliente, os quais solucionaram inúmeros problemas relacionados ao acesso efetivo de informações (também de interesse arrecadatório), e dos métodos facilitadores desenvolvidos pelos sistemas de Tecnologia de Informação.
De fato, as mudanças instaladas na estrutura do IRS americano propiciaram maior eficiência na gestão fiscal através do fornecimento de serviços providos de excelência, rapidez, economicidade e padronização, tornando os processos tributários mais claros e acessíveis.
Crítica
A falta de procedimentos elementares e de conhecimentos técnicos legais de seus colaboradores infligem a qualquer Administração Pública considerável perda de produtividade e eficiência nos serviços prestados, mormente pelo comprometimento de boa parcela orçamento com pagamento de pessoal e pela baixa previsão de receitas. Neste contexto, os novos preceitos gerenciais calham como ferramentas que orientam o modo de operação da gestão pautada na racionalidade e otimização procedimental, instituindo parâmetros para o implemento de ações sanativas ante dos problemas existentes.
A busca por eficiência e por resultados (com qualidade e ênfase no usuário do serviço), lastreada numa politica de flexibilidade e de distribuição de competências, com a descentralização das incumbências decisórias, são conceitos novos que amparam o moderno jeito de gestão pública. Tais considerações poderão ser observadas nas propostas de mudança organizacional implementada no IRS através da inovação legislativa levada efeito nos Estados Unidos da América: a) Divisões de operações focados nos clientes, b) funções gerenciais com clara indicação de responsabilidades, c) práticas comerciais renovadas, d) instituição de novas tecnologias e e) medidas de performance equilibradas.
Percebeu-se que medidas na melhoria do atendimento ao contribuinte (no caso, o cliente dentro desse processo) que poderiam ser manejadas para guerrar resistência a mudanças seria a conscientização dos colaboradores públicos no que toca essencialmente às suas atribuições e responsabilidades funcionais. Servidor responsável significa respeitar às leis e prover o bem coletivo, observando os preceitos constitucionais que norteam a atividade administrativa do Poder Público.
A capacitação profissional juntamente com a ações de motivação pessoal e institucional se constituem como outras sugestões de combate aos vícios enraigados pelos tempo. Outra ação relevante seria o estímulo à quebra de concentração desproporcional de atribuições. Delegações de funções e de determinados atos se apresentam como soluções a situações específicas de travamento burocrático e evitam eventuais paralizações no serviço público pelas insubstituições de cargos ou atribuições.
Por fim, o incentivo à economicidade é outra ação extremamente oportuna à boa gestão administrativa. Impedindo-se gastos desnecessários na Administração Pública permitem a realocação, por anulação, de dotação orçamentária inutilizada em despesas supervenientes e imprevisíveis. Insta destacar, a partir daí, que a mudança no comportamento cultural generalizado e inserta nos meandros da Administração Pública torna-se uma peça indispensável à remodelação das arcaicas formas burocráticas em estruturas mais adaptáveis e flexíveis às mudanças que ocorrem no curso do processo gerencial.