A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
113 pág.
Apostila Mecanismos de solucao de conflitos

Pré-visualização | Página 14 de 25

o Artigo 
136-A. 
 
Atividade proposta 
Tendo em vista a Lei 13.129/15, disserte sobre as principais características e 
aponte as diferenças entre a sistemática da mediação judicial e da extrajudicial. 
 
Chave de resposta: Devem ser apontadas as questões relativas aos limites 
objetivos e subjetivos ao uso da mediação, o momento, os requisitos para ser 
mediador, a necessidade de homologação judicial para acordos extrajudiciais 
em matéria de direitos indisponíveis. Por fim devem ser abordadas as questões 
relativas à duração do procedimento e às consequências do acordo. 
 
62 
 
 
 
MECANISMOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS 62 
Referências 
ALMEIDA, Diogo Assumpção Rezende de. O princípio da adequação e os 
métodos de solução de conflitos. Revista de Processo, Revista dos Tribunais: 
São Paulo, nº 195, ano 2010. 
BARBOSA MOREIRA, José Carlos. Breve noticia sobre la conciliación em el 
proceso civil brasileño. Temas de Direito Processual. 5ª série. Rio de 
Janeiro: Saraiva, 1994. p. 95/101. 
_______. Privatização do processo? Temas de direito processual. 7ª série. 
Rio de Janeiro: Saraiva, 2001. p. 7/18. 
CALMON, Petrônio. Fundamentos da mediação e da conciliação. Rio de 
Janeiro: Forense, 2008. 
CAMARA, Alexandre Freitas. O novo processo civil brasileiro. São Paulo: 
Atlas, 2015. 
CAPPELLETTI, Mauro [s/ indicação de tradutor]. Os métodos alternativos de 
solução de conflitos no quadro do movimento universal de acesso à justiça. 
Revista de Processo, v. 74, São Paulo: Revista dos Tribunais, 1994, p. 82/97. 
DIDIER JUNIOR, Fred. Curso de Direito Processual Civil, 17 ed. v.1. 
Salvador: Jus Podium, 2015. 
DIDIER JUNIOR, Fred, BRAGA, Paula Sarmo, OLIVEIRA, Rafael Alexandria. 
Curso de Direito Processual Civil, 11 ed. v.2. Salvador: Jus Podium, 2016. 
DIDIER JUNIOR, Fred, CUNHA, Leonardo Carneiro. Curso de Direito 
Processual Civil, 13 ed. v.3. Salvador: Jus Podium, 2016. 
DONIZETTI, Elpidio. Curso didático de direito processual civil. 19 ed. São 
Paulo: Atlas, 2016. 
DUZERT, Yann. Mediação no Brasil: uma forma de negociar baseada na 
abordagem de ganhos mútuos. In: ARROW J. Kenneth et al. (Org.). Barreiras 
para resolução de conflitos. Saraiva: São Paulo, 2001. p. 327/349. 
______. A mediação no direito brasileiro: evolução, atualidades e possibilidades 
no projeto do novo código de processo civil. In: JAYME, Fernando Gonzaga. 
FARIA, Juliana Cordeiro de. LAUAR. Maira Terra (Org.). Processo civil: novas 
tendências em homenagem ao Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, Del Rey: 
Belo Horizonte, 2011. p. 295/313. 
63 
 
 
 
MECANISMOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS 63 
______. O Novo CPC e a mediação: reflexões e ponderações. Revista de 
Informação Legislativa, ano 48, nº 190, tomo I, abr.-jun. 2011, p. 219/236. 
FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Os conflitos como processo de mudança 
social. Revista de Direito Administrativo, n. 219, p. 219-227, jan./mar. 
2000. 
FLEXA, Alexandre, MACEDO, Daniel, BASTOS, Fabrício. Novo Código de 
Processo Civil – temas inéditos, mudanças e supressões. 2 ed. Salvador: 
Jus Podium, 2016. 
GONÇALVES, Fabiana Marcello. Mediação pós-judicial: um caminho alternativo 
rumo à pacificação social. Revista Eletrônica de Direito Processual, v. IX, 
disponível em: http://www.redp.com.br. 
MANCUSO, Rodolfo de Camargo. A resolução dos conflitos e a função 
judicial no contemporâneo estado de direito. São Paulo: Revista dos 
Tribunais, 2009. 
MORAIS, José Luis; MARION SPENLGER, Fabiana. Mediação e 
arbitragem: alternativas à jurisdição!. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do 
Advogado, 2008. 
PELUSO, Antonio Cezar. RICHA, Morgana de Almeida [Coord.]. Conciliação e 
mediação: estruturação da política judiciária nacional. Rio de Janeiro: Forense, 
2011. 
 PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Mecanismos de solução 
alternativa de conflitos: algumas considerações introdutórias. Revista 
Dialética de Direito Processual, v. 17, p. 09/14, São Paulo: Oliveira Rocha, 
2004. 
PINHO. Humberto Dalla Bernadina de Pinho. Direito processual civil 
contemporâneo – teoria geral do processo. 6 ed. São Paulo: Saraiva, 
2016. 
______. (Org.). Teoria geral da mediação à luz do projeto de lei e do 
direito comparado. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008. 
______. Mediação: a redescoberta de um velho aliado na solução de conflitos. 
In: Acesso à justiça: efetividade do processo (Org. Geraldo Prado). Rio de 
Janeiro: Lumen Juris, 2005. p. 105/124. 
64 
 
 
 
MECANISMOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS 64 
______. A mediação e o Código de Processo Civil projetado. Revista de 
Processo, ano 37, v. 207, São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012. p. 213/238. 
RODRIGUES JÚNIOR, Walsir Edson. A prática da mediação e o acesso à 
justiça. Belo Horizonte: Del Rey, 2006. 
SCAVONE JUNIOR, Luiz Antonio. Manual de arbitragem: mediação e 
conciliação. 6. Ed. Rio de Janeiro: Gen, 2016. 
TARTUCE, Fernanda. Mediação nos conflitos civis. 2 ed. Rio de Janeiro: 
Gen, 2016. 
THEODORO JUNIOR, Humberto. Curso de direito processual civil. 56 ed. 
Vol. I. Rio de Janeiro: Forense, 2015. 
THEODORO JUNIOR, Humberto. Curso de direito processual civil. 50 ed. 
Vol. II. Rio de Janeiro: Forense, 2016. 
 
Exercícios de fixação 
Questão 1 
Assinale a alternativa que melhor define a mediação: 
a) É a atividade imposta às partes, que se obrigam a obedecer a decisão do 
mediador. 
b) É um sinônimo para conciliação, não havendo nenhuma diferença entre 
os institutos. 
c) É a atividade desempenhada pelo árbitro. 
d) É vedada no direito brasileiro. 
e) É a atividade de um terceiro neutro e imparcial que não tem o poder de 
decidir o conflito. 
 
Questão 2 
De acordo com a sistemática do novo CPC, o juiz ao receber a petição inicial e 
verificando que é possível o consenso, pode determinar diversas providências. 
Neste momento, deve o magistrado dar especial atenção ao princípio da 
65 
 
 
 
MECANISMOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS 65 
adequação. Marque, dentre as alternativas abaixo, aquela que indica 
providência que não pode ser determinada pelo juiz neste momento. 
a) Designar audiência de conciliação. 
b) Marcar sessão de mediação. 
c) Designar audiência especial com o magistrado. 
d) Determinar a realização de audiência de justificação para apreciar 
requerimento de tutela de urgência. 
e) Determinar a realização de arbitragem incidental. 
 
Questão 3 
(BIO-RIO - 2014 - EMGEPRON - Advogado) Nos termos da lei de arbitragem, o 
árbitro deve: 
a) Ser de nível superior. 
b) Possuir ensino médio completo. 
c) Ser da confiança das partes. 
d) Sofrer nomeação pelo juiz. 
 
Questão 4 
De acordo com as regras da nova Lei de arbitragem, se já há convenção de 
arbitragem, mas esta não foi ainda formalmente instituída, a quem cabe decidir 
eventual requerimento de medida de urgência: 
a) Ao árbitro, pois as partes já manifestaram sua opção por essa forma de 
solução de conflitos. 
b) Ao juiz de direito, pois a arbitragem não foi instituída ainda e, assim 
sendo, vale a o princípio constitucional do acesso à justiça previsto no 
Artigo 5°, inciso XXXV, da Carta de 1988. 
66 
 
 
 
MECANISMOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS 66 
c) Tanto ao árbitro como ao juiz, observada a regra de prevenção do CPC, 
aplicável por analogia. 
d) Nem ao árbitro e nem ao magistrado; neste interim não pode ser 
solicitada medida cautelar. 
e) Em princípio ao magistrado, por força do princípio do acesso à justiça, 
salvo se houver dispositivo expresso no contrato. 
 
Questão 5 
Considere: 
I. Inépcia da petição inicial. 
II. Conexão. 
III. Defeito de representação. 
IV. Convenção de arbitragem. 
V. Falta de

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.