A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
ADAM SMITH VS KARL MARX

Pré-visualização | Página 2 de 3

daqueles serviços e instituições públicas que são 
úteis, mas que não fornecem lucro aos indivíduos. 
Estas são fundamentalmente instituições com vista a facilitar 
o comércio e a promover a instrução, como no esquema seguinte: 
 
10 
 
 
 
 
T
IP
O
S
 D
E
 I
N
S
T
IT
U
IÇ
Õ
E
S
 D
E
 
IN
S
T
R
U
Ç
Ã
O
As que visam a instrução da 
juventude
As que visam a instrução de 
pessoas de todas as idades
A DIVISÃO DO TRABALHO TEM O SEU MELHOR E O SEU PIOR, 
PORQUE… 
… destrói as virtudes intelectuais, sociais e marciais, a menos que o governo se esforce por 
impedi-lo, enquanto que nas sociedades bárbaras essas virtudes se mantêm vivas, por 
necessidade constante. 
 
11 
 
KARL MARX E FRIEDRICH ENGELS – 
“MANIFESTO DO PARTIDO 
COMUNISTA” 
 
12 
 
O Manifesto do Partido Comunista, escrito por Karl Marx 
e Friedrich Engels, foi publicado em 1848. Este ano é crucial para 
compreender a história do Ocidente, mais especificamente da 
Europa. Segundo Eric Hobsbawm “nunca houve uma [revolução] 
que se tivesse espalhado tão rápida e amplamente, alastrando-se 
como fogo na palha por sobre fronteiras, países e mesmo 
oceanos” como a de 1848. 
Foi neste contexto que o Manifesto foi publicado, na 
iminência da realização de uma revolução sem precedentes. 
Resultado do estreitamento das relações dos dois autores com a 
Liga dos Justos, uma união de trabalhadores fundada em 1836 por 
artesão alemães emigrados na Inglaterra, o panfleto tinha como 
objetivo conscientizar os trabalhadores de sua condição e da força 
de sua união. 
É um livro escrito com ideias revolucionárias referentes ao 
comunismo e à revolta contra a acumulação de capital e 
exploração demasiada do trabalho do proletário. Apresenta as 
ideias para essa revolução com o objetivo de promover a equidade 
social e a extinção do capitalismo como forma opressora sobre a 
classe não dominante (proletariado). Apresenta todo o contexto 
histórico relacionado com a origem da burguesia, do capital e 
como tudo isso afeta na sociedade, promovendo a desigualdade. 
O manifesto começa com a frase “A história de toda 
sociedade até os nossos dias é a história da luta de classes”. 
13 
 
❖ INTRODUÇÃO 
Anda pela Europa um “fantasma”, o Comunismo. Este está a 
ser perseguido por todas as milícias policiais políticas, como os 
alemães e os radicais franceses. Com isto, os comunistas de 
diversas nacionalidades decidiram mostrar ao mundo os seus 
objetivos e a sua ideologia, reunindo-se então em Londres. 
❖ CAPÍTULO 1 – BURGUESES E PROLETÁRIOS 
O capítulo 1 começa com a frase “A história de toda a 
sociedade até aqui é a história da luta de classes.”. Este capítulo 
pretende enfatizar as diferenças entre o proletariado e a burguesia 
e mostrar que é necessária uma “revolta” por parte do proletariado 
para se afirmar. Critica a burguesia, por ter “destruído todas as 
relações feudais, patriarcais, idílicas”, por só se focar na parte 
monetária, acusa-a de “roubar” o campo para a cidade. Considera 
que os proletários serão os que trarão as “armas que trarão a 
morte”. 
O manifesto queria mostrar que as classes menos 
favorecidas como: desempregados, mendigos, bandidos, etc., 
eram absurdamente menosprezadas, como se não fizessem parte 
da sociedade em que viviam. 
 
 
14 
 
❖ CAPÍTULO 2 – PROLETÁRIOS E COMUNISTAS 
Diferenças entre o comunismo e os outros partidos 
proletários: 
1. Fazem valer os interesses comuns do proletariado, 
independentemente da nacionalidade; 
2. Nos diversos estádios de desenvolvimento entre as 
lutas de classes, demonstra sempre interesse pelo 
movimento total. 
O comunismo pretendia, ao contrário dos outros partidos, 
eliminar a propriedade burguesa, através da SUPRESSÃO DA 
PROPRIEDADE PRIVADA. Acreditava que a burguesia 
desaparecia com o desaparecimento do capital, que era a sua 
subsistência, e uma das maneiras de o fazer era através da 
abolição da propriedade privada. 
O burguês vê na mulher um instrumento de produção, 
explorando-o comunitariamente. 
Os operários são considerados “sem pátria”, porque não têm 
classe nacional, são considerados uns NADA. 
Este capítulo abordou a relação entre os partidos e os proletários e visava mostrar 
pontos que eles tinham em comum, como por exemplo a queda da superioridade 
dos burgueses e a transferência do poder político ao proletariado. 
15 
 
O primeiro passo da revolução operária é a evolução do 
proletariado a CLASSE DOMINANTE . 
Lista de como aplicar o comunismo na sociedade: 
1. Expropriação da propriedade fundiária e 
emprego das rendas fundiárias para despesas do 
Estado. 
2. Pesado imposto progressivo. 
3. Abolição do direito de herança. 
4. Confiscação da propriedade de todos os 
emigrantes e rebeldes. 
5. Centralização do crédito nas mãos do Estado, 
através de um banco nacional com capital de 
Estado e monopólio exclusivo. 
6. Centralização do sistema de transportes nas mãos 
do Estado. 
7. Multiplicação das fábricas nacionais, dos 
instrumentos de produção, arroteamento e 
melhoramento dos terrenos de acordo com um 
plano comunitário. 
8. Obrigatoriedade do trabalho para todos, 
instituição de exércitos industriais, em especial 
para a agricultura. 
16 
 
9. Unificação da exploração da agricultura e da 
indústria, atuação com vista à eliminação gradual 
da diferença entre cidade e campo. 
10. Educação pública e gratuita de todas as 
crianças. Eliminação do trabalho das crianças nas 
fábricas na sua forma hodierna. 
Para o lugar da velha sociedade burguesa com as suas 
classes e oposições de classes, entraria uma associação em que o 
livre desenvolvimento de cada um é a condição para o livre 
desenvolvimento de todos. 
 
 
17 
 
❖ CAPÍTULO 3 – LITERATURA SOCIALISTA E 
COMUNISTA 
I. O SOCIALISMO REACCIONÁRIO 
a) O socialismo feudal 
O socialismo feudal baseia-se na troca comum, 
considerando que era desonroso para a classe operária, que 
trocava o nada que tinha por alimentos para subsistência. Assim, 
mostrava-se que os socialistas feudais tinham um ponto de vista 
burguês. 
b) O socialismo pequeno-burguês 
O pequeno campesinato foi o percursor da burguesia 
moderna. 
Nos países desenvolvidos, formou-se uma pequena ordem 
burguesa, que se situa entre o proletariado e a burguesia, que 
Marx e Engels observam que em breve se irá dissipar e será 
substituída nos setores comerciais. 
A formação do socialismo pequeno-burguês provém dos 
países mais desenvolvidos, como a França, em que os 
camponeses enriqueceram. 
Segundo os autores, demonstrou os efeitos negativos da 
divisão do trabalho, da concentração de capitais, da repartição da 
riqueza. 
 
18 
 
Pelo lado positivo, quer restabelecer os velhos meios de 
produção, tendo um carácter REACIONÁRIO (tinha caráter de 
reforma, mas não de revolução). 
 
c) O socialismo alemão ou “verdadeiro” 
A literatura socialista e comunista da França implementou-
se na Alemanha numa altura em que a burguesia lutava contra o 
absolutismo feudal. 
Assim, na Alemanha defendia-se, ao invés das necessidades 
verdadeiras, a necessidade da verdade e, em vez do interesse do 
proletário, o interesse da essência humana e do homem por si. Foi 
então oferecido ao socialismo alemão a oportunidade de triunfar 
contra o liberalismo, o direito burguês e o crescimento deste. 
 
 
 
 
 
 
“Sistema corporativo na manufatura e economia patriarcal no campo (…).”. 
19 
 
II. O SOCIALISMO CONSERVADOR OU 
BURGUÊS 
As designações Socialismo Conservador

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.