PERÍODO DA ORGANOGÊSE
10 pág.

PERÍODO DA ORGANOGÊSE


DisciplinaEmbriologia Comparada38 materiais478 seguidores
Pré-visualização2 páginas
David Balbino Pascoal \u2013 Medicina P1			10/05/18
			PERÍODO DA ORGANOGÊSE
TODAS AS ESTRUTURAS INTERNAS E EXTERNAS SE ESTABELECEM DA 4ª A 8ª SEMANA;
No final desse período, os principais sistemas de órgãos já começaram a se desenvolver, porém, com funcionalidade mínima com exceção do cardiovascular;
Durante esse período, tecidos e órgãos se diferenciam rapidamente e, por esse motivo, a exposição a agente teratogênicos pode acarretar em graves anomalias congênitas.
Fases do Desenvolvimento Embrionário:
Dividido em 3 fases que apresentam uma certa ligação:
Crescimento: divisões celulares e elaboração de produtos celulares;
Morfogênese: Desenvolvimento da forma, do tamanho ou de outras características de um órgão em particular ou parte do corpo. Interações complexas em uma sequência ordenada. O movimento das células possibilita a elas interagir umas com as outras durante a formação dos tecidos e órgãos;
Diferenciação: Maturação dos processos fisiológicos. O término da diferenciação resulta na formação de tecidos e órgãos capazes de executar ações específicas;
DOBRAMENTO DO EMBRIÃO:
Um importante acontecimento no estabelecimento da forma do corpo é o dobramento do disco trilaminar plano em um embrião mais ou menos cilíndrico.
Decorrente do rápido crescimento do embrião.
A velocidade do crescimento lateral do disco embrionário não acompanha o ritmo de crescimento do eixo maior.
Dobramento no plano: mediano e horizontal. Ocorrem simultaneamente.
Acarreta numa constrição da junção do embrião com o saco vitelínico.
Dobramento do Embrião no Plano Mediano:	
O dobramento ventral do embrião produz as pregas cefálica e caudal (ou podálica) que, por sua vez, levam a região cefálica e caudal a se deslocarem ventralmente enquanto o embrião se alonga cefalicamente e caudalmente. 
Prega Cefálica:
No início da 4ª semana, as pregas neurais da região cefálica tornam-se mais espessas.
Primórdio do encéfalo se projeta dorsalmente para cavidade amniótica.
O mesmo, cresce em direção cefálica além da membrana bucofaríngea e coloca-se sobre o coração em desenvolvimento.Secção ventral da parte cefálica
Enquanto isso, septo transverso, o coração primitivo, o celoma pericárdico e a membrana bucofaríngea se deslocam para superfície ventral do embrião.
Durante o dobramento longitudinal, parte do endoderma é incorporado ao embrião formando o intestino anterior.
Primórdio da faringe, esófago, traqueia
Situado entre o encéfalo e o coração.
Membrana bucofaríngea separa o intestino anterior do estomodeu (figura C acima).
Septo transverso situa-se caudalmente ao coração que dará origem ao tendão central do diafragma.
Dobramento influencia a formação do celoma embrionário (cavidades do corpo).
Antes do dobramento o celoma é uma cavidade achatada em forma de ferradura (figura A1), depois, o celoma pericárdico (Moore fala assim sem explicar a mudança) situa-se ventralmente ao coração e cefalicamente ao septo transverso (figura C de na horizontal).
Prega Caudal:
Crescimento da parte distal do tubo neural (primórdio da medula espinhal);
Eminência caudal (região da cauda) se projeta sobre a membrana cloacal (anus).
Com o dobramento, parte da endoderme é incorporada ao embrião formando o intestino posterior.
Futuro cólon descendente.
A porção terminal do intestino posterior se dilata e forma a cloaca.	
Primórdio da bexiga e do reto.
Antes do dobramento, a linha primitiva situa-se cranialmente a membrana cloacal, depois, ela assume uma posição caudal; 
 
O pedículo do embrião (primórdio do cordão umbilical) prende-se à superfície ventral do embrião.
Alantoide parcialmente incorporada ao embrião.
Dobramento do Embrião no Plano Horizontal (meio que cortando o saco vitelínico):
Formação das pregas laterais direita e esquerda;
Resultado do rápido crescimento da medula espinhal e dos somitos;
Primórdios das paredes ventrolateral dobram-se em direção ao plano mediano;
Formação de um embrião grosseiramente cilíndrico.
Com a formação das paredes abdominais parte da endoderme é DE NOVO incorporada ao embrião, formando o intestino médio.
Primórdio do intestino delgado.
Inicialmente, ampla ligação do intestino médio com o 	saco vitelínico. Depois do dobramento lateral, essa comunicação é reduzida formando o pedículo vitelino. 
A região de ligação do âmnio com a superfície ventral do 
embrião fica reduzida a uma região umbilical relativamente 
estreita.
Com a transformação do pedículo em cordão umbilical, a fusão VENTRAL das pregas laterais reduz a região de comunicação entre as cavidades celômicas intraembrionárias e extraembrionária a uma comunicação estreita (figura C3).
A medida que a cavidade amniótica se expande e oblitera a maior parte do celoma extraembrionário, o âmnio passa a formar o revestimento do cordão umbilical.
ORIGEM A PARTIR DAS CAMADAS: 
 Desenho de um embrião de 26 a 27 dias depois do dobramento, mostrando a cavidade pericárdica, ventralmente, os canais pericardioperitoniais dispostos dorsalmente em ambos os lados do intestino anterior e o celoma intra-embrionário 
Vista lateral de um embrião de 24 a 25 dias durante o dobramento, mostrando o grande encéfalo anterior, a posição ventral do coração e a comunicação entre as partes intra-embrionárias e extra-embrionários.
CONTROLE DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO
Induções: interações que levam a mudanças no curso do desenvolvimento de pelo menos um dos interagentes.
Desenvolvimento dos olhos: Acredita-se que a vesícula ótica induza o ectoderma da superfície da cabeça a se diferenciar no cristalino.
Se a vesícula for removida e colocada em associação com ectoderma de uma superfície que não seja do desenvolvimento do olho, é possível induzir a formação do cristalino.
O fato de um tecido poder influenciar a via de desenvolvimento adotada por outro tecido pressupõe a passagem de um sinal entre os dois integrantes
PRINCIPAIS EVENTOS: 
Tronco e pescoço começam a se endireitar e o intestino penetra no celoma extra. Ocorre porque a cavidade abdominal é muito pequena para o rápido crescimento do intestino.
4 a 5 dias após os superiores
 
ESTIMATIVA DA IDADE:
Características externas e medida do comprimento.
Isoladamente o comprimento não é determinável porque a velocidade de crescimento de alguns embriões diminui próximo a morte.
Aparência de membros é bastante útil.
Embriões entre 3 e 4 semanas tem seu comprimento máximo, por serem quase retos.
Comprimento sentado (cabeça-nádega) (crown-rump) é usada frequentemente nos mais velhos.
Considera-se o maior comprimento por não ter determinação exata.
Com 8 semanas, é usada a altura, de pé, do calcanhar a cabeça.
Sistema Carnegie de Estagiamento de Embriões é o usado internacionalmente e permite fazer comparações entre achados.
RESUMO 4ª A 8ª SEMANA
(PARA FICAR REPETITIVO MESMO)
No início da 4ª semana, os dobramentos laterais e ventrais convertem o disco trilaminar achatado em um embrião cilíndrico em formato de C.
A formação da cabeça, da eminência caudal e das pregas laterais é uma sequência contínua de eventos que resulta em uma constrição entre o embrião e o saco vitelínico.
Com o dobramento ventral, parte da endoderme da região cefálica é incorporada para formar o intestino anterior e deslocar a membrana bucofaríngea e o coração para região ventral.
Com o dobramento caudal, parte da endoderme dessa região é incorporada para formar o intestino posterior. Depois, a parte final desse intestino se expande para formar a cloaca. Resultando, conjuntamente, no deslocamento da membrana cloacal, do alantoide e do pedículo do embrião para a superfície ventral.
No dobramento lateral, parte do endoderma dessa região também é incorporado para formação do intestino médio.
Durante o lateral, formam-se os primórdios das paredes lateral e ventral do corpo. Âmnio envolve se expande e envolve o pedículo do embrião, o pedículo vitelínico, e o alantoide formando-se o revestimento