regeneração neural - artigo para tratamento
6 pág.

regeneração neural - artigo para tratamento


DisciplinaNeurologia2.910 materiais9.837 seguidores
Pré-visualização4 páginas
exercícios faciais,
exercícios isométricos, cinesioterapia ativo assistida,
método Kabat, acupuntura, ventosa, infravermelho,
TENS, FES e eletroacupuntura.
A EHB foi o método de avaliação mais usado
dentre os artigos incluídos nessa pesquisa, onde cinco
deles16,12,17,21,19 utilizaram a referida escala para graduar
o nível de lesão da paralisia do nervo facial;
eletroneuromiografia, presente em 3 artigos12,17,21, e os
demais métodos avaliativos foram usados apenas em
um artigo (Mensurações do Ângulo da Comissura Labial
- ACL) e vídeos)16. Apenas um artigo utilizou
questionário para avaliar os fatores psicossociais
relacionados à função neuromuscular, fazendo uso do
Índice de Inabilidade Facial (IIF)20.
Vários estudos já foram realizados para se
avaliar os efeitos da utilização da FES na PFP,
acreditando que esse recurso é responsável pelo
surgimento de sequelas5,17. Outros pesquisadores
afirmam que a FES, quando usada corretamente, é capaz
de retardar o processo de fibrose, minimizar a hipertrofia
muscular além de acelerar o processo de reinervação8.
Um estudo incluso no presente recrutamento, feito no
ano de 200812 afirma que a utilização de estímulos
elétricos melhora a condução nervosa facial e diminui o
comprometimento de resíduos clínicos causados pela
PFP. Diante disso, a partir deste levantamento, observou-
se que tal recurso foi o mais utilizado como forma de
tratamento eletroterapêutico e que não houve relatos
de sequelas correlacionadas. Com relação ao objetivo e
parâmetros, os mesmos autores12 introduziram a FES no
seu tratamento com o objetivo de melhorar o tônus
muscular e controle voluntário, além de obter efeito
benéfico sobre o fluxo sanguíneo periférico, utilizando
frequência de 20Hz e duração de pulso 100ìs, o que
difere dos parâmetros adotados por outros
pesquisadores18, são eles: frequência 50Hz e duração
de pulso 250ìs. Ainda neste mesmo estudo, para
aperfeiçoar o tratamento, fez-se uso do infravermelho
(calor superficial) promovendo aumento da circulação
local, relaxamento e maior extensibilidade de tecidos
moles.
 Entretanto, fora encontrada outra pesquisa
que fez uso de frequência similar ao trabalho descrito
anteriormente, com duração de pulso de 120ìs17. Diante
disso, a largura de pulso diferiu nos três artigos que
utilizaram a FES como tratamento.
Houve ainda um trabalho que se utilizou a cama
magnética aplicada num tecido pulsado para também
favorecer a vasodilatação, além de promover efeitos
analgésicos e anti-inflamatórios nos nervos presos e as
polineuropatias sensitivas19.
O efeito analgésico também foi obtido com a
TENS4. O laser, por sua vez, mostra seu efeito anti-
inflamatório vascular e de regeneração nervosa19,22. Foi
ressaltado que o laser gera aumento da amplitude dos
potenciais de ação e a capacidade de aceleração de
regeneração de estruturas nervosas, de acordo com a
seguinte forma de utilização (ponto a ponto, com 2 J/
cm², no modo varredura com 1 J/cm², comprimento de
onda 635nm e 50 mW) 22, sendo um pouco diferente do
um outro estudo, que usou laser pontual (14 J/cm², 40
mw, 670 nm)19.
Fora visto, também, um estudo que revelou a
utilização da eletroacupuntura para o tratamento da PFP
através dos pontos ipsilateral e bilateralmente, com o
objetivo de promover estimulação através da onda de
luz e induzir uma ligeira contração muscular23.
Diferentemente, de um outro trabalho que também fez
uso da acupuntura com a finalidade de harmonizar o
\u201cQi\u201d (de acordo com a medicina chinesa, é uma energia
não física dos dois hemicorpos)21.
Todos os artigos incluídos nesta pesquisa
ressaltaram que o acometimento da PFP ultrapassa o
limite da doença física, levando a um comprometimento
psicológico e social. Um deles inseriu uma abordagem
sobre as várias dimensões da PFP, incluindo o físico,
emocional e social e incentivando funções faciais
específicas, estratégias positivas e habilidades de
SOUZA et al.
320 R bras ci Saúde 19(4):315-320, 2015
interações sociais. Para isso, lançou mão da terapia
cognitiva- comportamental associada com o treinamento
funcional com o objetivo de mudar o comportamento
do paciente, fazendo uso de filmes, programas de
televisão ou vídeos engraçados, relatando ao
fisioterapeuta e aumentando o tempo de conversa
durante as sessões do tratamento, e em casa, para
incentivar a expressão das emoções num contexto real.
De modo geral, esse estudo incorporou na sua
intervenção os principais movimentos funcionais da
face, incluindo a expressão de emoções e outras funções
motoras, em atividades diárias do paciente20.
CONCLUSÃO
Conclui-se que existem vários métodos de
tratamento para a PFP, o que difere é a combinação ou o
uso isolado dos recursos e técnicas. Esta pesquisa
também revelou que tratamentos fisioterapêuticos
através de recursos mecânicos, eletrotermofoto-
terapêuticos, manuais, cinesioterapêuticos e a terapia
cognitiva-comportamental são benéficos.
Observou-se que os métodos e recursos
fisioterapêuticos mais usados na reabilitação da PFP
são: massagem como recurso manual, Kabat como
método cinesioterapêutico e a FES, como recurso
eletroterapêutico.
Por outro lado, embora se tenham muitos
estudos que apresentem benefícios, ainda há
necessidades de serem realizados outros estudos
controlados randomizados, para obtenção de parâmetros
precisos de acordo com cada recurso, reduzindo o risco
de instalação de sequelas, melhorando assim a
intervenção fisioterapêutica.
REFERÊNCIAS
1. Kataye S. La paralysie faciale selon Avicenna. Act. Ann Oto-
Laryngol.1975; 92(1-2):79-82.
2. Jongkees LBW. Bemerkungen zur Geschichte der
Fazialischirurgie. HNO.1979; 27(10):325-333.
3. Resende LAL, Weber S. Peripheral facial palsy in the past.
Acta. Arq Neuropsiquiatr.2008; 66(3):765-769.
4. Garanhani MR, Cardoso JR, Capelli AMG, Ribeiro MC.
Fisioterapia na paralisia facial periférica: estudo retrospectivo.
Acta. Rev Bras. Otorrinolaringolia.2007; 7(3):5-112.
5. Valença MM, Valença LPAA, Lima MCM. Idiopathic facial paralysis
(Bell´ s palsy): a study of 180 patients. Acta. Arq. Neuro-
Psiquiatr.2001; 59(3):733-739.
6. Vanswearingen JM, Brach JS. Changes in facial movement and
synkinesis with facial neuromuscular reeducation. Acta.
Department of Physical Therapy, School of Health and
Rehabilitation Sciences, University.2003; 11(7):2370-2375.
7. Peitersen E. Bell´s Palsy: the spontaneous course of 2,500
peripheral facial nerve palsies of different etiologies. Acta.
Oto-Laryngologica.2002; 122(7):4-30.
8. Veloso F, Maiumi F, Osmar C. Fisioterapia Neurofuncional:
fundamentos para a prática. São Paulo \u2013 SP Editora São Paulo,
2007.
9. Becker AH. Fisioterapia em Neurologia. Vila Maria São Paulo \u2013
SP Editora Santos, 2008.
10. Medeiros FRG. Cinesioterapia Neurológica Clássica
Esquematizada. Natal \u2013 RN GM Edictor;2013.
11. Chevalier AM. Rééducation des paralysies faciales centrales
et périphériques. Acta. Encycl. Méd. Chir. (Elsevier, Paris-
France), Kinésithérapie- Médecine Physique-Réadaptation. 2003;
16(10):426-463.
12. Hyvärinen A, Tarkka IM, Mervaala E, Pääkkönen A, Valtonen H,
Nuutinen J. Cutaneous electrical stimulation treatment in
unresolved facial nerve paralysis. Acta.
Phys.Med.Rehabil.2008; 87(12):992-997.
13. Moran CJ, Neely JGMD. Patterns of facial synkinesis.
Laryngoscope.1996; 106(12):1491-1496.
14. Kanaya K, Ushio M, Kondo K, Hagisawa M, Suzukawa K;
Yamaguchi T, Tojima H, Suzuki M, Yamasoba T. Recovery of
facial movement and facial synkinesis in Bell\u2019s palsy patients.
Acta. Otology & Neurotology.2009; 30(5):640-644.
15. Wentz M. et al. Fisioterapia Aspecto clínicos e práticos da
reabilitação. São Paulo: Editora Artes Médicas; 2010.
16. Tessitore A, Paschoal JR, Pfeilsticker LN. Avaliação de um
Protocolo da Reabilitação Orofacial na Paralisia Facial Periférica.
Acta. Rev CEFAC.2009; 11(3):432-440.
17. Furtado RM, Formiga CKMR. Prognóstico