Manual de Licitação em Contratos TCU
270 pág.

Manual de Licitação em Contratos TCU


DisciplinaDireito Administrativo IV484 materiais1.277 seguidores
Pré-visualização50 páginas
11ª edição, 
editora Dialética, 2005, pág. 553: \u201cOs reajustes contratuais, destinados a 
neutralizar os efeitos da desvalorização da moeda, não refletem alteração 
do valor real da contratação (tal como expressamente afirmado no § 8º do 
próprio art. 65). Ou seja, o valor reajustado do contrato é equivalente, durante 
a sua execução, ao valor original pactuado. Não há elevação de riqueza, mas 
apenas a modificação das unidades monetárias para compensar os efeitos da 
desvalorização inflacionária. Esses fundamentos conduziram a Lei a prever que 
717
Licitações e Contratos - Orientações e Jurisprudência do TCU
o limite de modificação seria calculado em vista do \u201cvalor inicial atualizado do 
contrato\u201d. Daí se seguem dois efeitos jurídicos relevantes. Em primeiro lugar, 
os valores, produto de simples reajuste monetário, não são computados como 
alteração do contrato para efeito de aplicação do limite de 25 % previstos no 
art. 65, § 1º. (...) A revisão dos preços (destinada a assegurar a manutenção da 
identidade da equação econômico-financeira) não altera a relação original 
entre encargos e vantagens, ainda que se possa produzir modificações 
significativas na avença. Não há limite a alterações derivadas da revisão de 
preços. Assim, por exemplo, suponha-se hipótese de elevação imprevisível ou 
de efeitos incalculáveis quanto ao custo de um insumo. Suponha-se contrato 
de prestação de serviços que envolva o consumo de combustível derivado de 
petróleo. Imagine que uma crise internacional produza a elevação do insumo 
em 60 %, o que se traduz na necessidade de revisão de preços em 30 %. A 
regra do art. 65, § 1º, da Lei n.º 8.666 não será aplicada neste caso porque sua 
destinação é diversa. Não visa a dispor sobre a tutela à equação econômico-
financeira, mas a restringir as escolhas discricionárias da Administração no 
tocante à modificação de contratos\u201d.
Outro detalhe importante é que o inciso xI do art. 40 da LLC determina que 
o critério de reajuste contratual, admitida a adoção de índices específicos ou 
setoriais, deverá ser obrigatoriamente indicado no edital e, em conseqüência, 
no contrato (art. 55, inciso III). No contrato em exame, não foi fixada a forma 
pela qual seriam realizados os reajustes. Foi apenas disciplinada a forma de 
revisão dos preços (fl. 490, vol. 4).
Acórdão 3040/2008 Primeira Câmara (Relatório do Ministro Relator)
Estabeleça como prática na elaboração de cláusulas contratuais que tratem 
de reajuste de preços, índices que reflitam a variação efetiva do custo do 
fornecimento de bens ou serviços, ou a adoção de índices específicos que 
apresentem pertinência com estes, deixando patente desde a fase de licitação 
qual será o índice a ser utilizado para efeito de reajuste, de acordo com o que 
estabelece o art. 40, inciso xI, da Lei nº 8.666/1993.
Acórdão 2123/2006 Primeira Câmara
Solicite ao contratado comprovação do aumento de custos que justifique o 
reajuste de preços.
Acórdão 2047/2006 Primeira Câmara
Passe a adotar índices de reajustamento de preços condizentes com o objeto 
a ser executado, de forma que reflita o mais próximo possível a variação dos 
preços dos insumos que o compõem, em obediência ao que reza o art. 40, 
inciso xI, da Lei nº 8.666/1993.
Acórdão 2028/2006 Primeira Câmara
Tribunal de Contas da União
718
Não se justifica a concessão do reajuste de mão-de-obra, ainda que previsto 
no contrato, concomitantemente com o reequilíbrio econômico-financeiro, 
também com base na variação dos custos da mão-de-obra.
Acórdão 888/2005 Primeira Câmara (Voto do Ministro Relator)
Estabeleça nos editais de licitação, nas contratações de serviços continuados, se 
a periodicidade dos reajustes terá como base a data-limite para apresentação 
da proposta ou a data do orçamento.
Acórdão 3294/2009 Segunda Câmara 
Quanto ao índice de reajuste do contrato, entendo que a TR não é cabível, 
acompanhando o raciocínio inscrito em decisão do Supremo Tribunal Federal, 
a Adin n.º 493/DF, no sentido de que \u201cA taxa referencial (TR) não e índice de 
correção monetária, pois, refletindo as variações do custo primário da captação 
dos depósitos a prazo fixo, não constitui índice que reflita a variação do poder 
aquisitivo da moeda\u201d. No entanto, deixo de anuir à sua proposta quanto à 
modificação da minuta de contrato referente à licitação em análise, tendo em 
vista as assinaturas dos termos definitivos, ocorridas em 30/4/2008. Cabe, no 
entanto, determinar (...) que, em caso de prorrogação dos contratos assinados, 
negocie com as empresas contratadas no sentido de que passe a ser adotado 
índice de atualização monetária válido.
Acórdão 2075/2009 Segunda Câmara (Voto do Ministro Relator)
Indique no termo aditivo os valores mensal e anual do contrato, ao proceder 
reajustes, repactuações ou alterações de valor nos contratos administrativos, 
e apresente os demonstrativos devidos, juntando o memorial de cálculo ao 
processo, em atendimento ao princípio da clareza.
Acórdão 291/2009 Segunda Câmara 
Abstenha-se de conceder reajustes pleiteados com base em eventual aumento 
de salário, salvo se decorrido prazo mínimo de um ano contado a partir da 
apresentação da proposta ou da data do orçamento a que a proposta se referir, 
sendo que, nessa última hipótese, considera-se como data do orçamento a 
data do acordo, convenção, dissídio coletivo de trabalho ou equivalente que 
estipular o salário vigente à época da apresentação da proposta.
Acórdão 818/2008 Segunda Câmara 
Atualmente a matéria (reajuste) é regulada pela Lei nº 10.192/2001, resultante 
da conversão da Medida Provisória nº 1.171/1995, cujo diploma legal, em seu 
artigo 3º, parágrafo 1º, estabelece que a periodicidade anual do reajuste dos 
719
Licitações e Contratos - Orientações e Jurisprudência do TCU
contratos em que seja parte a Administração Pública, direta ou indireta, será 
contada a partir da data limite fixada para a apresentação da proposta ou do 
orçamento a que essa se referir.
Decisão 290/2002 Segunda Câmara (Proposta de Decisão)
É necessário distinguir, portanto, os conceitos de reajuste e recomposição 
de preços. Sob um certo ângulo, esta última expressão indica gênero, de 
que aquela configura espécie. A recomposição de preços é o procedimento 
destinado a avaliar a ocorrência de evento que afeta a equação econômico-
financeira do contrato e promove adequação das cláusulas contratuais aos 
parâmetros necessários para recompor o equilíbrio original. Já o reajuste é 
procedimento automático, em que a recomposição se produz sempre que 
ocorra a variação de certos índices, independente de averiguação efetiva do 
desequilíbrio. Já a recomposição pressupõe a apuração real dos fatos e exige 
comprovação acerca de todos os detalhes relacionados com a contratação e 
os fatos supervenientes a ela.
O que se afirma é a garantia constitucional da manutenção do equilíbrio 
econômico financeiro do contrato administrativo. Deve reputar-se que, 
ocorrendo elevação de custos não retratada pelo índice de atualização ou de 
reajuste adotado contratualmente, o particular tem direito à recomposição 
de preços.
Acórdão 54/2002 Segunda Câmara (Voto do Ministro Relator)
Consulte também as Decisões: Plenário: 425/2002, 698/2000, 457/1995; os 
Acórdãos: Plenário: 1828/2008, 2034/2006, 1941/2006, 1374/2006, 554/2005, 
1563/2004, 1400/2004, 1047/2003, 1550/2006 (Relação).
Repactuação
Repactuação é forma de negociação entre a Administração e o contratado, 
prevista no art. 5º do Decreto nº 2.271, de 7 de julho de 1997, que visa à adequação 
dos preços contratuais aos novos preços de mercado.
Nas hipóteses de repactuação, devem ser 
observadas também as disposições da Instrução 
Normativa nº 02,