Resumo Lei de Responsabilidade Fiscal
103 pág.

Resumo Lei de Responsabilidade Fiscal


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.930 materiais16.569 seguidores
Pré-visualização26 páginas
deficitárias. 
FALSO. Não é que tenha proibido , ela apenas dificultou. Mas se houver lei especifico pode socorrer sim
Q346520 O BACEN está autorizado a conceder financiamento para mudança de controle acionário de instituição do sistema financeiro nacional. 
FALSO. Se não houver lei específica, AINDA QUE mediante a concessão de empréstimos de recuperação ou financiamento para mudança de controle acionário NÃO poderá ser utilizado recurso público.
§ 1o A prevenção de insolvência e outros riscos ficará a cargo de FUNDOS, e outros mecanismos, constituídos pelas instituições do Sistema Financeiro Nacional, na forma da lei.
§ 2o O disposto no caput NÃO PROÍBE o Banco Central do Brasil de conceder às instituições financeiras operações de redesconto e de empréstimos de prazo inferior a 360 dias.
Q346520 Ao BACEN não é vedada a concessão de empréstimos com prazo inferior a trezentos e sessenta dias às instituições financeiras. 
DIVIDAS
Lei 4320: 
Art. 92. A dívida flutuante compreende:
I - os restos a pagar, excluídos os serviços da dívida;
II - os serviços da dívida a pagar;
III - os depósitos;
IV - os débitos de tesouraria.
Art. 98. A dívida fundada compreende os compromissos de exigibilidade superior a 12 meses, contraídos para atender a desequilíbrio orçamentário ou a financeiro de obras e serviços públicos.  
Parágrafo único. A dívida fundada será escriturada com individuação e especificações que permitam verificar, a qualquer momento, a posição dos empréstimos, bem como os respectivos serviços de amortização e juros.
Q369378 Uma operação de crédito que tenha sido realizada em novembro de determinado ano, com previsão para pagamento das prestações em seis meses a partir de dezembro do mesmo ano, estará excluída da dívida consolidada da União no exercício seguinte.
Deu como CORRETO. Não teve nenhum comentário convincente, mas acredito que no ANO da contração da dívida ela entrava como dívida consolidada, mas as parcelas a vencer no próximo ano, na virada do ano, seriam considerados RP, então integrariam a dívida flutuante.
Comentaram: No corrente ano ela será Serviços da Dívida, ou seja, dívida Consolidada/Fundada, mas ao passar para o ano seguinte converter-se-á em Serviços da Dívida a Pagar (equivalente a restos a pagar) e migrará para dívida flutuante. Tais passivos, originalmente, não são dívidas flutuantes, correspondem a valores registrados na dívida fundada que, por ocasião da falta de pagamento, são transferidos para a dívida flutuante (passivo financeiro) no ano seguinte
 Art. 29. Para os efeitos desta Lei Complementar, são adotadas as seguintes definições:
I - Dívida pública Consolidada ou Fundada: montante total, apurado sem duplicidade, DAS OBRIGAÇÕES FINANCEIRAS do ente da Federação, assumidas em virtude de leis, contratos, convênios ou tratados e da realização de operações de crédito, para amortização em prazo superior a 12 meses;
DICA: Le con con trat oc (Lei , contrato , convenio , tratado , operação de credito superior 12 meses)
- DÍVIDA CONSOLIDADA LÍQUIDA: Dívida pública consolidada deduzidas as disponibilidades de caixa, as aplicações financeiras e os demais haveres financeiros.
Q350863 Um conceito fundamental no que se refere a endividamento é o de dívida consolidada líquida, que é o montante total das obrigações financeiras do estado deduzidas as disponibilidades de caixa, as aplicações financeiras e os demais haveres financeiros.
Q642791 Se determinado ente da Federação assinar contrato de adimplência de obrigação financeira ou contratual assumida por entidade vinculada a este ente, a operação deverá ser incluída no montante da dívida pública consolidada
CORRETO. Contrato é contrato, acho que não importa com quem você celebrar, se é contrato entra na dívida consolidada.
Q578117 Se determinado órgão público assinar contrato de empréstimo contraído para atender a desequilíbrio financeiro em obras na sua sede, a parcela correspondente aos juros da operação constituirá dívida flutuante, ao passo que o principal da dívida dependerá do prazo de pagamento previsto no contrato, para efeito de classificação como dívida fundada
CORRETO. Trata-se de uma obrigação financeira assumida em virtude de CONTRATO. O principal da dívida depende:
I) se for para amortizar em menos de 12 meses é flutuante, mais de 12 meses é fundada. 
II) Mas os JUROS da dívida é sempre dívida flutuante, é o famoso \u201cserviços da dívida a pagar\u201d
§ 2o Será incluída na dívida pública consolidada DA UNIÃO a relativa à emissão de títulos de responsabilidade do Banco Central do Brasil.
Q420915 A emissão de títulos de responsabilidade do Banco do Brasil S. A. será incluída na dívida pública consolidada da União
FALSO. PEGADINHA: SÃO os títulos do BACEN que integram a dívida pública consolidada da União e não do Banco do Brasil.
§ 7o Os precatórios judiciais NÃO PAGOS durante a execução do orçamento em que houverem sido incluídos integram a dívida consolidada, para fins de aplicação dos limites.
Q314210 Um estado da federação incluiu no seu orçamento de 2011 precatórios judiciais de R$ 10 milhões, dos quais 25% foram pagos naquele exercício financeiro. Nessa situação, a parcela não paga integra a chamada dívida flutuante, para fins de aferição dos limites de endividamento
FALSO. Precatório NÃO PAGOS no exercício em que foram inscritos integram a dívida CONSOLIDADA para fins de aferição dos limites.
§ 3o Também integram a dívida pública consolidada as operações de crédito de prazo inferior a 12 meses cujas receitas tenham constado do orçamento.
CUIDADO: Via de regra somente operação de crédito para amortizar em mais de 12 meses integra a dívida consolidada, mas ai se for para amortizar em menos de 12 meses E CUJA RECEITA CONSTOU do orçamento, ai ela vai para a fundada. Isso é igual a dizer que ARO NÃO ENTRA, pois ARO NÃO CONSTA do orçamento. 
Q840700 Operação de crédito com prazo inferior a doze meses realizada por ente da Federação será excluída da dívida pública consolidada.
FALSO. Vai depender: se a receita dessa operação foi registrada na LOA ela ENTRA SIM na dívida consolidada. Mas se não foi registrada na LOA (é uma ARO) ela fica na dívida flutuante.
II - DÍVIDA PÚBLICA MOBILIÁRIA: dívida pública representada por títulos emitidos pela União, inclusive os do Banco Central do Brasil, Estados e Municípios;
§ 4o O refinanciamento DO PRINCIPAL da dívida mobiliária não excederá, ao término de cada exercício financeiro, o montante do final do exercício anterior, somado ao das operações de crédito autorizadas no orçamento para este efeito e efetivamente realizadas, acrescido de atualização monetária.
Q526412 Se a União celebrar convênio com obrigações financeiras, o montante dessas obrigações fará parte de sua dívida pública mobiliária, juntamente com os títulos que ela tiver emitido.
FALSO. A mobiliária é fácil porque SÓ INCLUI TÍTULOS emitido pela União, inclusive os do BCB, estados e municípios. Tudo que for OBRIGAÇÃO FINANCEIRA é dívida consolidada.
CUIDADO: Geralmente emissão de títulos é dívida MOBILIÁRIA. 
I) Títulos emitidos pela união, inclusive os do BCB = mobiliária
II) Títulos emitidos de RESPONSABILIDADE do BCB = consolidada da união.
§ 2o Será incluída na dívida pública consolidada DA UNIÃO a relativa à emissão de títulos de responsabilidade do Banco Central do Brasil.
III - operação de crédito: compromisso financeiro assumido em razão de mútuo, abertura de crédito, emissão e aceite de título, aquisição financiada de bens, recebimento antecipado de valores provenientes da venda a termo de bens e serviços, arrendamento mercantil e outras operações assemelhadas, inclusive com o uso de derivativos financeiros;
§ 1o Equipara-se a operação de crédito a assunção, o reconhecimento ou a confissão de dívidas pelo ente da Federação, sem prejuízo do cumprimento das exigências dos arts. 15 e 16
CUIDADO: Não precisa que se tenha um contrato formalizado para caracterizar uma operação de credito, o que vale é a intenção ( Foi isso