Resumo Lei de Responsabilidade Fiscal
103 pág.

Resumo Lei de Responsabilidade Fiscal


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.930 materiais16.569 seguidores
Pré-visualização26 páginas
do Brasil serão demonstrados TRIMESTRALMENTE, nos termos em que dispuser a lei de diretrizes orçamentárias da União.
§ 3o Os balanços TRIMESTRAIS do Banco Central do Brasil conterão notas explicativas sobre os custos da remuneração das disponibilidades do Tesouro Nacional e da manutenção das reservas cambiais e a rentabilidade de sua carteira de títulos, destacando os de emissão da União.
Q349207 Os balanços do Banco Central do Brasil devem conter notas explicativas com informações sobre os custos da emissão de papel moeda e da manutenção das reservas cambiais e sobre os índices de inadimplência dos títulos do Tesouro
FALSO. Custos da emissão de papel moeda NADA SE DIZ, e também nada se diz sobre índices de inadimplência dos títulos do tesouro.
Execução orçamentária e cumprimento de metas
Art. 8o Até 30 dias após a PUBLICAÇÃO dos orçamentos, nos termos em que dispuser a lei de diretrizes orçamentárias e observado o disposto na alínea c do inciso I do art. 4o, o Poder Executivo estabelecerá a programação financeira e o cronograma de execução mensal de desembolso.
Esse é o artigo que aperfeiçoou a programação orçamentária e financeira da Lei 4.320
Lei 4320: Art. 47. Imediatamente após a promulgação da Lei de Orçamento e com base nos limites nela fixados, o Poder Executivo aprovará um quadro de cotas trimestrais da despesa que cada unidade orçamentária fica autorizada a utilizar.
Obs.: mais para frente na LRF diz que nesse mesmo prazo as receitas previstas serão desdobradas em metas bimestrais de arrendação.
Parágrafo único. Os recursos legalmente vinculados a finalidade específica serão utilizados exclusivamente para atender ao objeto de sua vinculação, ainda que em exercício diverso daquele em que ocorrer o ingresso.
Q327939 Considere que determinado recurso tenha sido vinculado, no exercício financeiro vigente, à manutenção e ao desenvolvimento do ensino e destinado a determinado município para a realização de reformas de escolas públicas municipais. Nessa situação, é correto afirmar que, caso esse recurso não seja transferido para o município até o final do ano por falta da documentação necessária, a União poderá destiná-lo a outro município no exercício seguinte, contudo será obrigada a manter a vinculação à manutenção e ao desenvolvimento do ensino
Deu como CORRETO. CESPE considerou que se manter a finalidade \u201cdesenvolvimento do ensino\u201d poderia mudar o município que receberia o recurso sem quebrar a vinculação.
Q607060 A programação da despesa deve ser feita em até trinta dias após a publicação do orçamento.
FALSO. Não é programação da despesa, e sim programação da execução orçamentária. 
I) Programação da despesa é diferente, seria fazer todo aquele lance de detalhar os programas em ações, fazer programação qualitativa, quantitativa, classificação de natureza, etc. Isso tudo é feito no processo de elaboração do PLOA, bem antes da programação financeira.
Art. 9o Se verificado, ao final de um BIMESTRE, que a realização da receita poderá não comportar o cumprimento das metas de resultado primário ou nominal estabelecidas no Anexo de Metas Fiscais, os Poderes e o Ministério Público promoverão, POR ATO PRÓPRIO e nos montantes necessários, nos 30 dias subsequentes, limitação de empenho e movimentação financeira, segundo os critérios fixados pela lei de diretrizes orçamentárias.
CUIDADO: Não é para afirmar que haverá \u201ccorte de despesas\u201d, haverá contingenciamento, pois o crédito ainda permanece o mesmo, o que se faz é \u201cfrear\u201d os empenhos um pouco. 
O contingenciamento é feito POR DECRETO, é feita uma \u201cnova programação financeira\u201d nesse decreto contingenciando os empenhos. Mas para o MP acho que é por ato PRÓPRIO.
Q642979 Para fins de controle do cumprimento da meta de superávit primário, deve-se verificar, ao final de cada bimestre, se a receita arrecadada é compatível com as estimativas e com a programação do exercício, sob pena de contingenciamento de dotações orçamentárias.
Q893252 No caso de frustração da receita orçamentária, os critérios e a forma de limitação de empenho devem ser instituídos pelo titular de cada poder ou órgão
FALSO. Os critérios e formas já são fixados na LDO, o ato próprio corresponde ao ato de realmente limitar a movimentação e o empenho
Tendo como referência os conceitos e as normas aplicáveis ao orçamento público, julgue o item a seguir
Q561014 Ao reconhecer-se, ao final de um bimestre, a frustração na realização da receita, pode ser necessário rever as metas fiscais estabelecidas na lei de diretrizes orçamentárias (LDO), uma vez que, dependendo das dimensões do problema, o descumprimento de tais metas poderia comprometer também o cumprimento dos objetivos do plano plurianual (PPA). Isso evidencia que, mesmo durante a execução do orçamento anual, é possível e por vezes necessário promover alterações na LDO e no PPA
CORRETO. Isso é o que ocorre as vezes NA PRÁTICA \u2013 muita gente reclamou porque a LRF não autoriza isso , a LRF diz que para cumprir as metas faz-se a limitação de empenho e movimentação financeira. Mas na prática o que o governo faz É MUDAR A META para que ela possa ser alcançada e a execução financeira continue (não teria como contingenciar porque os gastos já estão mínimos, então muda a meta para mais baixo para continuar executando o orçamento).
§ 1o No caso de restabelecimento da receita prevista, ainda que parcial, a recomposição das dotações cujos empenhos foram limitados dar-se-á de forma proporcional ÀS REDUÇÕES EFETIVADAS.
O descontingenciamento é por um NOVO DECRETO de programação financeira e cronograma de desembolso. E é OBRIGAÇÃO a edição desse decreto para descontingenciar caso as receitas se reestabeleçam. 
Q581798 Se os órgãos públicos da União realizarem limitação de empenho em decorrência de frustração de receita anteriormente verificada, e se a arrecadação presente demonstrar restabelecimento das metas previstas na lei orçamentária, a recomposição das dotações deve ser feita de acordo com critérios estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias
FALSO. A LIMITAÇÃO sim é feita nos moldes da LDO (tanto que a LDO em seu texto vai versar sobre critérios e formas de LIMITAÇÃO de empenho). Mas a recomposição das dotações contingenciadas vai se dar de forma \u201cPROPORCIONAL\u201d , e a LRF não diz nada sobre isso ser ou não estabelecido na LDO.
§ 2o NÃO SERÃO OBJETO DE LIMITAÇÃO as despesas que constituam obrigações constitucionais e legais do ente, inclusive aquelas destinadas ao pagamento do serviço da dívida, e as ressalvadas pela lei de diretrizes orçamentárias.
§ 3o No caso de os Poderes Legislativo e Judiciário e o Ministério Público não promoverem a limitação no prazo estabelecido no caput, é o Poder Executivo autorizado a limitar os valores financeiros segundo os critérios fixados pela lei de diretrizes orçamentárias.  
§ 4o Até o final dos meses de maio, setembro e fevereiro, o Poder Executivo demonstrará e avaliará o cumprimento das metas fiscais de cada quadrimestre, em audiência pública na comissão referida no § 1o do art. 166 da Constituição ou equivalente nas Casas Legislativas estaduais e municipais.
§ 5o No prazo de 90 dias após o encerramento de cada semestre, o Banco Central do Brasil apresentará, em reunião conjunta das comissões temáticas pertinentes do Congresso Nacional, avaliação do cumprimento dos objetivos e metas das políticas monetária, creditícia e cambial, evidenciando o impacto e o custo fiscal de suas operações e os resultados demonstrados nos balanços.
Art. 10. A execução orçamentária e financeira identificará os beneficiários de pagamento de sentenças judiciais, por meio de sistema de contabilidade e administração financeira, para fins de observância da ordem cronológica determinada no art. 100 da Constituição.
Receitas - Previsão e Arrecadação Receitas
Art. 11. Constituem requisitos essenciais da responsabilidade na gestão fiscal a instituição, previsão e efetiva arrecadação de todos os TRIBUTOS da competência constitucional do ente da Federação.