MEDRESUMOS PATOLOGIA  Doenças Infecciosas
10 pág.

MEDRESUMOS PATOLOGIA Doenças Infecciosas


DisciplinaPatologia I15.198 materiais68.107 seguidores
Pré-visualização6 páginas
e gastrointestinal (diarréia e morte). 
 As lesões por antraz em qualquer local são caracterizadas por necrose e inflamação exsudativa com infiltração 
de neutrófilos e macrófagos. A presença de bactérias extracelulares Gram-positivas de formação sequencial em cadeia 
devem sugerir o diagnóstico. 
 
COQUELUCHE 
 A coqueluche, causada pelo cocobacilo Gram-positivo Bordetella pertussis, trata-se de uma doença altamente 
comunicável e aguda, caracterizada por paroximos de tosse violenta acompanhada por um estridor inspiratório alto. A 
B. pertussis coloniza a borda ciliada do epitélio brônquico e invade os macrófagos, causando, assim, 
laringotraqueobronquites que, em casos graves, evoluem em erosões da mucosa brônquica, hiperemia e exsudato 
mucopurulento abundante. Os sintomas revelam tosses paroxísticas seguindas de dispnéia, com inspiração profunda e 
angustiada. 
 
OBS³: A vacina tríplice viral combate o tétano, a difteria e a coqueluche, sendo de grande importância por diminuir 
notoriamente a prevalência de tais patologias. 
 
CANCRÓIDE (CANCRO MOLE) 
 O cancróide é uma infecção ulcerativa aguda, transmitida sexualmente e causada pelo Haemophilus ducreyi. 
O cancro mole, diferentemente da sífilis, desenvolve lesões de aspecto amolecido, disseminadas, mais escavadas e 
dolorosas. 
 Após 4 a 7 dias da inoculação, o paciente desenvolve uma pápula eritematosa macia envolvendo a genitália 
externa. Com o passar de vários dias, a superfície da lesão primária se deteriora para produzir uma úlcera irregular. Ao 
contrário do cancro primário da sífilis, a úlcera do cancróide não é endurecida e podem estar presentes lesões 
múltiplas. Em casos não tratados, os nódulos inflamados e aumentados podem deteriorar a pele sobrejacente para 
produzir úlceras crônicas drenantes. 
 
 
Arlindo Ugulino Netto \u2013 PATOLOGIA \u2013 MEDICINA P4 \u2013 2009.1 
 
8 
 
SÍFILIS (CANCRO DURO) 
 A sífilis é uma doença infecciosa causada pelo micoplasma Treponema pallidum, uma espiroqueta 
microaerofílica. O intercurso sexual da sífilis é o modo comum de propagação. A transmissão placentária do T. 
Pallidum ocorre prontamente, e a doença ativa durante a gestação resulta em sífilis congênita. A sífilis gera lesões 
únicas e isoladas, indolores e que podem regredir, sendo denominadas genericamente de cancro duro, ou sífilis 
primária. A sífilis secundária é caracterizada pela presença de lesões com aspecto rosado. A sífilis terciária é um 
quadro mais raro e de difícil prognóstico. 
\u2022 Sífilis primária: ocorre aproximadamente 3 semanas após o contato, caracterizando-se por lesão (cancro) única 
firme, insensível, vermelha e localizada no local da invasão do treponema. O cancro é uma pápula 
avermelhada, firme e levemente elevada, que deteriora para criar uma úlcera superficial de base limpa. No 
exame histológico, os treponemas são visíveis na superfície da úlcera com corantes de prata ou por meio da 
imunofluorescência. 
\u2022 Sífilis secundária: ocorre geralmente 2 a 10 semanas após o cancro primario e se deve à disseminação e 
proliferação das espiroquetas dentro da pele e tecidos mucocutâneos. As lesões cutâneas, que ocorrem 
frequentemente nas palmas das mãos ou nas solas dos pés, podem ser maculopalmares, escamosas ou 
pustulares. 
\u2022 Sífilis terciária: é raro, porém ele ocorre em um terço dos pacientes sem tratamento. Apresenta três 
maifestações principais: sífilis cardiovascular (na forma de aortite sifilítica: dilatação gradativa da raiz e do arco 
aórtico, causando insuficiência valvar aórtica e aneurisma da aorta), neurossífilis (tabes dorsalis: destruição 
das divisões mediais das raízes posteriores dos nervos espinhais, acometendo fibras que formam os fascículos 
gracil e cuneiforme) e sífilis terciária supostamente benigna. 
 
 Fortuitamente, o agente etiológico da sífils é sensível à penicilina, sendo facilmente combatido com 
benzetacil®. O problema é que apenas um pequeno e seleto grupo da população tem acesso à informação e aos 
medicamentos, e neste grupo, a doença é facilmente disseminada não só entre os parceiros, mas a transmissão 
vertical (forma congênita) ainda é muito importante. 
 
CLAMÍDIAS 
 A Chlamydia trachomatis é uma pequena bactéria Gram-negativa que é um parasita obrigatoriamente 
intracelular. São bactérias mais rudimentares responsáveis por causar as infecções uretrais mais comuns nos EUA. 
 Tais bactérias são agentes etiológicos das chamadas linfogranulomas genitais ou venéreos (mais conhecidos 
como mula), caracterizados por grandes bulbos (linfoadenomegalias) resultados de uma reação inflamatória causada 
pelas clamídias, que entraram previamente por uma lesão e atingiram os linfonodos via circulação linfática. Estes 
linfonodos, com o tempo, podem fistulisar e serem destruídos e substituídos por tecido fibrosado (cicatriz). Os vasos 
linfáticos que antes chegavam a este linfonodo extravasam, causando um linfedema característico (elefantíase genital). 
Os linfogranulomas genitais são mais comuns em mulheres e, em países desenvolvidos, nos homossexuais. 
 As lesões do linfogranuloma venéreo contêm resposta inflamatória neutrofílica e granolomatosa mistas, com 
um número variável de inclusões de clamídias no citoplasma de células epiteliais ou células inflamatórias. O 
envolvimento do linfonodo é caracterizado por uma reação inflamatória granulomatosa associada a focos de formas 
irregulares de necrose e infiltração neutrofílica. Com o tempo, a reação inflamatória é dominada por infiltrados 
inflamatórios inespecíficos crônicos e fibrose extensiva. 
 
INFECÇÕES CLOSTRÍDEAS 
 O gênero Clostridium alberga bacilos Gram-positivos que crescem em condições anaeróbicas e produzem 
esporos que estão presentes no solo. Três tipos de doença são causados pelo Clostridium: 
\ufffd A gangrena gasosa, causada pelo C. perfrigens. Observa-se um edema marcado e necrose enzimática de 
células musculares envolvidas 1 a 3 dias após a lesão. Um exsudato líquido extensivo, que é desprovido de 
células inflamatórias, causa tumefação da região afetada e da pele sobrejacente. 
\ufffd O tétano, causado pelo C. tetani, que libera uma neurotoxina potente, denominada tetanoespasmina, que 
causa contrações convulsivas nos músculos esqueléticos; 
\ufffd O C. botulinum que cresce em alimentos enlatados inadequadamente esterilizados e libera uma neurotoxinas 
potente que bloqueia a ação sináptica da acetilcolina e causa uma paralisia grave dos músculos respiratórios e 
esqueléticos (botulismo). 
 
TUBERCULOSE 
 O Mycobacterium tuberculosis, bastonete aeróbio Gram-positivo, é responsável pela maioria dos casos de 
tuberculose. Após o HIV, a tuberculose é a principal causa infecciosa de morte no mundo. A infecção com o M. 
tuberculosis leva tipicamente ao desenvolvimento de hipersensibilidade retardada aos antígenos do agente etiológico, 
que pode ser detectado pelo teste tuberculínico por meio da proteína purificada do M. tuberculosis (PPD). O achado 
Arlindo Ugulino Netto \u2013 PATOLOGIA \u2013 MEDICINA P4 \u2013 2009.1 
 
9 
 
patológico aqui, diferentemente das bactérias piogênicas, é um processo inflamatório crônico granulomatoso com 
necrose caseosa ao centro. 
 As manifestações patológicas da tuberculose, como os granulomas caseificados e cavitação, são o resultado 
da hipersensibilidade que é parte e parcela da resposta imune do hospedeiro.. 
\u2022 Tuberculose primária: é a forma da doença que se desenvolve previamente numa pessoa não-exposta e, 
portanto, não sensibilizada. Começa quase sempre nos pulmões, atingindo o lobo superior dos mesmos, 
próximo à pleura. No centro do foco inflamatório, existe, quase sempre, necrose caseosa. Histologicamente, os 
locais de envolvimento ativo são marcados por uma reação inflamatória granulomatosa característica que 
forma os tubérculos caseificados e não-caseificados. 
\u2022 Tuberculose secundária: é um padrão da doença que surge no hospedeiro previamente sensibilizado. Pode