Resumo despesas públicas
89 pág.

Resumo despesas públicas


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.930 materiais16.569 seguidores
Pré-visualização20 páginas
dos programas é composto de 4 dígitos numéricos sem significado especial.
Segundo Giacomoni, a classificação por programas (estrutura programática) é considerada a mais moderna das classificações orçamentárias da despesa. Referido autor leciona que a finalidade básica dessa classificação é demonstrar as realizações do governo, o resultado final de seu trabalho em prol da sociedade. Esse critério surgiu visando permitir o cumprimento das novas funções do orçamento, em especial a representação do programa de trabalho
Toda ação do Governo está estruturada em programas orientados para a realização dos objetivos estratégicos definidos no Plano Plurianual (PPA) para o período de quatro anos.
O PROGRAMA, segundo a Portaria n. 42/99, é o instrumento de organização da ação governamental visando à concretização dos objetivos pretendidos, sendo mensurado por indicadores estabelecidos no plano plurianual
A Lei do PPA 2016-2019 foi elaborada como um instrumento mais estratégico, no qual seja possível ver com clareza as principais diretrizes de governo e a relação destas com os Objetivos a serem alcançados nos Programas Temáticos. Com base nessas diretrizes, o PPA 2016-2019 contempla os Programas Temáticos e os de Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado:
a) Programa TEMÁTICO: aquele que expressa e orienta a ação governamental para a entrega de bens e serviços à sociedade; 
b) Programa de GESTÃO, Manutenção e Serviços ao Estado: aquele que expressa e orienta as ações destinadas ao apoio, à gestão e à manutenção da atuação governamental.
Conforme estabelecido no art. 3º da Portaria MOG nº 42/1999, a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios ESTABELECERÃO, EM ATOS PRÓPRIOS, suas estruturas de programas, códigos e identificação, respeitados os conceitos e determinações nela contidos. 
Ou seja, todos os entes devem ter seus trabalhos por programas e ações, mas cada um estabelecerá seus próprios programas e ações de acordo com a referida Portaria.
O orçamento Federal está organizado em PROGRAMAS, a partir dos quais são relacionadas às AÇÕES sob a forma de atividades, projetos ou operações especiais, especificando os respectivos valores e metas e as unidades orçamentárias responsáveis pela realização da ação.
PROGRAMA
Programa é o instrumento de organização da atuação governamental que articula um CONJUNTO DE AÇÕES que concorrem para a concretização de um objetivo comum preestabelecido, visando à solução de um problema ou ao atendimento de determinada necessidade ou demanda da sociedade.
A cada projeto ou atividade só poderá estar associado um produto, que, quantificado por sua unidade de medida, dará origem à meta.
AÇÃO 
As ações são operações das quais resultam produtos (bens ou serviços), que contribuem para atender ao objetivo de um programa. Incluem-se também no conceito de ação as TRANSFERÊNCIAS OBRIGATÓRIAS OU VOLUNTÁRIAS a outros entes da Federação e a pessoas físicas e jurídicas, na forma de subsídios, subvenções, auxílios, contribuições e financiamentos, dentre outros. 
As ações, conforme suas características podem ser classificadas como atividades, projetos ou operações especiais.
1- Atividade: É um instrumento de programação utilizado para alcançar o objetivo de um programa, envolvendo um conjunto de operações que se realizam de modo contínuo e permanente, das quais resulta um produto ou serviço necessário à manutenção da ação de Governo. 
2- Projeto: É um instrumento de programação utilizado para alcançar o objetivo de um programa, envolvendo um conjunto de operações, limitadas no tempo, das quais resulta um produto que concorre para a expansão ou o aperfeiçoamento da ação de Governo. 
3- Operação Especial: Despesas que não contribuem para a manutenção, expansão ou aperfeiçoamento das ações de governo, das quais não resulta um produto, e não gera contraprestação direta sob a forma de bens ou serviços.
As atividades, os projetos e as operações especiais serão detalhados em SUBTÍTULOS, utilizados especialmente para identificar a localização física da ação orçamentária, não podendo haver, por conseguinte, alteração de sua finalidade, do produto e das metas estabelecidas. A adequada localização do gasto permite maior controle governamental e social sobre a implantação das políticas públicas adotadas, além de evidenciar a focalização, os custos e os impactos da ação governamental. 
A LDO veda, na especificação do subtítulo, a referência a mais de uma localidade, área geográfica ou beneficiário, se determinados.
Q883442 A identificação da localização do gasto público na estrutura programática é feita por meio do subtítulo
CORRETO. 
Q590146 É possível identificar a abrangência, nacional, regional ou local de um gasto público a partir da estrutura programática do orçamento.
CORRETO. Quem identifica a abrangência é o SUBTÍTULO!
Nos termos do Plano Plurianual vigente, OS PROGRAMAS DEVEM CONTER: 
a) objetivo;
b) órgão responsável; 
c) valor global; 
d) prazo para conclusão; 
e) fonte de financiamento; 
f) indicador que quantifique a situação que o programa tenha por fim modificar; 
g) metas correspondentes aos bens e serviços necessários para atingir o objetivo; 
h) ações não integrantes do Orçamento Geral da União necessárias à consecução do objetivo; 
i) regionalização das metas por Estado.
Fonte/destinação
A classificação orçamentária por fontes/destinações de recursos tem como objetivo de identificar as fontes de financiamento dos gastos públicos. 
As fontes/destinações de recursos reúnem certas Naturezas de Receita conforme regras previamente estabelecidas. 
Por meio do orçamento público, essas fontes/destinações são associadas a determinadas despesas de forma a evidenciar os meios para atingir os objetivos públicos. 
Como mecanismo integrador entre a receita e a despesa, o código de fonte/destinação de recursos exerce um duplo papel no processo orçamentário.
1) Para a receita orçamentária, esse código tem a finalidade de indicar a destinação de recursos para a realização de determinadas despesas orçamentárias. 
2) Para a despesa orçamentária, identifica a origem dos recursos que estão sendo utilizados. 
Assim, o mesmo código utilizado para controle das destinações da receita orçamentária também é utilizado na despesa correlacionada, para controle das fontes financiadoras da despesa orçamentária e da correta aplicação dos recursos vinculados. 
Ressalte-se que esse mecanismo de fonte/destinação de recursos é obrigatório, devido aos mandamentos constantes da Lei Complementar nº 101/2000 (LRF), a qual traz em seu art. 8º, parágrafo único, e art. 50, inciso I, o seguinte: 
Art. 8º [...] Parágrafo único. Os recursos legalmente vinculados a finalidade específica serão utilizados exclusivamente para atender ao objeto de sua vinculação, ainda que em exercício diverso daquele em que ocorrer o ingresso.\u201d 
Art. 50. Além de obedecer às demais normas de contabilidade pública, a escrituração das contas públicas observará as seguintes:
 I \u2013 a disponibilidade de caixa constará de registro próprio, de modo que os recursos vinculados a órgão, fundo ou despesa obrigatória fiquem identificados e escriturados de forma individualizada; 
Todavia, apesar de obrigatória a instituição de mecanismo de fonte/destinação de recursos para controle da origem e destinação dos recursos públicos, ainda não consta na legislação do país um modelo de classificação obrigatório a ser adotado por toda a Federação. Assim, cada ente tem a obrigatoriedade de estabelecer o seu próprio controle de recursos por fonte/destinação de recursos, sendo-lhe facultado adotar modelo próprio ou seguir o modelo adotado pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN) para fins de consolidação das contas públicas, constante do site do Siconfi, utilizado para recepção de informações por meio da Matriz de Saldos Contábeis. 
A adoção de um modelo pela STN para classificação por fonte/destinação de recursos se revela imprescindível ao cumprimento de sua competência