Resumo despesas públicas
89 pág.

Resumo despesas públicas


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.930 materiais16.564 seguidores
Pré-visualização20 páginas
os orçamentos públicos. 
SOBRE ATÉ QUE NÍVEL DETALHAR:
PORTARIA 163 SOF: a discriminação da despesa, quanto à sua natureza, far-se-á, no mínimo, por categoria econômica, grupo de natureza de despesa e modalidade de aplicação
LEI 4320: Art. 15. Na Lei de Orçamento a discriminação da despesa far-se-á no mínimo por elementos.
§ 1º Entende-se por ELEMENTOS o desdobramento da despesa com pessoal, material, serviços, obras e outros meios de que se serve a administração pública para consecução dos seus fins. 
Considerando o conceito, as etapas, os estágios e as categorias econômicas da despesa pública, julgue os itens subsequentes
Q489201 A discriminação da despesa quanto a sua natureza deve ser feita, na elaboração da lei orçamentária, por categoria econômica, grupo de natureza de despesa e modalidade de aplicação.
 CORRETO. Note que pelo enunciado não temos qualquer direcionamento sobre qual normativo usar , portanto damos CORRETO porque é o que a portaria 163 da SOF diz. 
A respeito da administração da execução orçamentária, julgue o item que se segue.
Q643671 Os créditos orçamentários e adicionais devem discriminar a despesa até o nível de elemento de despesa.
 Foi dada CORRETO. A questão possui diversos pontos controversos.
I) A lei 4.320 diz que a despesa na LOA será detalhada no mínimo por elementos. Já na parte de créditos adicionais ela diz que a despesa será detalhada até onde \u201cfor possível\u201d
II) A Lei 4.320 diz NO MÍNIMO e a questão diz \u201cATÉ\u201d, no sentido taxativo.
III) Não há qualquer menção a qual normativo usar, então pela portaria 163 da SOF estaria errado, pois deveria ser discriminada até a modalidade de aplicação (elemento seria algo posterior que não é necessário). Categoria Econômica -> Grupo -> Modalidade -> Elemento -> Desdobramento
A classificação por natureza de despesa É OBRIGATÓRIA PARA TODOS OS ENTES DA FEDERAÇÃO e tem por finalidade a obtenção de informações macroeconômicas sobre os efeitos dos gastos do setor público na economia e o controle gerencial do gasto.
Essa classificação viabiliza o fornecimento de elementos para avaliação do efeito econômico das transações do setor público, com ênfase no efeito dos gastos sobre a economia.
CESPE: A classificação da despesa que permite \u201cidentificar o IMPACTO dos gastos públicos\u201d.
Q942044 Havendo a necessidade de que um órgão público classifique determinada receita de acordo com o acontecimento real que tenha ocasionado o ingresso nos cofres públicos, ele deverá utilizar a classificação orçamentária por natureza da receita
Segundo Jesse Burkhed (citado por Giacomoni), essa classificação pode proporcionar informes acerca da:
a) Contribuição do governo à renda nacional e se essa contribuição está aumentando ou diminuindo. 
b) A parcela relativa da formação de capital de uma nação, propiciada através do setor governamental. 
c) Pode indicar, através da comparação entre períodos fiscais, se o governo está contribuindo para criar pressões inflacionárias, em virtude de suas atividades aumentarem a procura, ou se as atividades governamentais têm caráter deflacionário. 
d) Pode ainda informar acerca da forma pela qual o impacto das atividades governamentais é transmitido \u2013 se por meio de transferências ou pelo uso direto de recursos
A Lei n. 4.320/1964 trata da classificação da despesa por categoria econômica e elementos em seus artigos. 12 e 13, mas atualmente devemos seguir o Anexo II da Portaria Interministerial SOF/STN 163/2001.
LEI 4320: 
Art. 11 - A receita classificar-se-á nas seguintes categorias econômicas: Receitas Correntes e Receitas de Capital. 
Art. 13. Observadas as categorias econômicas do art. 12, a discriminação ou especificação da despesa por elementos, em cada unidade administrativa ou órgão de governo, obedecerá ao seguinte esquema
PORTARIA 163 SOF: 
A discriminação da despesa, quanto à sua natureza, far-se-á, no mínimo, por categoria econômica, grupo de natureza de despesa e modalidade de aplicação
De acordo com o art. 5º da Portaria Interministerial STN/SOF nº 163/2001, a estrutura da natureza da despesa a ser observada na execução orçamentária de todas as esferas de governo será:
O conjunto de informações que constitui a natureza de despesa orçamentária forma um código estruturado que agrega a categoria econômica, o grupo, a modalidade de aplicação e o elemento. Também, compõe o código o subelemento que é facultativo
C.G.MM.EE.DD
C - representa a categoria econômica \u2013 1 dígito; 
G - o grupo de natureza da despesa \u2013 1 dígito; 
MM - a modalidade de aplicação \u2013 2 dígitos; 
EE - o elemento de despesa \u2013 2 dígitos; 
DD - o desdobramento, FACULTATIVO, do elemento de despesa \u2013 2 dígitos
CUIDADO: classificação da Reserva de Contingência, bem como a Reserva do RPPS, destinadas ao atendimento de passivos contingentes e outros riscos e eventos fiscais imprevistos, inclusive para a abertura de créditos adicionais, quanto à natureza da despesa orçamentária, serão identificadas com o código \u201c9.9.99.99\u201d, conforme estabelece o parágrafo único do art. 8º da Portaria Interministerial STN/SOF nº 163, de 2001
Q560347 No sistema integrado de planejamento e orçamento, as reservas de contingências são um tipo de ação específico e com numeração própria
CORRETO. A Reserva de contingencia tem numeração própria como diz o MTO.
RESUMO RÁPIDO:
C.G.MM.EE.DD
1- Categoria Econômica: Obedece ao critério econômico e denota o impacto dos gastos públicos na economia do país, sendo classificada em duas categorias econômicas, com os seguintes códigos:
#3: Despesas Orçamentárias Correntes: classificam-se nessa categoria todas as despesas que não contribuem, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem de capital; 
#4: Despesas Orçamentárias de Capital: classificam-se nessa categoria aquelas despesas que contribuem, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem de capital.
 Qual o efeito econômico da realização da despesa?
2- Grupo De Natureza De Despesa \u2013 GND: Podemos dizer que é um agregador de elementos de despesa com as mesmas características quanto ao objeto de gasto.
 Em qual classe de gasto será realizada a despesa?
33 - Modalidade De Aplicação: podemos dizer que, visando a eliminar a dupla contagem dos recursos transferidos ou descentralizados, indica:
I) Se os recursos serão aplicados mediante transferência financeira, inclusive a decorrente de descentralização orçamentária para outros níveis de Governo, seus órgãos ou entidades, ou diretamente para entidades privadas sem fins lucrativos e outras instituições; 
II) ou, então, diretamente pela unidade detentora do crédito orçamentário, ou por outro órgão ou entidade no âmbito do mesmo nível de Governo. 
 De que forma serão aplicados os recursos?
 Aplicação 90 é a mais utilizada, pois é a aplicação direta do recurso público pelo próprio ente.
44- Elemento De Despesa: podemos dizer que tem por finalidade identificar os objetos de gasto, enquanto o seu desdobramento facultativo visa a atender necessidades específicas de escrituração contábil e controle da execução orçamentária.
 Quais os insumos que se pretende utilizar ou adquirir?
Por categoria econômica 
Geral (normatizada)
Identifica se o gasto vai contribuir para a manutenção do estado, para a formação ou aquisição de um bem de capital, por consequência ajuda a estabelecer o IMPACTO dos gastos do governo na economia agregada do País.
	
#3 DESPESAS CORRENTES: são gastos que se destinam à manutenção da estrutura já existente; assim são as despesas que se realizam de forma contínua, uma vez que estão ligadas à manutenção e ao funcionamento dos serviços públicos. Em regra, as despesas correntes não trazem como contrapartida acréscimo patrimonial. 
Não contribui para formação ou aquisição bem de capital.
Pode provocar registro em ativos ou passivos CIRCULANTES.
Q339937 As despesas correntes são originadas por fatos modificativos da contabilidade geral
CORRETO. Eu errei 2 vezes lendo. Não confundir.