Resumo receitas públicas
73 pág.

Resumo receitas públicas


DisciplinaDireito Administrativo IV484 materiais1.272 seguidores
Pré-visualização15 páginas
Classificação quanto a natureza \u2013 ESPÉCIE 
A classificação por espécie vinculada à origem, composta por títulos que permitem qualificar com maior detalhe o fato gerador dos ingressos de tais receitas.
A espécie, nível de classificação vinculado à origem, permite qualificar com maior detalhe o fato gerador das receitas. 
Por exemplo, dentro da ORIGEM \u201cContribuições\u201d, identificam-se as ESPÉCIES
\u201cContribuições Sociais\u201d
\u201cContribuições Econômicas\u201d 
\u201cContribuições para Entidades Privadas de Serviço Social e de Formação Profissional\u201d.
Desdobramento
DESDOBRAMENTO
Os dígitos 4º a 7º são destinados a desdobramentos com a finalidade de identificar peculiaridades de cada receita, caso seja necessário, podendo ou não ser utilizados conforme a necessidade de especificação do recurso.
Foram reservados 4 dígitos para desdobramentos com a finalidade de identificar peculiaridades de cada receita, caso seja necessário.
CUIDADO: Desse modo, ESSES DÍGITOS PODEM OU NÃO SER UTILIZADOS conforme a necessidade de especificação do recurso. 
No caso de receitas exclusivas de Estados e Municípios, o quarto dígito utilizará o número \u201c8\u201d (Ex.: 1.9.0.8.xx.x.x \u2013 Outras Receitas Correntes exclusivas de Estados e Municípios)
Tipo
Possati confirmou que pela nova classificação não podemos cravar qual é a categoria econômica do \u201cRecebimento de Dívida Ativa\u201d. 
Antes era sempre Receita Corrente \u2013 Outras receitas. Agora vai depender da receita principal, vai poder ser tanto corrente ou de capital.
O tipo, correspondente ao último dígito na natureza de receita, tem a finalidade de identificar o tipo de arrecadação a que se refere aquela natureza.
Assim, TODO CÓDIGO de natureza de receita será finalizado com um dos dígitos mencionados, e as arrecadações de cada recurso \u2013 SEJAM ELAS da receita propriamente dita ou de seus acréscimos legais \u2013 FICARÃO AGRUPADAS SOB UM MESMO CÓDIGO, sendo diferenciadas apenas no último dígito.
MCASP 7
O tipo serve para identificar o modo de arrecadação a que se refere aquela natureza: 
Tipo 0: natureza de receita não valorizável ou agregadora; 
Tipo 1: arrecadação principal da receita; 
Tipo 2: multas e juros de mora da respectiva receita; 
Tipo 3: dívida ativa da respectiva receita; e 
Tipo 4: multas e juros de mora da dívida ativa da respectiva receita.
MCASP 8
- \u201c0\u201d, quando se tratar de natureza de receita não valorizável ou agregadora; 
- \u201c1\u201d, quando se tratar da arrecadação Principal da receita
- \u201c2\u201d, quando se tratar de Multas e Juros de Mora da respectiva receita; 
- \u201c3\u201d, quando se tratar de Dívida Ativa da respectiva receita; 
- \u201c4\u201d, quando se tratar de Multas e Juros de Mora da Dívida Ativa da respectiva receita.; 
- \u201c5\u201d, quando se tratar das Multas da respectiva receita quando a legislação pertinente diferenciar a destinação das Multas da destinação dos Juros de Mora, situação na qual não poderá ser efetuado registro de arrecadação no Tipo \u201c2 \u2013 Multas e Juros de Mora\u201d; 
- \u201c6", quando se tratar dos Juros de Mora da respectiva receita, quando a legislação pertinente diferenciar a destinação das Multas da destinação dos Juros de Mora, situação na qual não poderá ser efetuado registro de arrecadação no Tipo \u201c2 \u2013 Multas e Juros de Mora\u201d; 
- \u201c7\u201d, quando se tratar das Multas da Dívida Ativa da respectiva receita, quando a legislação pertinente diferenciar a destinação das Multas da Dívida Ativa da destinação dos Juros de Mora da Dívida Ativa, situação na qual não poderá ser efetuado registro de arrecadação no Tipo \u201c4 \u2013 Multas e Juros de Mora da Dívida Ativa\u201d; 
- \u201c8\u201d, quando se tratar dos Juros da Dívida Ativa da respectiva receita, quando a legislação pertinente diferenciar a destinação das Multas da Dívida Ativa da destinação dos Juros de Mora da Dívida Ativa, situação na qual não poderá ser efetuado registro de arrecadação no Tipo \u201c4 \u2013 Multas e Juros de Mora da Dívida Ativa\u201d; 
- \u201c9\u201d, quando se tratar de desdobramentos que poderão ser criados, caso a caso, pela Secretaria de Orçamento Federal do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão \u2013 SOF/MP, mediante Portaria específica.
O registro do ingresso de recursos deverá, PRIORITARIAMENTE, ser efetuado por meio do uso dos Tipos de Receita identificados por \u201c1\u201d, \u201c3\u201d, \u201c5\u201d, \u201c6\u201d, \u201c7\u201d e \u201c8\u201d, a fim de que o recolhimento das Multas seja efetuado por meio de código específico e em separado do recolhimento dos Juros de Mora das receitas às quais se referem. 
Excepcionalmente é facultado ao órgão ou entidade efetuar o recolhimento em conjunto das Multas e dos Juros de Mora, sob o mesmo código, por meio do uso dos Tipos de Receita identificados por \u201c2\u201d e \u201c4\u201d, apenas e tão somente nos casos em que os recursos tanto das Multas quanto dos Juros de Mora possuam exatamente as mesmas normas de aplicação na despesa.
Ressalta-se ainda que, para fins de observância da classificação orçamentária em \u201cReceita Corrente\u201d e \u201cReceita de Capital\u201d estipulada pela Lei nº 4.320/64, deve-se considerar os seguintes códigos: 
1) Receita Corrente: 
i. Todos os códigos cujo o primeiro dígito seja \u201c1\u201d (categoria econômica \u201creceitas correntes\u201d); e 
ii. Códigos cujo o primeiro dígito seja \u201c2\u201d (categoria econômica \u201creceitas de capital\u201d) e cujo o oitavo dígito, tipo de natureza de receita, seja \u201c2\u201d (Multas e Juros) , \u201c4\u201d (Multas e Juros da Dívida Ativa), \u201c5\u201d (Multas quando não se aplicar o tipo 2), \u201c6\u201d (Juros quando não se aplicar o tipo 2), \u201c7\u201d ( Multas da Dívida Ativa quando não se aplicar o tipo 4) ou \u201c8\u201d (Juros da Dívida Ativa quando não se aplicar o tipo 4). 
2) Receita de Capital: 
i. Códigos cujo o primeiro dígito seja \u201c2\u201d (categoria econômica \u201creceitas de capital\u201d)
E cujo o oitavo dígito, tipo de natureza de receita, seja \u201c1\u201d (Principal) ou \u201c3\u201d (Dívida Ativa).
Q560352 Caso determinado cidadão pague uma parcela de dívida de natureza tributária que esteja inscrita na dívida ativa da União e cujo prazo para pagamento tenha vencido, então a receita correspondente deverá ser classificada como outras receitas correntes
Antes era Verdadeiro, AGORA é FALSO. 
Note que agora as arrecadações de cada recurso, NÃO IMPORTA se estão vindo da receita propriamente dita ou de seus acréscimos legais, ficarão AGRUPADAS no mesmo código , só se diferenciando no último digito.
Exemplo: Tínhamos uma receita Tributária X lançada na LOA. 
 Se formos inscrever essa receita em dívida ativa, vai gerar uma receita AINDA TRIBUTÁRIA , mas sob o tipo (3) (dívida ativa da respectiva receita)
 Se recebermos um juros/multa referente a essa dívida ativa , vai gerar uma receita AINDA TRIBUTÁRIA, mas sob o tipo (4) ( multas e juros de mora da dívida ativa da respectiva receita)
Resumindo: A questão é FALSA, pois a receita não será classificada como \u201coutras receitas correntes\u201d e sim será classificada NO MESMO GRUPO da receita que lhe deu origem. 
Identificador de Resultado Primário
CLASSIFICAÇÃO DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA POR IDENTIFICADOR DE RESULTADO PRIMÁRIO.
Q883441 A classificação da receita para apuração do resultado primário é obrigatória para todos os entes da Federação.
FALSO. Essa classificação é sim obrigatória para a UNIÃO, mas os demais entes não. A única que é obrigatória para TODOS é a classificação pela natureza.
A classificação orçamentária da receita para Apuração do Resultado Primário não tem caráter obrigatório para todos os Entes Federados e foi instituída para a União com o objetivo de identificar quais são as receitas e as despesas que compõem o resultado primário do Governo Federal, que é representado pela diferença entre as receitas primárias e as despesas primárias
Esta classificação orçamentária da receita não tem caráter obrigatório para todos os entes e foi instituída para a União com o objetivo de identificar quais são as receitas e as despesas que compõem o resultado primário do Governo Federal, que é representado pela diferença entre as receitas primárias e as despesas primárias.
Separar as receitas com base no impacto que elas terão no resultado primário do governo
1- Primárias