Resumo receitas públicas
73 pág.

Resumo receitas públicas


DisciplinaDireito Administrativo IV484 materiais1.262 seguidores
Pré-visualização15 páginas
financeiros, com fontes e fatos geradores próprios e permanentes, oriundos da ação e de atributos inerentes à instituição, e que, integrando o patrimônio na qualidade de elemento novo, lhe produz acréscimos, sem, contudo, gerar obrigações, reservas ou reivindicações de terceiros.
Q82978 Será considerada receita pública a prestação de caução, mediante depósito em dinheiro, realizada pelo contratado em licitação pública, como garantia ao cumprimento do contrato, quando, na hipótese de inadimplemento do contrato, for imposta sanção pelo ente licitante, com a decretação da perda integral do depósito.
CORRETO. Note que o CESPE quando fala de receita pública ele usa o sentido estrito (só as orçamentarias). Via de regra esse caução NÃO SERIA, mas na ocasião que ele deu, o caução sendo resgatado como sanção esse dinheiro vai incorporar os cofres públicos para financiar despesas SIM, portanto será uma receita pública (em sentido estrito)
Q33102 A caução exigida e arrecadada de um licitante corresponde a ingresso de valores aos cofres públicos e, portanto, é receita pública.
FALSO. Aqui o CESPE confundiu 2 conceitos: Realmente é um ingresso , MAS NÃO É receita pública
Q853020 Os ingressos de recursos no caixa do governo, que constem dos valores previstos no orçamento, têm caráter permanente.
CORRETO. As receitas de caráter transitório (emissão da papel moeda, garantias, ARO) são todas EXTRAORÇAMENTÁRIAS, portanto NÃO estão previstas no orçamento. 
I) Logo, se uma receita está no orçamento, é orçamentaria, e sendo tal, incorpora o caixa em caráter permanente.
Q801919 O ingresso de recursos derivados de empréstimos não se inclui na contabilidade da receita pública, embora seja incluído no orçamento anual.
CORRETO. Note a posição da banca:
I) Aqui mostra como o CESPE, quando fala sobre \u201creceita pública\u201d, é aquele conceito doutrinário ESTRITO: receita pública seria somente aquele ingresso que integra o patrimônio sem qualquer reserva no passivo. Um empréstimos, entretanto, gera um passivo, por isso, não deve ser entendido como receita pública. 
II) O final está correto, empréstimo é uma operação de crédito, e como tal, deve integrar SIM o orçamento anual (somente as ARO que não integram).
III) Podemos até levar para o lado da contabilidade pública: Empréstimos realmente NÃO são receitas patrimoniais (Pois não são VPA , e sim meros fatos permutativos).
REQUISITOS DE UMA RECEITA PÚBLICA
1- Integra-se ao patrimônio público de forma permanente (exclui as entradas meramente transitórias)
2- Não podem ter condição devolutiva.
3- Não pode ter como contrapartida uma baixa patrimonial (ex: venda de imóvel, entra receita mas deu baixa no imóvel)
4- Deve ser um elemento novo e positivo \u2013 aumentar efetivamente o patrimônio do Estado
Q274761 Define-se receita pública como a entrada que se integra ao patrimônio público com reservas, condições ou correspondência no passivo, acrescendo-se o seu volume como elemento novo e positivo.
FALSO. Receita pública para o CESPE NÃO PODE GERAR correspondente no Passivo!
Existem três tipos básicos de receitas públicas: 
1- Prestação de serviços
2- Venda de materiais 
3- Cobrança de tributos
CUIDADO: receitas de prestação de serviços não devem ser confundidas com as taxas pela prestação de serviços, que já estão incluídas nas receitas provenientes DA TRIBUTAÇÃO.
CUIDADO: RECEITA e RENDA (INGRESSOS) são duas coisas diferentes.
1- RENDA (INGRESSOS) seria o Gênero = qualquer financeiro que entra (inclui os valores compensatórios, etc.) 
2- RECEITA é a espécie = somente aquele elemento novo, que não tem caráter compensatórios, etc.
Q342406 Recursos arrecadados pelo ente público exclusivamente para fazer face às exigências contratuais pactuadas, a serem devolvidos no mesmo exercício financeiro, são considerados meros ingressos, e não receita orçamentária
CORRETO. Esses recursos são garantias/cauções contratuais, logo tem natureza devolutiva e não são considerados como receita orçamentaria mesmo não.
Q337478 Uma operação de crédito por antecipação de receita orçamentária (ARO) constitui em ingresso de recurso ao erário, devidamente classificado na modalidade compensatória.
CORRETO. ARO é uma receita extraorçamentária, então o correto é chamar ela de INGRESSO. 
I) INGRESSO = tudo que entrar no cofre público 
II) RECEITA = É mais restrito , seria os ingressos que são elementos novos , sem criação de contrapartida no passivo , que servem para financiar os gastos públicos.
5 FASES DA EVOLUÇÃO DA RECEITA PÚBLICA
1- Fase parasitária: nessa época, o Estado tinha como sua fonte principal de receita a extorsão exercida contra povos vencidos e a pilhagem; 
2- Fase dominial: nessa época, a maior fonte de receita do Estado era obtida por meio da exploração do patrimônio público. Guarde que, mesmo já existindo a tributação, não era relevante e tinha como característica a excepcionalidade; 
3- Fase regaliana: a fonte de receita pública principal era a cobrança de direitos realengos, da exploração de regalias e privilégios reconhecidos aos reis e príncipes. Um bom exemplo é a cobrança de pedágios. Nessa fase, a cobrança de tributos ainda era uma fonte secundária de arrecadação; 
4 - Fase tributária: agora sim! A cobrança de tributos passa a ser a principal fonte de arrecadação do Estado; 
5- Fase social: nesse quadrante, o Estado passou a dar à tributação também uma função extrafiscal, ou seja, para servir como solução para as questões nos campos econômico, social e político.
Tributação é usada além de mera fonte de receita, é usada também para distribuição de renda, etc.
Receita orçamentária / extraorçamentária / intraorçamentárias
1- RECEITA ORÇAMENTÁRIA: Essas receitas pertencem ao Estado, integram o patrimônio do Poder Público, aumentam-lhe o saldo financeiro e, via de regra (tem exceção), por força do princípio da UNIVERSALIDADE, estão previstas na LOA.
São disponibilidades de recursos financeiros que ingressam durante o exercício e que aumentam o saldo financeiro da instituição. Instrumento por meio do qual se viabiliza a execução das políticas públicas, as receitas orçamentárias são fontes de recursos utilizadas pelo Estado em programas e ações cuja finalidade precípua é atender às necessidades públicas e demandas da sociedade. Essas receitas pertencem ao Estado, transitam pelo patrimônio do Poder Público e, via de regra, por força do princípio orçamentário da universalidade, estão previstas na Lei Orçamentária Anual \u2013 LOA
Se houver parcelas da receita pública a serem restituídas, esse fato deverá ser tratado como dedução de receita orçamentária
Obs.: não confundir com o conceito receita pública em sentido estrito. Aqui na receita orçamentária basta sabermos que são TODAS as receitas correntes e de capital (só basta isso para classificar como orçamentária). 
CUIDADO: Operação de crédito via de regra é receita ORÇAMENTÁRIA e integra a LOA sim!
Só as ARO mesmo que são extraorçamentária, pois se destinam exclusivamente para cobrir insuficiências de caixa.
CUIDADO: Aqui tem uma diferença grande para as despesas orçamentarias. Nas receitas orçamentarias elas podem existir mesmo não tendo sido previstas na LOA. Já as despesas orçamentarias , devem necessariamente ter sido autorizadas na LOA.
Q337477 As receitas públicas pertencem ao Estado, aumentam o saldo financeiro do patrimônio do Poder Público e, por força do princípio orçamentário da anualidade, estão, em regra, previstas na lei orçamentária anual (LOA).
FALSO. Trocou \u201cuniversalidade\u201d por anualidade.
Q842411 A previsão de arrecadação na lei orçamentária anual é obrigatória e constitui condição para que uma receita seja classificada como orçamentária.
FALSO. Note que existem receitas que MESMO NÃO ESTANDO NA LOA serão orçamentárias. Receitas vindas de doações e programas de refisco por exemplo são orçamentárias, mas não estão inclusas na LOA.
Lei 4320: Art. 57 \u201cRessalvado o disposto no parágrafo único do artigo 3º desta lei serão classificadas