Resumo ciclo orcamentário
41 pág.

Resumo ciclo orcamentário


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.930 materiais16.561 seguidores
Pré-visualização10 páginas
e Orçamento
Mas o sistema que controla e acompanha a execução orçamentária e financeira é o SIAFI \u2013 Sistema integrado de Administração Financeira
Q893003 A não aprovação do plano plurianual até o final do primeiro exercício do mandato do titular do Poder Executivo impede o recesso do Poder Legislativo
FALSO. A única que podemos afirmar que impedirá o recesso é a LDO. A CF nada diz sobre a LOA ou o PPA , então presume-se que pode entrar em recesso sem tê-las aprovado.
Teoria de elaboração
GIACOMONI: 
Na União, a elaboração do orçamento anual desenvolve-se no âmbito do Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal (SIOP), cujo órgão central é o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Neste, a responsabilidade pela coordenação, consolidação e supervisão da elaboração orçamentária é da Secretaria de Orçamento Federal (SOF). 
As unidades de orçamento dos ministérios civis, militares e dos órgãos da Presidência da República constituem-se em órgãos setoriais do sistema e mantêm com a SOF íntima articulação nas questões orçamentárias.
Integram ainda o sistema as unidades orçamentárias, responsáveis, em última análise, pela programação e execução orçamentária.
O governo federal desenvolve o processo de elaboração orçamentária por meio do Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento (SIOP) que substituiu o anterior Sistema Integrado de Dados Orçamentários (Sidor) e sua versão para a Internet (Sidornet). Com vantagem em relação ao SIDOR, o SIOP suporta os dois processos de elaboração \u2013 ORÇAMENTO e PPA \u2013 favorecendo a necessária integração que deve existir entre as duas peças.
PALUDO
O orçamento anual é um instrumento de nível OPERACIONAL do Governo, de curto prazo, no qual se encontram inseridos os créditos orçamentários necessários à realização de políticas públicas de médio e longo prazos.
É na fase de ELABORAÇÃO que os estudos preliminares são feitos, que são definidas prioridades, fixados objetivos e estimados os recursos financeiros necessários à realização das políticas públicas inseridas no orçamento sob a forma de programas- e os recursos para investimentos e para a manutenção e funcionamento da máquina pública.
O PROCESSO É COORDENADO PELA SOF, com a participação dos Órgãos Setoriais, das Unidades Orçamentárias e Unidades Administrativas. 
É nessa fase que as propostas são feitas. 
Os Poderes Legislativo (incluindo o Tribunal de Contas), o Judiciário, o Ministério Público e a Defensoria Pública também elaboram suas propostas orçamentárias, que posteriormente serão consolidadas pela SOF num único orçamento.
A Secretaria de Orçamento Federal (SOF) CONSOLIDA O PROCESSO ORÇAMENTÁRIO ANUAL e envia à Casa Civil e a Presidência da República. 
O projeto de LOA é encaminhado pelo Presidente da República ao Congresso Nacional até o dia 31 de agosto de cada ano.
1- Feito o planejamento, o Poder Executivo deve encaminhar ao Parlamento o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO, inovação da Constituição Federal de 1988, que constitui o elo entre planejamento e orçamento.
A LDO estipula PRIORIDADES para Administração pública federal, portanto nem toda a programação prevista no PPA tem que estar presente nas LDO, pois o plano vale por 4 anos, enquanto a LDO, apenas por 1 ano
2- EM SEGUIDA, a proposta para o orçamento do exercício subsequente é encaminhada ao Congresso, que deve assegurar a compatibilidade com a LDO e com o PPA.
Obs.: Note que PALUDO adota a linha temporal mais lógica: 
PRIMEIRO a LDO é enviada, para DEPOIS a LOA será enviada, assegurando assim que a LOA seja compatível TANTO com a LDO QUANTO com o PPA.
De acordo com o Art. 22 da Lei n. 4320/1964, no que diz respeito ao seu conteúdo, a PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA que o Poder Executivo encaminhará ao Congresso Nacional nos prazos estabelecidos nas Constituições e nas leis orgânicas dos municípios, SERÁ COMPOSTA POR:
1- MENSAGEM, que conterá exposição circunstanciada da situação econômico- -financeira, documentada com demonstração da dívida fundada e flutuante, saldos de créditos especiais, restos a pagar e outros compromissos financeiros exigíveis; exposição e justificação da política econômico-financeira do governo; justificação da receita e despesa, particularmente no tocante ao orçamento de capital
2) Projeto de Lei de Orçamento. 
3) Tabelas explicativas sobre receitas e despesas de vários anos, em colunas distintas e para fins de comparação.
4) Especificação dos programas especiais de trabalho custeados por dotações globais, em termos de metas visadas, decompostas em estimativa do custo das obras a realizar e dos serviços a prestar, acompanhadas de justificação econômica, financeira, social e administrativa. 
ATIVIDADES PRELIMINARES INERENTES À ALOCAÇÃO DOS RECURSOS
Fixação da meta fiscal
Projeção de receitas
Projeção das despesas obrigatórias 
Apuração das despesas discricionárias.
Q564397 As etapas do processo orçamentário incluem a fixação das metas de resultado fiscal, a estimativa da receita, o cálculo da necessidade de financiamento do governo central e a fixação dos valores para despesas obrigatórias.
CORRETO. Isso aqui é tudo dentro da fase de planejamento.
De maneira geral, podemos dividir A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA EM 4 FASES: 
1- PLANEJAMENTO: Definição de diretrizes e OBJETIVOS.
2-PROGRAMAÇÃO: definição das ATIVIDADES necessárias para atingir os objetivos
3- PROJETO: definição dos insumos \u2013 materiais e mão de obra \u2013 para realizar as atividades. Seria definir os RECURSOS DE TRABALHO necessário para se realizar as atividades. 
4- ORÇAMENTAÇÃO: definição dos custos e recursos para a execução de projetos, os quais devem conter a definição da quantidade de produto a ser ofertado à sociedade ao final de seu período de execução. Seria definir os RECURSOS FINANCEIROS para pagar os recursos de trabalho.
Q495593 Na técnica de elaboração do orçamento público, a orçamentação diz respeito aos valores financeiros de custos e recursos disponíveis para a execução de projetos, os quais devem conter a definição da quantidade de produto a ser ofertado à sociedade ao final de seu período de execução.
CORRETO. Aqui estamos dentro da fase de elaboração do orçamento. 
ENCAMINHAMENTO 
A LDO é encaminhada até 15 DE ABRIL e contém os limites de gastos, definidos de forma conjunta, para o exercício seguinte. 
4 meses e meio antes do término do exercício financeiro.
É o ministério do planejamento que define os limites de gastos constados na LDO, para todos os órgãos.
A LOA FEDERAL CONSOLIDADA tem até 31 DE AGOSTO para ser encaminhada pelo Executivo. 
A LOA consolidada é uma consolidação feita através da SOF/Ministério do Planejamento das LOAs do executivo, judiciário, MP e DP)
CUIDADO: O fechamento, compatibilização e consolidação da proposta de orçamento da UNIÃO, é competência exclusiva da SOF. 
Os órgãos setoriais enviam suas propostas setoriais para a SOF, cabe à SOF consolidar essas proposta setoriais. 
A SOF: Define estratégias e diretrizes do processo de elaboração da LOA. Nesse sentido, as unidades orçamentarias dos outros poderes e órgãos também estarão vinculadas as diretrizes técnicas da SOF.
O processo de detalhamento da proposta setorial, via SIOP, COMPREENDE TRÊS ETAPAS/MOMENTO DECISÓRIAS: 
UO (Unidade Orçamentária)
Órgão setorial 
Órgão Central
Cada momento é tratado exclusivamente pelos atores orçamentários responsáveis pela respectiva etapa decisória E NÃO PODE SER COMPARTILHADO, o que confere privacidade e segurança aos dados.
PROPOSTAS PARCIAIS \u2013 LEI 4320
Art. 27. As propostas parciais de orçamento guardarão estrita conformidade com a política econômica-financeira, o programa anual de trabalho do Governo e, quando fixado, o limite global máximo para o orçamento de cada unidade administrativa.
Art. 28 As propostas parciais das unidades administrativas, organizadas em formulário próprio, SERÃO ACOMPANHADAS DE:
I - tabelas explicativas da despesa, sob a forma estabelecida no artigo 22, inciso III,