Resumo ciclo orcamentário
41 pág.

Resumo ciclo orcamentário


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.930 materiais16.569 seguidores
Pré-visualização10 páginas
letras d, e e f;
II - justificação pormenorizada de cada dotação solicitada, com a indicação dos atos de aprovação de projetos e orçamentos de obras públicas, para cujo início ou prosseguimento ela se destina.
Art. 29. Caberá aos órgãos de contabilidade ou de arrecadação organizar demonstrações mensais da receita arrecadada, segundo as rubricas, para servirem de base a estimativa da receita, na proposta orçamentária.
Parágrafo único. Quando houver órgão central de orçamento, essas demonstrações ser-lhe-ão remetidas mensalmente.
Art. 30. A estimativa da receita terá por base as demonstrações a que se refere o artigo anterior à arrecadação dos três últimos exercícios, pelo menos bem como as circunstâncias de ordem conjuntural e outras, que possam afetar a produtividade de cada fonte de receita.
Art. 31. As propostas orçamentárias parciais serão revistas e coordenadas na proposta geral, considerando-se a receita estimada e as novas circunstâncias.
Etapas da elaboração do MTO
DE ACORDO COM O MTO: (Esse era do 2018 , mas está IGUAL ao 2019)
Isso aqui se chama PROCESSO DE ELABORAÇÃO ORÇAMENTÁRIA
1 Planejamento do processo de elaboração
2 Definição de macrodiretrizes
3 Revisão da estrutura programática
4 Elaboração de pré proposta
5 Avaliação da Necessidade de financiamento pelo governo central para a proposta orçamentaria
6 Estudo, Definição e divulgação dos limites para as propostas setoriais
7 Captação da proposta setorial
8 Analise e ajuste da proposta setorial
9 Fechamento, Compatibilização e Consolidação da Proposta Orçamentária
10 Elaboração e Formalização da Mensagem Presidencial e do Projeto de Lei Orçamentária
11 Elaboração e Formalização das Informações Complementares ao PLOA
Q934523 O ciclo orçamentário inicia-se com a definição das macrodiretrizes e encerra-se com a mensagem presidencial comunicando a aprovação do orçamento anual
FALSO. A mesma listinha do MTO de sempre.
Q928342 A revisão da estrutura programática somente pode ocorrer depois da definição das macrodiretrizes de governo.
CORRETO. Caiu agora no IPHAN 2018 mas foi de analista.
Q557727 Durante o processo de elaboração orçamentária, a revisão da estrutura programática do orçamento depende da definição prévia das macrodiretrizes.
CORRETO. Note que revisar estrutura programática vem DEPOIS da definição das macrodiretrizes.
Q560344 Após a análise e o ajuste das propostas orçamentárias setoriais, deve-se realizar a avaliação das necessidades de financiamento do governo central a partir das estimativas de receitas. 
FALSO. Primeiro avalia necessidades de financiamento , depois analisa e ajustas as setoriais.
Q644841 A revisão da estrutura programática do projeto da lei orçamentária anual deve ser feita após a definição e a divulgação dos limites das propostas setoriais.
FALSO. Vem antes!
Q874843 A proposta orçamentária dos órgãos setoriais somente poderá ser elaborada depois que forem estimadas as necessidades de financiamento do governo central.
CORRETO. Estimativa de financiamento é etapa (5) e captação da proposta setorial é etapa (7). Certamente será depois.
Q842408 As metas e os riscos fiscais são gerados na etapa de planejamento do processo de elaboração do orçamento anual.
FALSO. É na etapa de definição de macrodiretrizes (o MTO que detalha o que tem dentro de cada uma dessas etapas)
MTO SOBRE O PROCESSO DE ELABORAÇÃO:
O processo de elaboração do PLOA se desenvolve no âmbito do Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal e envolve um conjunto articulado de tarefas complexas e um cronograma gerencial e operacional com especificação de etapas, de produtos e da participação dos agentes. Esse processo compreende a participação dos órgãos central, setoriais e das UOs, o que pressupõe a constante necessidade de tomada de decisões nos seus vários níveis. 
Para nortear o desenvolvimento do seu processo de trabalho, a SOF UTILIZA AS SEGUINTES PREMISSAS: 
Orçamento visto como instrumento de viabilização do planejamento do Governo; 
Ênfase na análise da finalidade do gasto da Administração Pública, transformando o orçamento em instrumento efetivo de programação, de modo a possibilitar a implantação da avaliação das ações; 
Acompanhamento das despesas que constituem obrigações constitucionais e legais da União, nos termos do art. 9º, § 2º, da LRF; 
Ciclo orçamentário desenvolvido como processo contínuo de análise e decisão ao longo de todo o exercício; 
Avaliação da execução orçamentária com o objetivo de subsidiar a elaboração da proposta orçamentária, com base em relatórios gerenciais, conferindo racionalidade ao processo; 
Atualização das projeções de receita e de execução das despesas e de elaboração da proposta orçamentária, com o intuito de se atingir as metas fiscais fixadas na LDO; e
Elaboração do projeto e execução da LOA, realizadas de modo a evidenciar a transparência da gestão fiscal, permitindo o amplo acesso da sociedade. 
No que concerne especificamente à elaboração da proposta orçamentária para 2019, ESSA DEVERÁ ESTAR COMPATÍVEL 
Com o PPA 2016-2019
Com a LDO 2019
Com os ditames da Emenda Constitucional nº 95 \u2013 EC 95, de 15 de dezembro de 2016, que instituiu o Novo Regime Fiscal que vigorará por vinte exercícios financeiros por meio da inclusão dos arts. 106 a 114 no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias - ADCT.
CUIDADO: O processo de elaboração da proposta orçamentária para os Poderes Legislativo e Judiciário, para o Ministério Público da União e Defensoria Pública da União apresenta as seguintes peculiaridades: 
1- O art. 26 da LDO 2019 determina que o envio da proposta orçamentária desses órgãos à SOF se dará até 15 de agosto de 2018; (executivo é 31 de agosto)
2- O Poder Judiciário e o Ministério Público da União deverão encaminhar à CMO parecer de mérito de suas propostas orçamentárias elaborado pelo Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, respectivamente, conforme estabelece o § 1º do art. 26 da LDO 2019; e 
3- O art. 27 da LDO 2019 estabelece os limites orçamentários para a despesa primária para a elaboração de suas respectivas propostas orçamentárias.
Com a implementação da Emenda Constitucional nº 95, que estabeleceu o Novo Regime Fiscal, ficaram estabelecidos que os limites para as despesas primárias (com as exceções listadas no § 6º do art. 107 do ADCT) seriam, para o exercício de 2019, os valores do limite referente ao exercício imediatamente anterior, corrigido pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA, publicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, ou de outro índice que vier a substituí-lo, para o período de doze meses encerrado em junho do exercício anterior a que se refere a lei orçamentária.
2- Discussão / Aprovação / Sansão
Questões de prova
Q593791 Caso se tenha iniciado o exercício financeiro e o projeto de lei orçamentária anual ainda não tenha sido aprovado no Poder Legislativo, a própria lei orçamentária do exercício anterior prevê os procedimentos para liberação de recursos financeiros.
Parte superior do formulário
FALSO. Quem prevê os procedimentos É A LDO. Neste caso , geralmente as LDO preveem que será executada normalmente a programação prevista no PLOA , até que ele seja votado.
Q219141 O presidente da República deve enviar ao Congresso Nacional, 8 meses antes do encerramento do exercício financeiro, o projeto anual de Lei de Diretrizes Orçamentárias. O Congresso Nacional deverá devolvê-lo para a sanção presidencial até o encerramento do primeiro período da legislatura, que não será interrompida sem a aprovação do projeto.
FALSO. tem dois erros:
I) É até 8 meses E MEIO antes do encerramento do exercício 
II) O CN devolve para sansão até o encerramento da primeira SESSÃO (O ano tem 2 sessões legislativas )
Q360941 O envio, pelo Poder Executivo, da proposta orçamentária anual ao Poder Legislativo independe da aprovação e publicação da lei de diretrizes orçamentárias.