Resumo ciclo orcamentário
41 pág.

Resumo ciclo orcamentário


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.930 materiais16.577 seguidores
Pré-visualização10 páginas
públicas bem como discussões e consultas.
O Congresso Nacional revisa a previsão, que pode ser maior ou menor do que a do Poder Executivo. 
SE FOR MAIOR, haverá receitas em maior quantidade que despesas e o excesso de receitas poderá ser utilizado para o atendimento às emendas parlamentares.
Cabe lembrar que a revisão da estimativa de receitas pode ser feita em qualquer momento durante a tramitação da lei orçamentária no Congresso Nacional.
Depois que a CMO examine e emite o Parecer, e encaminha o projeto de lei para o Congresso Nacional aprovar, NÃO SERÃO MAIS ADMITIDAS emendas ao projeto pelos parlamentares, será apenas permitido \u201cdestaques\u201d.
A aprovação do Projeto de lei é feito EM CADA UMA DAS CASAS DO CN, por maioria SIMPLES 
Pois a LOA é uma lei ordinária embora com rito especial.
Após a votação/aprovação, o projeto é novamente enviado ao Presidente da República para sanção e publicação no Diário Oficial da União
No caso da União:
I) SOF encaminha a proposta via SIOP para a Casa civil (presidente da República)
II) A casa civil envia mensagem para o Legislativo (CMO - Congresso Nacional) 
III) A CMO faz um estudo e devolve a proposta para o Congresso para sua aprovação em seção conjunta das duas casas. 
IV) Uma vez aprovada a proposta, ela é devolvida para a Presidência da República para sansão (esse documento final para a sansão é chamado de autógrafo). 
V) O Presidente tem 15 dias para assinar o autógrafo, não importando veto o silencio. É permitido que o PR vete partes da proposta. O prazo máximo para assinar ao autógrafo é até 22 de dezembro.
O projeto de lei da LDO não pode ser reprovado, e o congresso nacional não pode entrar em recesso no meio do ano sem que se tenha uma LDO aprovada (até 17 de julho)
O projeto de lei da LOA pode ser rejeitado, e o congresso nacional pode entrar em recesso sem que se tenha uma LOA aprovada.
Prazos
Os prazos inerentes ao ciclo orçamentário estão no ADCT 
São prazos para a UNIÃO. Para os Estados, o DF e os Municípios, valem os prazos dispostos respectivamente nas suas constituições estaduais e nas leis orgânicas
§ 2º Até a entrada em vigor da lei complementar a que se refere o art. 165, § 9.º, I e II, serão obedecidas as seguintes normas:
I \u2013 O PROJETO DO PLANO PLURIANUAL, para vigência até o final do primeiro exercício financeiro do mandato presidencial subsequente, será encaminhado até 4 MESES (31 Agosto) antes do encerramento do PRIMEIRO exercício financeiro e devolvido para sanção até o encerramento da sessão legislativa (22 dezembro);
III \u2013 O PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DA UNIÃO será encaminhado até 4 MESES (31 de Agosto) antes do encerramento do exercício financeiro e devolvido para sanção até o encerramento da sessão legislativa (22 dezembro).
II \u2013 O PROJETO DE LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS será encaminhado até 8 meses e meio (15 de Abril) antes do encerramento do exercício financeiro e devolvido para sanção até o encerramento do primeiro período da sessão legislativa (17 julho);
É importante registrar que caso o Congresso Nacional não receba a proposta orçamentária no prazo fixado, caberá ao mesmo apreciar novamente o orçamento em vigência e já em execução como se fosse uma nova proposta orçamentária.
3- Execução do orçamento
Coisas de prova
Q558569 A execução do orçamento por duodécimos é reveladora da disposição de uma distribuição equitativa das despesas ao longo do exercício
Deu FALSA. Provavelmente por causa de um Julgado do STF que diz que os duodécimos visam além da distribuição equitativa , uma distribuição PRIORITÁRIA das dotações.
Nesse sentido, entendo que o repasse duodecimal deve ocorrer \u201caté o dia 20 de cada mês\u201d (art. 168 da CF/88), a fim de garantir o autogoverno do Poder Judiciário \u2013 o qual não se sujeita \u201cà programação financeira e ao fluxo da arrecadação\u201d do Poder Executivo respectivo -, tendo em vista ser o repasse \u201cuma ordem de distribuição prioritária (não somente equitativa) de satisfação das dotações orçamentárias\u201d (MS nº 21.450/MT, Rel. Min. Octavio Gallotti, Tribunal Pleno, DJ de 5/6/92)
Q536249 Para que seja realizada a execução orçamentária, é necessária a existência, em conjunto, de dotação orçamentária e de recursos financeiros.
CORRETO. Quando dizemos isso, estamos confundindo execução orçamentária com execução financeira. Isso acontece porque na prática as coisas andam juntas. As duas execuções ocorrem ao mesmo tempo e de forma interdependente. Mesmo assim, é possível entender as diferenças e no que uma depende da outra. Ou seja havendo Dotação Orçamentária e não existindo o Recurso Financeiro, não poderá ocorrer a despesa. Por outro lado, pode haver recurso financeiro, mas se não tiver dotação orçamentária, não será permitido realizar o gasto.
I) RESUMINDO: Na execução propriamente dita , realmente precisamos tanto do orçamentário quanto do financeiro. O orçamentário autoriza o gasto , e o financeiro é o que realmente \u201cpaga\u201d o gasto.
Q393615 Devem ser revertidos ao Tesouro Nacional os saldos de créditos orçamentários não utilizados até o encerramento de cada exercício financeiro.
FALSO. É o lance da diferença entre Orçamento e Finanças. As finanças (os saldos em caixa) que não forem utilizados devem mesmo ser revertidos a conta do Tesouro. 
Os créditos orçamentários (dotações) vão sumir , já que o orçamento só tem vigência para o exercício em curso , e os empenhos serão inscritos em RP (o que não tiver sido empenhado da dotação se perde).
Q333692 O orçamento pode ser modificado para atender situações não previstas; para isso, podem ser utilizados os novos mecanismos retificadores do orçamento, os quais, conforme lei vigente, incluem os créditos complementares, os remanejamentos, as transposições e as transferências intragrupos.
FALSO. Falaram que a única maneira de se alterar o orçamento (A LEI DO ORÇAMENTO) é mediante a abertura de créditos ADICIONAIS. (Somente isso pode alterar o texto da lei). 
Note que emendas são uma maneira de alterar o orçamento , mas somente ANTES da execução \u2013 pois só pode propor emenda ao PLOA , uma vez o PLOA se tornado LOA , somente pode alterá-lo por créditos adicionais.
Q80305 No âmbito da execução orçamentária, o termo crédito não se confunde com o conceito de recurso. 
CORRETO. CRÉDITO é orçamentário, dotação ou autorização de gasto ou sua descentralização./ RECURSO é financeiro, portanto, dinheiro ou saldo de disponibilidade bancária.
Q680791 Considerando-se a definição dos termos crédito e recurso no contexto da técnica orçamentária, é correto afirmar que a execução financeira trata da utilização dos créditos consignados na LOA.
FALSO. Ele inverteu.
1- A Execução ORÇAMENTÁRIA pode ser definida simplesmente como a utilização dos créditos consignados na Lei Orçamentária Anual \u2013 LOA. 
É a utilização dos CRÉDITOS consignados no orçamento.
2- A Execução FINANCEIRA: representa a utilização de recursos financeiros, visando atender à realização dos projetos e/ou atividades atribuídas às unidades orçamentárias pelo orçamento.
Teoria
Após a publicação da Lei Orçamentária Anual (LOA), a SOF descentraliza as dotações ORÇAMENTÁRIAS aos Órgãos Setoriais através de Nota de Dotação (ND). 
Os Órgãos Setoriais, por sua vez, descentralizam esses créditos orçamentários para as Unidades Orçamentárias, entidades e demais beneficiários do Orçamento Público, através de Nota de Crédito (NC). 
Inicia-se, então, a fase de execução.
Essa fase consiste na arrecadação das receitas e na realização das despesas, tornando real o que fora planejado e programado.
 A execução orçamentária completa-se com a execução financeira. Esta passa pela programação dos recursos financeiros de forma a garantir o atendimento à demanda de recursos a órgãos e entidades da Administração Pública direta e indireta.
PROGRAMAÇÃO:
Lei 4320:
Art. 47. Imediatamente após a promulgação da Lei de Orçamento e com base nos limites nela fixados, o Poder Executivo aprovará um QUADRO DE COTAS TRIMESTRAIS da despesa que cada