Resumo ciclo orcamentário
41 pág.

Resumo ciclo orcamentário


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.930 materiais16.572 seguidores
Pré-visualização10 páginas
dar-se-á de forma proporcional às reduções efetivadas.
§ 2o Não serão objeto de limitação as despesas que constituam obrigações constitucionais e legais do ente, inclusive aquelas destinadas ao pagamento do serviço da dívida, e as ressalvadas pela lei de diretrizes orçamentárias.
Controle Interno - CF:
Art. 74. Os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário manterão, de forma integrada, sistema de controle interno com a finalidade de:
I -  avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual, a execução dos programas de governo e dos orçamentos da União;
II -  comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficácia e eficiência, da gestão orçamentária, financeira e patrimonial nos órgãos e entidades da administração federal, bem como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado;
III -  exercer o controle das operações de crédito, avais e garantias, bem como dos direitos e haveres da União;
IV -  apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional.
§ 1º Os responsáveis pelo controle interno, ao tomarem conhecimento de qualquer irregularidade ou ilegalidade, dela darão ciência ao Tribunal de Contas da União, sob pena de responsabilidade solidária.
Note que eles darão ciência AO TCU! (Não é ao poder legislativo nem \u201cautoridade\u201d)
§ 2º Qualquer cidadão, partido político, associação ou sindicato é parte legítima para, na forma da lei, denunciar irregularidades ou ilegalidades perante o Tribunal de Contas da União.
Controle externo:
Fica a cargo do CONGRESSO NACIONAL, com auxílio do Tribunal de Contas da União:
- Apreciar as contas prestadas anualmente pelo Presidente da República, mediante parecer prévio que deverá ser elaborado em sessenta dias a contar de seu recebimento.
- Julgar as contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiro, bens e valores públicos da administração direta e indireta (e sociedades e fundações).
- Julgar as contas daqueles que derem causa a perda, extravio ou outra irregularidade de que resulte prejuízo ao erário público.
- Apreciar, para fins de registro, a legalidade dos atos de admissão de pessoal, a qualquer título, na administração direta e indireta, incluídas as fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, excetuadas as nomeações para cargo de provimento em comissão, bem como a das concessões de aposentadorias, reformas e pensões, ressalvadas as melhorias posteriores que não alterem o fundamento legal do ato concessório; 
- Realizar, por iniciativa própria, da Câmara dos Deputados, do Senado Federal, de Comissão técnica ou de inquérito, inspeções e auditorias de natureza contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial, nas unidades administrativas dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário.
- Fiscalizar as contas nacionais das empresas supranacionais
- Fiscalizar a aplicação dos recursos repassados pela união por meio de convênios.
- Aplicar, aos responsáveis, em caso de ilegalidade de despesa ou irregularidade de contas, sanções previstas em lei, que estabelecerá, entre outras cominações, multa proporcional ao dano causado ao erário.
Contas do Presidente da República:
Apreciada pelo TCU (aprecia em até 60 dias do recebimento delas).
Julgada pelo Congresso Nacional.
Contas do Governador:
Julgada pela assembleia legislativa, com auxílio do tribunal de contas do Estado.
Contas do prefeito:
Julgada pela Câmara dos vereadores, com um parecer prévio do Tribunal de contas (se tiver no município) ou então por peritos contadores designados pela câmara dos vereadores.
Aqui o parecer das contas pode ser rejeitado pelo voto de 2/3 da câmara dos vereadores.
Contas dos administradores:
Apreciadas e julgadas pelo TC
Controle segundo a lei 4320/64
Q337483 O órgão encarregado da elaboração da proposta orçamentária deve ser o responsável pela verificação do cumprimento do programa de trabalho expresso em termos monetários e em termos de realização de obras e prestação de serviços
CORRETO. Aplicação do controle segundo a 4320
Controle da execução ORÇAMENTÁRIA:
Art. 75. O controle da execução orçamentária compreenderá:
 I - A legalidade dos atos de que resultem a arrecadação da receita ou a realização da despesa, o nascimento ou a extinção de direitos e obrigações;
 II - A fidelidade funcional dos agentes da administração, responsáveis por bens e valores públicos; 
III - o cumprimento do programa de trabalho expresso em termos monetários e em termos de realização de obras e prestação de serviços.
Art. 79. Ao órgão incumbido da elaboração da proposta orçamentária ou a outro indicado na legislação, caberá o controle estabelecido no inciso III do artigo 75.
Parágrafo único. Esse controle far-se-á, quando for o caso, em termos de unidades de medida, previamente estabelecidos para cada atividade
CONTROLE DO EXECUTIVO - INTERNO
Art. 76. O Poder Executivo exercerá os TRÊS TIPOS DE CONTROLE (legalidade/fidelidade/cumprimento dos programas de trabalho) a que se refere o artigo 75, sem prejuízo das atribuições do Tribunal de Contas ou órgão equivalente. 
Art. 77. A verificação da legalidade dos atos de execução orçamentária será prévia, concomitante e subsequente. 
Art. 78. Além da prestação ou tomada de contas anual, quando instituída em lei, ou por fim de gestão, poderá haver, a qualquer tempo, levantamento, prestação ou tomada de contas de todos os responsáveis por bens ou valores públicos.
Art. 80. Compete aos serviços de contabilidade ou órgãos equivalentes verificar a exata observância dos limites das cotas trimestrais atribuídas a cada unidade orçamentária, dentro do sistema que for instituído para esse fim.
Controle EXTERNO- LEGISLATIVO
Art. 81. O controle da execução orçamentária, PELO PODER LEGISLATIVO, terá por objetivo verificar a probidade da administração, a guarda e legal emprego dos dinheiros públicos e o cumprimento da Lei de Orçamento.
Art. 82. O Poder Executivo, anualmente, prestará contas ao Poder Legislativo, no prazo estabelecido nas Constituições ou nas Leis Orgânicas dos Municípios. 
§ 1º As contas do Poder Executivo serão submetidas ao Poder Legislativo, com Parecer prévio do Tribunal de Contas ou órgão equivalente. 
§ 2º Quando, no Município não houver Tribunal de Contas ou órgão equivalente, a Câmara de Vereadores poderá designar peritos contadores para verificarem as contas do prefeito e sobre elas emitirem parecer.
Q564407 O Poder Executivo exerce o controle da execução orçamentária, com o objetivo de verificar a honestidade da administração pública, a guarda e o emprego legal dos recursos financeiros públicos e o cumprimento da execução orçamentária.
FALSO. Quem faz esse controle de probidade, guarda e cumprimento do orçamento É O LEGISLATIVO!
Controle social
Podemos dizer que Controle Social é a integração da sociedade com a administração pública, com a finalidade de solucionar os problemas e as deficiências sociais com mais eficiência. Essa participação é importante porque contribui para a boa e correta aplicação dos recursos públicos, fazendo com que as necessidades da sociedade sejam atendidas de forma eficiente
Em termos Orçamentários, o Controle social deve ocorrer tanto no planejamento como na execução orçamentária. 
Registre-se que a sociedade deve participar não apenas da elaboração dos instrumentos de planejamento (PPA, LDO e LOA), mas, inclusive, do processo de apreciação e votação nas casas legislativas
Papel de Órgãos no Planejamento do orçamento
SOF
Q557731 Compete ao órgão setorial de planejamento e orçamento estabelecer as classificações orçamentárias da receita e da despesa das unidades orçamentárias sob sua jurisdição.
FALSO. É a SOF que estabelece as classificações orçamentarias (está explicito aqui no ROL).
Q607064 Cabe exclusivamente à Secretaria de Orçamento Federal (SOF) a solicitação de alteração orçamentária.
FALSO. No ROL da SOF não tem nada disso. Pode partir da SOF, da UO ou do