resumo princípios orçamentários
36 pág.

resumo princípios orçamentários


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.928 materiais16.550 seguidores
Pré-visualização8 páginas
acho que feriria mais o princípio da especificidade (discriminação).
LRF Art. 4º A Lei de Diretrizes Orçamentárias atenderá o disposto no § 2º do art. 165 da Constituição e: 
I \u2013 disporá também sobre: 
a) equilíbrio entre receitas e despesas.
É um princípio fundamental para o controle dos gastos públicos, que tem base legal na LRF. Possui duas vertentes, formal e Material
1- Formal: Previsão de receitas = fixação das despesas de acordo com a LOA. 
2- Material (real): Busca equilíbrio na execução do orçamento, como utilizar receitas de capital para financiar despesas de capital, e não para despesas correntes.
O Brasil permite o desequilibro MATERIAL, vez que permite mediante fundamentação e aprovação contratar operação de crédito para custear despesa que não seja de capital
Mas veda em qualquer caso o desequilíbrio FORMAL, vez que na LOA a fixação de despesas não pode ultrapassar a previsão de receitas.
No Brasil de hoje, a LOA é aprovada com o equilíbrio formal, mesmo sem haver recursos próprios para cobrir os gastos,
Guarde que o equilíbrio a ser buscado pela LRF é o equilíbrio autossustentável, ou seja, aquele não baseado em operações de crédito e no aumento da dívida pública.
- O princípio de equilíbrio não é norma da hierarquia constitucional. 
A própria constituição PERMITE que tenha receitas sem destinação, então o equilíbrio pode ser quebrado. 
\u201cExistem previsão (autorizada) de déficit orçamentário dentro da LOA , desde que apresentada a fonte do recurso para suportar esse déficit\u201d.
Uma das FORMAS DE GARANTIR O EQUILÍBRIO está no Artigo 9 da LRF:
Fala da limitação do empenho como forma de garantir o equilíbrio. Existe um controle bimestral, Se verificado que a receita arrecadada não comportará as despesas fixadas, os Poderes e o MINISTÉRIO público promoverão a limitação do empenho nos 30 dias subsequentes. 
Montante que será objeto de limitação será o montante que está em desiquilíbrio. Não poderão ser objetos de limitação: Despesas obrigatórias (Pagamento de pessoal, Transferências constitucionais, serviço da dívida ). Limita-se as despesas discricionárias (Despesas como agua, luz, compra de material para a organização).
Artigo 15 a 17 da LRF: É obrigatório a indicação da fonte de recursos para financiar uma despesa. Ainda mostram que o ordenador de despesas tem que atestar que existe compatibilidade com o orçamento e também deve mostrar o impacto financeiro que esse investimento vai gerar em 3 exercícios financeiros.
 Não precisam indicar fonte: Recomposição salarial dos servidores e para pagamentos do serviço da dívida.
REGRA DE OURO DA ADMINISTRAÇÃO: (artigo 167) :
- Vedado realizar operações de créditos superiores ao valor das despesas de capital.
 Em suma, seria usar receita corrente para pagar despesa corrente, operações de crédito para financiar despesas de capital. Não é recomendável utilizar operação de crédito para financiar despesas correntes (Dilapidação do patrimônio Público).
Exceção: pode-se utilizar operação de crédito para financiar as despesas correntes, mediante autorização legislativa por maioria absoluta e finalidade precisa.
\u201c É vedado operações de crédito que excedam o montante das despesas de capital, ressalvadas as autorizadas mediante créditos suplementares ou especiais com finalidade precisa, aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta\u201d
Uniformidade (consistência): 
Q350073 O orçamento deve atender ao requisito de uniformidade no que se refere ao aspecto formal para permitir a comparabilidade ao longo dos exercícios financeiros
Q643264 O princípio orçamentário da uniformidade pode ser cumprido ainda que dois entes federativos classifiquem uma mesma despesa de formas diferentes. 
CORRETO. 
- Conceitos e critérios de elaboração da LOA sejam uniformes, viabilizando uma comparação ao longo do tempo.
Tem como objetivo permitir a comparação de orçamento de diversos anos. Os aspectos formais de apresentação da LOA devem ser uniformes ao longo do tempo, para poder possibilitar comparar orçamentos de vários períodos.
É obrigatório classificar as despesas e receitas sempre com os mesmos gêneros dentro do MESMO ENTE FEDERATIVO. 
CUIDADO: Se dois entes classificam uma mesma despesa diferentemente, não significa que o princípio da uniformidade foi ferido, pois este princípio é para referência dentro do mesmo ente. 
Clareza (objetividade / Inteligibilidade)
Q337462A utilização de linguagem simples e inteligível, como forma de dar transparência ao orçamento público, atende ao princípio orçamentário da clareza.
O orçamento deve ser de fácil compreensão. Orçamento deve ser objetivo e claro para todos os cidadãos, evitando-se que termos técnicos inviabilizem a leitura.
Exatidão
Q854477 O princípio da exatidão determina que o orçamento público deva ser apresentado em linguagem compreensível a todas as pessoas que precisem ou desejem acompanhá-lo.
FALSO. Exatidão É DIFERENTE DE CLAREZA ! Essa questão fala sobre clareza.
De acordo com esse princípio as estimativas devem ser tão exatas quanto possível, de forma a garantir à peça orçamentária um mínimo de consistência para que possa ser empregado como instrumento de programação, gerência e controle.
GIACOMONI: A exatidão orçamentária envolve questões técnicas e éticas. Desde os primeiros diagnósticos e levantamentos com vistas na elaboração da proposta orçamentária, deve existir grande preocupação com a realidade e com a efetiva capacidade do setor público de nela intervir de forma positiva por intermédio do orçamento. A regra deve ser observada não apenas pelos setores encarregados da política orçamentária, mas também por todos os órgãos executivos que solicitam recursos para a implementação de programas e projetos.
 A difundida prática de superdimensionamento da solicitação de recursos baseada na inevitalidade dos cortes configura clara violência ao princípio da exatidão, artificializando a elaboração do orçamento
(CESPE/Técnico Judiciário/Contabilidade/TRE-ES/2011) O superdimensionamento das solicitações de dotações orçamentárias é uma prática muito comum. Além de comprometer o princípio da exatidão, tal prática provoca a ruptura do equilíbrio, por pressupor a exigência de uma receita maior que a necessária.
CORRETO. Giacomoni diz também que o superdimensionamento da solicitação de recursos é uma violação ao princípio da exatidão, que artificializa a elaboração do orçamento. Por consequência, o equilíbrio também é violado.
Quantificação dos créditos orçamentários: 
É vedado a concessão ou utilização de créditos ilimitados.
SEM EXCEÇÕES. Mesmo guerras ou qualquer outra coisa.
Obs.: O que existe exceção é o princípio da ESPECIFICAÇÃO, que veda dotações GLOBAIS , mas tanto a reserva de contingencia quanto o PET podem ser atendidos por dotações globais.
RESUMINDO:
I) Conceder créditos ilimitados NUNCA pode , nem mesmo reserva de contingencia ou PET.
II) Dotações globais aceita exceção para reserva de contingência ou PET.
Proibição de Estorno:
REGRA:
Art. 167 É VEDADO: 
VI -  a transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de uma categoria de programação para outra ou de um órgão para outro, sem prévia autorização legislativa;
EXCEÇÃO
§ 5º A transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de uma categoria de programação para outra poderão ser admitidos, no âmbito das atividades de CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO, com o objetivo de viabilizar os resultados de projetos restritos a essas funções, mediante ato do Poder Executivo, sem necessidade da prévia autorização legislativa prevista no inciso VI deste artigo.
1- TRANSPOSIÇÃO: destinação de recursos de um programa de trabalho para outro, por meio de realocações do ente público dentro do mesmo órgão.
Dentro do mesmo órgão , mas entre programas diferentes.
2- TRANSFERÊNCIA: destinação de recursos dentro do mesmo órgão do mesmo programa de trabalho, por meio de realocações de recursos entre as categorias