Resumo orçamento técnicas e conceitos
53 pág.

Resumo orçamento técnicas e conceitos


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.928 materiais16.550 seguidores
Pré-visualização13 páginas
da função estabilizadora.
Manutenção de elevado nível de emprego
Estabilidade nos níveis de preço
O mecanismo básico da política de estabilização é, portanto, a ação estatal sobre a DEMANDA AGREGADA, aumentando-a e reduzindo-a conforme as necessidades.
A função estabilizadora, por meio da política fiscal e a política monetária, procura minimizar os efeitos dos ciclos econômicos - estes entendidos como oscilações nos níveis gerais de produto, emprego, renda e nível geral de preços da economia
3- Função Estabilizadora: Manter o pleno emprego e a estabilidade da moeda. Estado tira dinheiro do orçamento para conter a inflação, manter a moeda valorizada, gerar emprego e renda.
Q602498 O orçamento público, como instrumento de política de estabilização, visa promover o equilíbrio econômico com mudanças na receita e na despesa.
Q430515 O mecanismo básico da política de estabilização econômica é a ação estatal sobre a demanda agregada, uma vez que essa ação aumenta ou reduz a referida demanda conforme as necessidades.
Mudanças orçamentárias tanto na receita como na despesa podem ser acionadas pela política de estabilização. Exemplos são as mudanças nas alíquotas tributárias com reflexos na quantidade de recursos disponíveis junto ao setor privado, assim como a implantação de programas de obras públicas que visam absorver parcelas desempregadas de mão de obra.
Além dos instrumentos fiscais, a política de estabilização utiliza outros de cunho monetário com vistas ao controle da oferta monetária, variável de grande importância na consecução dos objetivos estabilizadores. Partindo da evidência de que o mercado é mau regulador da oferta de moeda, os governos criaram seus bancos centrais com a finalidade primeira de realizar esses controles, ajustando a oferta monetária às necessidades da economia
São exemplos:
Manutenção de determinados níveis de recursos disponíveis para aplicação pelos bancos
Controle da taxa de juros e lançamento de títulos públicos e funcionamento do open market
Q893244 Intervenção governamental direta é medida apropriada para solucionar problema de depressão por insuficiência de demanda de determinado sistema econômico.
CORRETO. O Estado estaria realizando sua função Estabilizadora \u2013 ele vai intervir diretamente na demanda. 
Q893245 A função estabilizadora do orçamento público diz respeito à capacidade do governo de combater os desequilíbrios regionais e sociais por meio dos gastos públicos.
FALSO. Cuidado pois os nomes confundem. Reduzir desiquilíbrios regionais e sociais é função Distributiva , não tem nada a ver com função estabilizadora \u2013 que é algo mais econômico e não social.
Q642785 O orçamento público viabiliza a intervenção do governo na atividade econômica com vistas à geração de emprego e renda.
CORRETO. É justamente uma das funções do orçamento.
Evolução da função do orçamento na economia
Para estudar a evolução das funções do orçamento na economia , nós estudamos conhecendo a evolução da DESPESA PÚBLICA.
PRINCIPAIS TEORIAS:
1- Adolpho Wagner (1880) \u2013 Lei de Wagner
À medida que cresce o nível de renda nos países industrializados, o setor público cresce sempre a taxas mais elevadas, de tal forma que a participação relativa do Governo na economia cresce com o próprio ritmo de crescimento econômico do país.
Em outras palavras: o desenvolvimento das modernas sociedades industriais gera, por si só, pressões crescentes em favor de aumentos do gasto público. O processo de urbanização demanda mais gastos com educação, saúde, segurança pública, infraestrutura etc.
 
OS FUNDAMENTOS DA LEI DE WAGNER SÃO OS SEGUINTES: 
1) o processo de industrialização é acompanhado do crescimento das funções administrativas e de segurança por parte do governo; 
2) o crescimento econômico (renda per capita) gera uma maior demanda por serviços essenciais como educação e saúde; 
3) as mudanças tecnológicas que demandam elevados investimentos fazem surgir monopólios em determinados setores econômicos.
2 - PEACOCK & WISEMAN (1967)
Para essa dupla de autores, o crescimento do gasto público é muito mais função das possibilidades de obtenção de recursos do que da expansão dos fatores que explicam o crescimento da demanda pelos serviços produzidos pelo governo. Na verdade, o que limita, de fato, o crescimento das atividades do governo é a possibilidade de expansão de sua oferta e esta, por sua vez, é limitada pelas possibilidades de incremento na carga tributária.
Em outras palavras: 
1) Os indivíduos demandam cada vez mais os bens produzidos pelo governo
2) Mas relutam em aceitar aumentos na tributação (para financiar uma oferta maior de serviços públicos). 
3) Assim, a resistência aos aumentos na tributação é o que limita o crescimento dos gastos, apesar das demandas sociais.
Obs.: GRANDES PERTURBAÇÕES de natureza política ou econômica \u2013 como as guerras, por exemplo \u2013 reduzem essa resistência. Essas perturbações causariam o chamado \u201cefeito-translação\u201d ou \u201cefeito-deslocamento\u201d.
I) Fatores exógenos podem diminuir a resistência da população aos aumentos da carga tributária, de modo que essa se eleva, permitindo o crescimento do gasto público.
Peacock e Wiseman falam também do chamado \u201cefeito-concentração\u201d, segundo o qual há uma tendência à progressiva concentração das decisões nos níveis mais elevados do governo, concomitantemente com a própria expansão da participação do setor público na economia
MUSGRAVE (1969), ROSTOW (1974) E HERBER (1979)
Para esses autores, há um padrão de crescimento dos gastos públicos associado ao nível de desenvolvimento social e econômico do país, de forma que é possível identificar três períodos marcantes:
a) pré-industrial: em que ocorre a formação de capital público, com fortes investimentos estatais em áreas estratégicas; 
b) de industrialização: em que se nota um menor envolvimento do setor público no processo de desenvolvimento econômico;
c) pós-industrial: em que se verifica um aumento da demanda por serviços sociais, exigindo maior presença do Estado.
Uma síntese de todas hipóteses teóricas leva a conclusão de que O CRESCIMENTO DAS DESPESAS PÚBLICAS PODE SER ATRIBUÍDO A MÚLTIPLOS FATORES (macro ou microeconômicos), cada qual com maior ou menor peso a depender do contexto histórico: 
- crescimento da renda nacional; - crescimento da renda per capita; - expansão demográfica e perfil da composição etária; - demanda dos indivíduos pelos bens públicos; - capacidade do governo de obter mais receitas; - limites para a expansão da oferta de bens públicos; - problemas ou distúrbios sociais, guerras etc. - mudanças políticas; - pressão de grupos sociais organizados; - desenvolvimento tecnológico; - gastos públicos em períodos anteriores etc.
Q297724 A alteração das preferências da sociedade é uma possível explicação para a mudança na forma de atuação do Estado na economia e a consequente expansão de suas funções
CORRETO. Este é um dos fatores que podem fazer com que amplitude das funções do Estado na economia se altere.
Evolução do orçamento (técnicas orçamentárias / Tipos de orçamentos / Espécies de orçamentos)
Introdução Geral
ESPÉCIES DE ORÇAMENTO (TÉCNICAS ORÇAMENTARIAS):
Identificam-se três marcos na história, que denotam três tipos de orçamento diferentes.
1- No século 13, com a carta magna assinada pelo rei João sem-terra, é considerado o EMBRIÃO do orçamento publico
2- Em 1822 na Inglaterra surge e se materializa o orçamento público, como sendo o ORÇAMENTO CLÁSSICO.
3- Fim do século 19, aproximadamente 1975, o orçamento adota uma nova postura baseada em planejamento, caracterizando o ORÇAMENTO MODERNO.
O Orçamento propriamente dito é apenas considerado em 1822 na Inglaterra, onde ele assume uma forma de documento acabado, utilizado para controle político, chamado de orçamento clássico
Q466178 CONTEXTO DE SURGIMENTO:
Orçamento Clássico surgiu na INGLATERRA (Século 19) ,
Orçamento Moderno Surgiu nos EUA (Início Século 20)
Q590143 O orçamento moderno caracteriza-se