Resumo orçamento técnicas e conceitos
53 pág.

Resumo orçamento técnicas e conceitos


DisciplinaAdministração Financeira e Orçamentária I1.930 materiais16.572 seguidores
Pré-visualização13 páginas
por ser um instrumento de administração.
CORRETO. Aqui é a clássica diferenciação de orçamento clássico e moderno. No clássico , era um instrumento de controle politico. No moderno , é um instrumento eminentemente administrativo (planejamento)
Q558574 No Brasil, o marco legal considerado como referência para a adoção do modelo orçamentário-padrão, para as três esferas de governo, foi a Lei n.º 4.320/1964, inclusive no que diz respeito a um plano de contas para toda a administração pública.
CORRETO. Sempre lembrar que o orçamento programa não é novidade da CF, Ele surgiu já na lei 4320.
Obs.: A novidade que a CF trouxe foi a divisão das três leis de orçamento (PPA / LDO /LOA). Na lei 4320 ele apenas fala sobre \u201cPlanos Plurianuais\u201d e \u201cLeis anuais de Orçamento\u201d \u2013 ainda não havia a figura da LDO.
Q936459 A Constituição Federal de 1988 consolidou a adoção do orçamento-programa ao vincular o processo orçamentário ao plano plurianual e à Lei de Diretrizes Orçamentárias
CORRETO. Note a visão do CESPE de que foi a CF/88 que inovou ao vincular o orçamento ao PPA e a LDO (o que confirma a visão de que a CF trouxe o PPA e a LDO)
Q927409 Orçamento é o plano contábil que expressa como as ações de governo serão executadas, por meio da aplicação de recursos (despesas) e suas formas de financiamento (receitas)
FALSO. Foi uma questão meio mal feita pois não diz qual orçamento estamos analisando. Mas isso foi em 2018 no IPHAN- então guardar essa visão do CESPE , se perguntar SECO sobre orçamento considerar que é o orçamento moderno.
Q330832 O orçamento não se restringe a um documento de caráter contábil e administrativo, se for elaborado e executado de acordo com técnicas orçamentárias modernas amplamente referendadas.
CORRETO. Essa questão responde a anterior \u2013 o orçamento moderno não é um documento meramente contábil , ele é um instrumento de planejamento acima de tudo.
Clássico (Tradicional)
Q110608 O orçamento público tradicional, cujo foco principal é o objetivo do gasto, não considera o planejamento a principal ferramenta administrativa
FALSO. Ele focava no OBJETO dos gastos e não no objetivo (fins) que é marca do orçamento programa.
Q338722 Historicamente, o orçamento inglês é importante por esboçar as convicções de natureza técnico-jurídica desse instrumento e por difundir a instituição orçamentária para outras nações.
CORRETO. Foi o primeiro documento a ser considero orçamento propriamente dito , era um documento formalmente acabo e contábil. De fato houve essa relevância de difundir o conceito orçamentário para outras nações. 
Q587388 O orçamento público tradicional é um instrumento disciplinador das finanças públicas, uma ferramenta de controle e um documento com previsão de metas sociais a serem alcançadas.
FALSO. Não havia objetivo social NENHUMA, era um mero documento contábil para contabilizar gastos e arrecadações.
Q603030 O orçamento tradicional ou clássico adotava linguagem contábil-financeira e se caracterizava como um documento de previsão de receita e de autorização de despesas, sem a preocupação de planejamento das ações do governo.
CORRETO. Lembrar que o orçamento clássico já trazia o lance de equilibro das contas , de prever receita e autorizar despesas , entretanto sem qualquer cunho administrativo , somente contábil.
Q699475 A técnica orçamentária na qual a estrutura do orçamento dá ênfase aos aspectos contábeis de gestão é a do orçamento tradicional.
CORRETO. Note que o orçamento moderno também possui a sua estrutura contábil , mas a ênfase não é nela. Ênfase no aspecto contábil realmente é orçamento CLÁSSICO.
ORÇAMENTO CLÁSSICO: Surgiu por volta de 1822 na Inglaterra. 
Ainda se usa hoje em dia alguns de seus aspectos, como o INCREMENTALISMO (por isso ele não está totalmente extinto). 
O orçamento é visto como uma ferramenta de controle político, com os aspectos econômicos deixados em segundo plano.
Foco no OBJETO dos gastos (O que o Estado está comprando - FOCO NOS MEIOS)
Não se preocupa com planejamento
Instrumento de controle e pressão política.
Foco na apresentação do orçamento : orçamento é um documento formalmente acabado, um mero instrumento contábil
Baseado em aspectos passados para prever o futuro (INCREMENTALISMO)
Os aspectos JURÍDICOS são mais importantes que aspectos econômicos
Pode-se dizer ainda que esse modelo orçamentário serviu também como uma ferramenta de controle político sobre o Poder EXECUTIVO, deixando em segundo plano os seus demais aspectos, quais sejam: econômico, contábil, administrativo e jurídico.
Orçamento assim classificado é, antes de qualquer coisa, um inventário dos \u201cmeios\u201d com os quais o Estado conta para levar a cabo suas tarefas. É, pois, bastante adequado ao orçamento tradicional o rótulo de \u201cLEI DE MEIOS\u201d, muito utilizado pelo jargão jurídico.
Forte foco nas necessidades financeiras dos entes ou das unidades administrativas, não havendo nenhum planejamento central para instituir diretrizes e metas de governo.
Q581792 As necessidades financeiras das unidades organizacionais são consideradas na elaboração do orçamento denominado clássico ou tradicional.
No plano técnico, o orçamento tradicional, ao lado da utilização da linguagem contábil, adotava classificações suficientes apenas para instrumentalizar o CONTROLE DE DESPESAS. 
Não existiam ferramentas de controle adequadas para garantir a efetividade do gasto público, sendo os únicos parâmetros a honestidade do agente público e a adequação do produto público às necessidades da população.
Duas eram as classificações clássicas:
1- Por unidades administrativas: isto é, os órgãos responsáveis pelos gastos.
2- por objeto ou item de despesa: pessoal, material etc.
Q677179 O foco primordial do orçamento tradicional é o detalhamento da despesa, e não o atendimento às necessidades da sociedade ou aos objetivos que motivam a elaboração do orçamento.
NO BRASIL: As primeiras demandas para implementar um orçamento surgiu após a independência, com a CF de 1822. 
Merece ser mencionada a primeira lei de orçamento no Brasil, a Carta de Lei de 15/12/1830, cujo objeto era orçar a Receita e fixar a Despesa para o período 1831-1832.
Base zero
Q331158 O orçamento base-zero não tem como foco a apresentação e organização da peça orçamentária, mas sim a avaliação e o auxílio à tomada de decisão.
CORRETO. Preocupação com apresentação e organização era o orçamento clássico \u2013 um documento formalmente acabado.
Q298610 A organização e a apresentação do orçamento público são as principais preocupações do orçamento base-zero, enquanto a avaliação e a tomada de decisão acerca das despesas ocupam, nesse modelo, um papel secundário.
FALSO. GIACOMONI: \u201cO Orçamento base-zero NÃO É UM MÉTODO de organizar ou apresentar o orçamento público, voltando-se, antes de tudo, para a avaliação e a tomada de decisão sobre despesas\u201d
Q392245 A proposta orçamentária elaborada pelo Poder Executivo federal embasa-se no conceito de orçamento base-zero, segundo o qual a existência de determinada dotação na lei orçamentária do exercício anterior não constitui garantia para a sua inclusão no exercício seguinte.
FALSO. ATUALMENTE a proposta orçamentaria do Executivo utiliza o orçamento programa e não o orçamento base zero. Os programas que estão na LOA hoje , tem uma certa garantia sim , pois se o programa estiver previsto no PPA , ele uma hora vai receber investimentos na LOA. Se estiver na LDO então , a LOA é elaborada em cima da LDO , então ele vai ter garantida sua inclusão nas LOAS seguintes..
Q842319 O orçamento base-zero facilita o processo de revisão da decisão a respeito da alocação dos recursos públicos, sendo, por essa razão, adequado às situações em que as despesas públicas são limitadas por um teto de gastos.
Q882026 A sistemática de elaboração orçamentária que exige a justificativa de cada recurso solicitado, sem fixar de antemão um valor orçamentário inicial e sem considerar os valores previstos no orçamento anterior, denomina-se