01 A regiao semiarida brasileira.pdf 18 12 2011
28 pág.

01 A regiao semiarida brasileira.pdf 18 12 2011


DisciplinaNutrição Animal1.522 materiais29.561 seguidores
Pré-visualização9 páginas
nas áreas com matas 
naturais de 5,7% no Brasil também como nas matas plantadas, de 31,1% no Nordeste 
(IBGE, 1996 e 2006).
Quanto à utilização de terras com pastagens natural no período de 1996 a 2006, 
constatou-se que houve redução destas áreas tanto no país, quanto na região 
Nordeste. No Brasil a redução foi de 26,6% e no Nordeste, de 19,8%. 
Figura 10. Utilização das terras \u2013 Área com matas naturais e plantadas (1996 e 2006). 
Fonte: Elaboração dos autores com base em dados do IBGE, 1996 e 2006.
 
0
500000
1000000
1500000
2000000
2500000
3000000
M at as nat urais
1996
M at as
plant adas
1996
Brasil
Nordest e
M aranhão
Piauí
Ceará
Rio Grande do Nor t e
Paraí ba
Pernambuco
Alagoas
Sergipe
Bahia
 
0
1000000
2000000
3000000
4000000
5000000
6000000
7000000
8000000
Matas
naturais 2006
Matas
plantadas
2006
Brasil
Nordeste
Maranhão
Piauí
Ceará
Rio Grande do Norte
Paraíba
Pernambuco
Alagoas
Sergipe
Bahia
42
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido
Referente às áreas com pastagens plantadas, verifica-se que houve crescimento. 
No país, esse crescimento foi de apenas 1,8%, mas na região Nordeste atingiu 20,0%, 
com destaque para os Estados do Ceará, Maranhão e Piauí, cujos crescimentos foram 
de 59,1, 38,2 e 36,3%, respectivamente. Observou-se também que houve redução das 
áreas com pastagens plantadas em dois Estados (Pernambuco e Alagoas). É 
preocupante, no entanto, o número de estabelecimentos e áreas degradadas com 
pastagens plantadas. 
O Brasil possui um total de 313.141 estabelecimentos, que atingem uma área de 
9.842.925 ha. Destes, praticamente 43,0% dos estabelecimentos estão localizados na 
região Nordeste, no entanto a área representa apenas 22,7% da área do país. Dos 
estabelecimentos do Nordeste com esse problema, merece destaque o Estado da 
Bahia, que possui uma área degradada de 1.271.677 ha, ou seja, 57,0% do total da área 
com esse problema na macrorregião Nordeste (IBGE, 1996 e 2006). 
Figura 11. Utilização das terras \u2013 Área com pastagens (1996 e 2006). 
Fonte: Elaboração dos autores com base em dados do Censo Agropecuário IBGE, 1996 e 2006.
Considerações finais
As características climáticas de uma região são essenciais na delimitação de 
ocorrência das espécies vegetais e animais; contribuem para o desenho do relevo; 
atuam em processos erosivos; e desempenham importante papel na disponibilidade e 
no manejo dos recursos hídricos, dentre outros aspectos.
O Semiárido brasileiro, mais do que qualquer outra área do país, é altamente 
dependente dos elementos climáticos, que definem, há séculos, a sobrevivência das 
famílias e dos rebanhos. Caracteristicamente essa região sempre passou por grandes 
secas e, mesmo em anos regulares ou bons, a precipitação, que ocorre em quatro 
meses, apresenta-se de maneira muito variável no tempo e no espaço, inclusive com 
 
0
2000000
4000000
6000000
8000000
10000000
12000000
14000000
16000000
18000000
20000000
Pastagem
natural 1996
Pastagem
plantada
1996
Brasil
Nordeste
Maranhão
Piauí
Ceará
Rio Grande do
Norte
Paraíba
Pernambuco
Alagoas
Sergipe
Bahia
 
0
1000000
2000000
3000000
4000000
5000000
6000000
7000000
8000000
9000000
10000000
Pastagem
natural 2006
Pastagem
plantada 2006
Brasil
Nordeste
Maranhão
Piauí
Ceará
Rio Grande do
Norte
Paraíba
Pernambuco
Alagoas
Sergipe
Bahia
43
grande número de dias sem chuva durante a estação chuvosa, comprometendo a 
disponibilidade de água e forragem durante todo o ano. Da mesma forma que o 
Semiárido é marcado pela grande variabilidade espaço-temporal das precipitações, há 
grande homogeneidade térmica, em que a maior parte da região apresenta elevadas 
temperaturas durante praticamente todos os meses do ano. 
A precipitação e a temperatura do ar são os elementos climáticos mais 
importantes para delimitação de áreas favoráveis à criação de animais em termos de 
espécies e raças. São também essenciais para a disponibilidade de forragem e definem 
várias atividades de manejo dos rebanhos. Dessa forma, no Semiárido brasileiro, 
quente e seco, há de se ter muita atenção para o plantio de forragens de ciclo curto, 
resistentes ao calor e à falta de água, com boa produção; e para a criação de animais de 
espécies e raças que consigam sobreviver e produzir em condições que exigem ajustes 
no sistema produtivo e nas técnicas de criação. 
A Caatinga é o ecossistema predominante na região semiárida, cuja flora é 
composta por árvores e arbustos caracterizados pela rusticidade, tolerância e 
adaptação às condições climáticas da região. A composição florística não é uniforme e 
pode variar de acordo com o volume das precipitações, da qualidade dos solos, da rede 
hidrográfica e da ação antrópica. A maior parte das plantas apresenta espinhos, 
microfilia, cutículas impermeáveis, caducifolia, sistemas de armazenamento de água 
em raízes e caules modificados e mecanismos fisiológicos que permitem classificá-las 
como plantas xerófilas. Das formações vegetais, considera-se a Caatinga um dos 
biomas brasileiros mais alterados pelas atividades humanas. Apesar de sua 
importância biológica e das ameaças à sua integridade, cerca de 5% de sua área estão 
protegidos em Unidades de Conservação Federais, o que permite classificar a Caatinga 
como um dos ecossistemas brasileiro menos protegido e mais ameaçado. 
Conforme informações citadas, o aumento do rebanho de caprinos e ovinos, no 
período de 1996 para 2007, no Nordeste, e o crescimento da área cultivada com 
pastagens demonstram que os produtores estão buscando melhorar o sistema de 
produção, introduzindo forrageiras com maior capacidade de suporte, intensificando 
mais o sistema produtivo.
Na região semiárida nordestina, o efetivo do rebanho bovino, no período de 1996-
2007, aumentou em 13,0%, enquanto o de caprinos e ovinos, em 27,0% e 31,0%, 
respectivamente. Ressalta-se que os efetivos de caprinos e ovinos representam em 
torno de 85,8% e 54,0%, respectivamente, do total do Brasil. 
A população do Nordeste do período 1996/2007 passou de 44.766.851 habitantes 
para 51.534.406, dos quais, 15,0% deles, no ano de 2007, foram ocupados na 
agropecuária.
Estudos conduzidos pela Embrapa Semiárido (Correia et al., 2000), em diferentes 
localidades do Nordeste, revelam que as sociedades rurais é um conjunto heterogêneo 
44
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido
de \u201cpequenos produtores\u201d que passam por transformações profundas e extremamente 
rápidas, se comparadas as evoluções ocorridas em regiões mais desenvolvidas.
As transformações no Nordeste Semiárido como resultado do processo de 
modernização do campo traduzem-se em grandes desigualdades espaciais e 
socioeconômicas. Atualmente, nessa região, podem-se distinguir zonas de agricultura 
prósperas perfeitamente integradas ao mercado nacional e internacional, como as 
áreas irrigadas, por exemplo, cujas atividades produtivas apresentam vantagens 
comparativas em termos de competitividade, contrastando com grandes áreas, 
situadas à margem desse processo, onde as oportunidades econômicas e as 
possibilidades de intensificação das atividades agropecuárias são limitadas pelas 
características agroclimáticas da região. Também se registram iniciativas exitosas na 
área dependente de chuvas, a exemplo de Coopercuc - Cooperativa Agropecuária 
Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá \u2013 Bahia, que vem beneficiando os produtos e 
enviando-os para vários mercados internos e externos. 
Para que a transferência de conhecimentos ocorra de forma eficiente