Gerenciamento de Projetos Estabelecendo Diferenciais Competitivos Ricardo Vargas (2009, Brasport)

Gerenciamento de Projetos Estabelecendo Diferenciais Competitivos Ricardo Vargas (2009, Brasport)


DisciplinaProtista31 materiais83 seguidores
Pré-visualização45 páginas
são as seguintes:
\u2022 simples entendimento;
\u2022 visualização de atrasos com facilidade;
\u2022 escala de tempo bem definida.
Suas principais desvantagens são as seguintes:
\u2022 inadequação para grandes projetos;
\u2022 difícil visualização de dependências;
\u2022 vaga descrição de como o projeto reage a alterações de escopo.
O diagrama de Gantt é a visualização-padrão da maioria dos softwares de gerenciamento de projetos.
 
 Gerenciamento de Projetos - Estabelecendo Diferenciais Competitivos (Portuguese Edition)
 
 
 
 1.81 Fazer a Conciliação dos Recursos Superalocados ou Indisponíveis (24)
Após terem sido concluídos o cálculo da duração das atividades, a alocação de recursos e os inter-relacionamentos entre as atividades (etapas 19, 21 e 23), é necessário verificar se nenhum recurso está alocado em quantidade superior ao limite máximo disponível para aquele período.
 
A figura a seguir mostra o recurso João em conflito nas atividades A e B (supondo que ele não está alocado parcialmente nessas atividades, o que retiraria o conflito).
Figura 4.17 \u2013 Recurso João superalocado nas atividades A e B
Existem diversas formas de se conciliar o recurso superalocado na figura anterior. Dentre as mais importantes, podem-se destacar as seguintes:
\u2022 substituição do recurso por outro similar que esteja disponível;
\u2022 troca da escala de trabalho do recurso superalocado;
\u2022 realização de trabalho em regime de horas-extras;
\u2022 nivelamento ou redistribuição de recursos.
 1.81.1 Substituição do Recurso por Outro que Esteja Disponível
Significa substituir o recurso em conflito de alocação por outro que possua, aproximadamente, a mesma qualificação para realizar o trabalho e que esteja disponível no período.
Figura 4.18 \u2013 Recurso João substituído pelo recurso Roberto na atividade B
Tabela 4.1 \u2013 Vantagens e desvantagens da substituição de recursos
 1.81.2 Troca da Escala de Trabalho
Significa fazer com que o recurso superalocado trabalhe em uma jornada maior durante o período problemático e folgue posteriormente, formando um banco de horas de trabalho.
Figura 4.19 \u2013 Recurso João trabalhando em escala especial na semana 01 e folgando na semana 02
Tabela 4.2 \u2013 Vantagens e desvantagens da troca da escala de trabalho
 1.81.3 Regime de Trabalho em Horas-Extras
Significa fazer com que o recurso superalocado trabalhe em regime de horas-extras durante o período em que está sendo superalocado, sendo remunerado de forma diferenciada por esse esforço.
Figura 4.20 \u2013 Recurso João trabalhando em regime de horas-extras na semana 01
Tabela 4.3 \u2013 Vantagens e desvantagens do trabalho em horas-extras
 1.81.4 Nivelamento de Recursos
É a forma mais comum de se resolverem problemas que envolvem alocação de recursos. Consiste em atrasar as atividades segundo critérios de prioridades, restrições ou duração previamente determinados, de modo a retirar o sincronismo que possa existir entre as atividades que possuem recursos superalocados. O nivelamento normalmente atrasa o término do projeto.
 
O algoritmo utilizado para o nivelamento de recursos é mostrado a seguir.
 
Figura 4.21 \u2013 Algoritmo do nivelamento de recursos
Como exemplo de nivelamento de recursos, tem-se o diagrama de Gantt.
Figura 4.22 \u2013 Diagrama de Gantt do projeto antes e depois do nivelamento
Tabela 4.4 \u2013 Vantagens e desvantagens do nivelamento de recursos
 1.81.5 Conclusão
É importante ressaltar que não existe uma estratégia correta para se conciliarem os recursos. Cada caso deve ser estudado isoladamente e, em projetos complexos, a análise correta da melhor técnica de conciliação de recursos pressupõe o uso de praticamente todas as estratégias.
 
 Gerenciamento de Projetos - Estabelecendo Diferenciais Competitivos (Portuguese Edition)
 
 
 
 1.82 Calcular o Caminho Crítico (CPM) (25)
Esta etapa é a responsável por determinar o caminho crítico do projeto que é constituído pelas atividades mais importantes do projeto. Qualquer atraso nas atividades do caminho crítico implica um atraso no término do projeto. A duração do caminho crítico interfere diretamente na duração do projeto.
O caminho crítico também é definido como o caminho com a menor folga de tempo possível (usualmente zero) e determina a duração do projeto.
As atividades que compõem o caminho crítico são chamadas atividades críticas e, se atrasadas, causam um atraso na execução do projeto. As modificações de tempo em atividades não críticas não têm efeito sobre a data de término do projeto.
 
Alguns softwares de gerenciamento de projetos permitem que se determinem caminhos críticos que não necessariamente tenham folga zero. Nesse caso, é possível se estabelecerem outras regras para o caminho crítico, como por exemplo identificar como crítica toda atividade que tenha folga menor do que três dias.
 1.82.1 Definições Importantes
Para que se compreenda melhor o caminho crítico, é importante que se conheçam algumas definições. São elas as seguintes:
\u2022 início mais cedo de uma atividade;
\u2022 início mais tarde de uma atividade;
\u2022 término mais cedo de uma atividade;
\u2022 término mais tarde de uma atividade;
\u2022 folga livre (individual);
\u2022 folga total.
Início mais cedo de uma atividade - É a data de início mais otimista da atividade, sem que tenha ocorrido nenhum atraso, todos os passos anteriores tenham sido realizados adequadamente e todas as interdependências com as predecessoras, respeitadas.
 
Início mais tarde de uma atividade - É a data de início mais pessimista da atividade, sem que, no entanto, o projeto seja prejudicado no todo, isto é, é a última data em que se pode iniciar a atividade sem se prejudicar o projeto.
Término mais cedo de uma atividade - É a data de término mais otimista para a atividade, não utilizando nenhuma folga.
Término mais tarde de uma atividade - É a última data para o término da atividade sem comprometer o término do projeto.
Folga Total - É a folga de tempo de uma atividade que não provoca nenhum atraso no projeto, podendo, no entanto, alterar as atividades sucessoras, desde que essas não sejam atividades críticas. Quando uma atividade que possui folga total utiliza toda a sua folga para realizar o trabalho, ela força, automaticamente, que todas as atividades diretamente sucessoras a ela se tornem atividades críticas (folga zero), pois a folga individual de cada uma delas foi utilizada pela predecessora na realização de seu trabalho.
O valor da folga total é dado pela diferença entre o início mais tarde e o término mais tarde da atividade, ou seja,
Figura 4.23 \u2013 Folga total para a atividade B é de 5 dias, para a C, de 3, para a D, de 2, enquanto a folga para as atividades A e E é zero
Folga Livre ou Individual - É a folga de tempo de uma atividade de modo a não provocar nenhum atraso na atividade sucessora, independentemente dessa atividade ser ou não crítica.
O valor da folga livre é dado pela diferença entre o início mais cedo da atividade sucessora e o término mais cedo da atividade predecessora, ou seja,
 
Figura 4.24 \u2013 Diagrama de Gantt e folga livre ou individual de 2 dias para a atividade B, de 1 dia para a atividade C e de 2 dias para a atividade D
Finalmente, após se determinarem todas as datas e folgas, pode-se construir o caminho crítico, destacando-se