Gerenciamento de Projetos Estabelecendo Diferenciais Competitivos Ricardo Vargas (2009, Brasport)

Gerenciamento de Projetos Estabelecendo Diferenciais Competitivos Ricardo Vargas (2009, Brasport)


DisciplinaProtista31 materiais83 seguidores
Pré-visualização45 páginas
Sucesso 4, 5, 9, 10, 14, 15, 16, 18, 19, 51, 79, 82, 125, 128, 132, 157
Valor 25, 27, 28, 37, 70, 168, 189, 197, 198
Qualidade 
Garantia 77
Planejamento 76
Receptor 84
Recursos 
Alocação 174
Conciliação 181
Custos de 189
Desmobilização 202
Horas-Extras 183
Matriz de Atribuição de Responsabilidades 173
Nivelamento de 183
Seleção de 173
Substituição 181
Troca da Escala 182
recursos humanos 173
Requisitos 
Coleta 59
Requisitos do Projeto 
Documento de 60
Matriz de 62
Plano de 61
Responsabilidade Profissional 
Definição 137
Subdivisões 138
Riscos 
Estimativa 159
Plano de Gerenciamento de 191
Sandburg 117
Sanders 144
Santayana 57
Schtub 144
Scope Statement 62
SPI 197, 200
Subprojetos 7
SV 197
Tempo 
Estimativa 158, 159
Plano de Gerenciamento de 189
Controle 67
Temporariedade 12
Termo de Abertura 52, 54
Thamhain & Wilemon 64
Tocqueville 110
Tom Peters 2
Trabalhos 
Conclusão 200
Trailer 128
TV 197
Verma 51, 79, 116
Wideman 12, 13, 28, 90
William James 20
Work Breakdown Structure 56, 192
Youker 108
Mindmap 
Definição 49
PERT 
Análise de 172
 
1 Cleland, David. Project management Casebook, Project Management Institute, Philadelphia: 1997 e MEREDITH, Jack R. & MANTEL JR., Samuel J. Project Management: A Managerial Approach. New York: John Wiley and Sons, 1995 e exemplos do autor.
2 KERZNER, Harold. In Search of Excellence in Project Management: Successful Practices in High Performance Organizations. New York: Van Nostrand Reinhold, 1998.
3 Em muitos casos existem diferentes interpretações do conceito de fase e de grupo de processos. Neste livro o conceito de fase será utilizado para significar tanto os grupos de processo do PMBOK® Guide quanto os conceitos de fases específicas de um projeto (por exemplo: design, construção, testes). Portanto, o termo \u201cGrupo de Processos de Iniciação\u201d e \u201cFase de Iniciação\u201d são considerados sinônimos neste livro. 
4 Esse produto é normalmente denominado EMV ou valor monetário esperado do risco.
5 Optou-se nesse caso por utilizar o inglês Performance no lugar de Desempenho devido à popularidade do acrônimo PCT.
6
© Project Management Institute, A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK® Guide) \u2013 4a Edição. Material Reproduzido com autorização e permissão do PMI.
7 Esse artigo foi apresentado no PMI Global Congress em Nashville \u2013 Tennessee \u2013 EUA e serviu como base para a nova estrutura do PMBOK® Guide 4ª edição, onde o terceiro capítulo faz o papel didático de apresentar os processos dentro das fases (grupos de processo) e não dentro das áreas de conhecimento.
8 A numeração se inicia do número 4 para referenciar o capítulo 4 do PMBOK Guide 4a Edição original.
9 Até a terceira edição do PMBOK esses planos eram \u201cSaídas\u201d explicitas dos seus respectivos processos. Na quarta edição, alguns desses planos foram omitidos das \u201cSaídas\u201d, sendo substituídos pelo termo \u201cDocumentação do projeto\u201d. Essa alteração não significa que esses planos não são importantes para o sucesso do projeto. Para fins didáticos, todos os planos são explicados dentro de sua respectiva área de conhecimento.
10 Até a terceira edição do PMBOK Guide o Plano de Gerenciamento de Cronograma era destacado como uma saída dos processos. Na quarta edição ele passou a ser parte da saída documentos do projeto.
11 Existem várias outras técnicas para a seleção de alternativas, dentre elas podem ser destacadas a Classificação Comparativa de Alternativas, onde alternativas são comparadas uma a uma de modo a avaliar qual delas recebe mais pontos se confrontada com todas as demais alternativas. Outra técnica extremamente poderosa e eficiente é o processo de análise hierárquica ou AHP (Analytical Hierarchy Process) onde os critérios são hierarquizados e transformados em um modelo matemático de comparação.
12
13 Baseado em VARGAS, Ricardo V. Análise de Valor Agregado em Projetos \u2013 4ª Edição. Rio de Janeiro, Brasport, 2008.
14 Neste capítulo optou-se por manter a nomenclatura original oficial dos termos adotados na análise de valor agregado (BCWS, BCWP, ACWP). O PMI, buscando facilitar a memorização dos termos para o exame PMP®, simplificou esses termos como PV, EV e AC, respectivamente.
 
 
 
 Cover
 
 @page {padding: 0pt; margin:0pt}
 body { text-align: center; padding:0pt; margin: 0pt; }