TESTE DE CONHECIMENTO RESPONSABILIDADE CIVIL
4 pág.

TESTE DE CONHECIMENTO RESPONSABILIDADE CIVIL


DisciplinaIntrodução ao Direito I88.023 materiais522.016 seguidores
Pré-visualização2 páginas
24/11/2018 EPS
http://simulado.estacio.br/alunos/ 1/4
CCJ0050_EX_A5_201502020394_V1
 
 
 
 RESPONSABILIDADE CIVIL 5a aula
 Lupa 
Vídeo
 
PPT
 
MP3
 
 
Exercício: CCJ0050_EX_A5_201502020394_V1 21/11/2018 14:15:13 (Finalizada)
Aluno(a): MARINA MARIM DOS SANTOS
Disciplina: CCJ0050 - RESPONSABILIDADE CIVIL 201502020394
 
 
 1a Questão
Com relação às espécies de responsabilidade é CORRETO afirmar que: I- na responsabilidade civil subjetiva deve ser analisado se a
conduta foi ou não culposa. II- na responsabilidade civil objetiva o fundamento está teoria do risco. III- na responsabilidade civil
extracontratual não há um vínculo anterior entre o autor do dano e o lesado.
 Somente a I e II estão corretas.
Somente a I e III estão corretas.
Somente a II e III estão corretas.
 Todas estão corretas
 
 
Explicação:
As próprias afirmações são auto explicativas.
 
 
 
 2a Questão
Ano: 2015; Banca: FCC; Órgão: TRT - 1ª REGIÃO (RJ); Prova: Juiz do Trabalho Substituto. Victor pediu a Jussara, sua empregada
doméstica, que fosse ao mercado comprar mantimentos e passasse na lotérica para apostar na mega-sena com os seus números da
sorte, pois estava acumulada em R$ 30.000.000,00. Após realizar as compras, Jussara voltou para casa e, no caminho, encontrou
uma amiga e acabou esquecendo de fazer a aposta. No dia seguinte, ao chegar ao trabalho, soube que os números sorteados na
mega-sena foram exatamente aqueles que ela deixou de apostar. Despedida por justa causa, Jussara sentiu-se injustiçada e
ingressou com uma ação trabalhista. Em contraditório, Victor contestou e apresentou reconvenção, pleiteando indenização pela
omissão de sua ex-empregada. O caso trata de:
responsabilidade civil subjetiva, haja vista os danos emergentes produzidos pela conduta de Jussara.
 responsabilidade civil subjetiva, haja vista os lucros cessantes produzidos pela conduta de Jussara.
 responsabilidade civil subjetiva pela perda de uma chance de Victor diante da omissão de Jussara.
excludente de responsabilidade civil pelo caso fortuito, uma vez que Jussara encontrou com uma amiga ao acaso e viu-se
impossibilitada de apostar.
responsabilidade civil objetiva, haja vista a irrelevância jurídica da conduta culposa de Jussara.
 
 
Explicação:
Acerca da teoria da responsabilidade civil por perda de uma chance o ilustre autor Sergio Cavalieri Filho sustenta que: ¿Caracteriza-
se essa perda de uma chance quando, em virtude da conduta de outrem, desaparece a probabilidade de um evento que possibilitaria
um beneficio futura para a vítima, como progredir na carreira artística ou militar, arrumar um melhor emprego, deixar de recorrer de
24/11/2018 EPS
http://simulado.estacio.br/alunos/ 2/4
uma sentença desfavorável pela falha do advogado, e assim por diante. Deve-se, pois, entender por chance a probabilidade de se
obter um lucro ou de se evitar uma perda".
Problema que se deparam os julgadores na hora de aplicar esta teoria, é o da quantificação do dano decorrente da chance perdida.
Para a melhor doutrina, deve-se realizar um cálculo das probabilidades de ocorrência da vantagem caso a chance de consegui-la não
tivesse sido frustrada.
Veja as lições de Sergio Cavalieri Filho:¿A perda de uma chance, de acordo com a melhor doutrina, só será indenizável se houver a
probabilidade de sucesso superior a cinqüenta por cento, de onde se conclui que nem todos os casos de perda de uma chance serão
indenizáveis."
Outro ponto controvertido na doutrina e na jurisprudência é com relação à natureza jurídica da responsabilidade civil por perda de
uma chance. A doutrina divide, basicamente em quatro correntes: a) danos emergentes; b) lucro cessante; c) dano moral e d)
terceiro gênero, categoria autônoma.
Na jurisprudência são encontrados casos em que o Poder Judiciário apreciou a questão da responsabilidade civil pela perda de uma
chance, aplicando o novo Código Civil, cujos artigos 186, 402, 927, 948 e 949 acolhem a possibilidade de reparação de qualquer
dano injusto causado à vítima.
Pode-se citar a título de exemplo, a inegável perda do direito do cliente pela inércia desidiosa do advogado que impediu que a causa
fosse examinada pelo órgão jurisdicional competente; o médico que não diagnostica corretamente o paciente, retardando o
tratamento; o concursando que deixa de prestar o concurso porque o curso preparatório que se comprometeu a fazer a inscrição não
o fez, entre outros.
 
 
 
 3a Questão
Sobre a responsabilidade civil extracontratual, é correto afirmar que:
o direito de exigir reparação civil não se transmite com a herança.
 depende da verificação dos seguintes elementos: ação ou omissão do agente, dano e nexo de causalidade.
 o ato ilícito que dá ensejo à responsabilização civil não pode decorrer de omissão do agente.
a responsabilidade objetiva, para ser configurada, requera culpa do agente.
o dano experimentado pela vítima não pode ser de natureza moral.
 
 
 
 4a Questão
2015 - Banca: FGV - Órgão: TJ-PI - Prova: Analista Judiciário -Escrivão Judicial - Isis, advogada, dirige-se ao cartório de certa Vara
Cível para consultar os autos de um processo no qual representa os interesses de uma das partes. Chegando ao local, após enfrentar
uma fila demorada, ela é informada pela serventuária que os autos estão indisponíveis à consulta em razão de conclusão. Isis,
então, insulta a funcionária, diante de um número considerável de pessoas, utilizando termos de baixo calão e depreciativos. Sobre o
ocorrido, pode-se verificar que a advogada:
pela violação à integridade moral da serventuária, responderá civilmente à serventuária de forma objetiva.
por estar representando os interesses do seu cliente, não será responsabilizada por sua conduta perante a serventuária;
por exercer direito legalmente reconhecido, não comete ato ilícito e não responderá civilmente à serventuária;
 por gozar de inviolabilidade constitucionalmente prevista, ainda que cause dano, não responderá civilmente à serventuária;
 embora esteja no exercício profissional, responderá civilmente pelos danos morais causados à serventuária;
 
 
Explicação:
O fato de estar o exercício da função não afastará o dever de indenizar a serventuária. Não há que se falar em imunidade quando
causar dano a outra pessoa.
 
 
 
 5a Questão
É CORRETO afirmar que o contrato de transporte é: I- de adesão II- gratuito III- unilateral.
 Nenhuma está correta.
 Somente a I está correta.
Somente a II está correta.
Somente a III está correta.
 
 
24/11/2018 EPS
http://simulado.estacio.br/alunos/ 3/4
Explicação:
Repsonsabilidade civil do transportador.
Responsabilidade contratual.
 
 
 
 6a Questão
O que diz respeito à Culpa Contratual e a Culpa Extracontratual:
a culpa deve ser provada tanto nas relações contratuais como extracontratuais;
 a culpa será sempre subjetiva, quer a relaç\ufffd\ufffdo seja contratual, que seja extracontratual;
na extracontratual a culpa é presumida, enquanto que na culpa contratual deve ela ser demonstrada;
 na contratual a culpa é presumida, enquanto que na culpa extracontratual deve ela ser demonstrada;
todas as alternativas estão corretas;
 
 
Explicação: Diferença entre culpa contratual e extracontratual
 
 
 
 7a Questão
(2015 - Banca: FGV - Órgão: TJ-PI) Helena dirige-se ao Centro Hospitalar K LTDA para realizar uma consulta emergencial. Após ser
atendida por um médico plantonista do hospital, ela retorna à casa com as devidas recomendações médicas e prescrições de
medicamentos. Seu estado de saúde se agrava e ocorre o óbito. O laudo cadavérico atesta erro médico quanto ao tratamento
aplicado a Helena. Sobre o ocorrido:
não se verifica uma relação de consumo, e o Centro Hospitalar não responderá pelo erro do seu preposto médico;
não se verifica uma relação de consumo, mas o Centro Hospitalar responderá subjetivamente