A FORMAÇÃO DE UM LIDER
313 pág.

A FORMAÇÃO DE UM LIDER


DisciplinaR110 materiais261 seguidores
Pré-visualização50 páginas
estarmos nos sentindo bem ou não. Oramos quando queremos e quando não 
queremos; damos quando queremos e quando não queremos dar; abrimos mão do 
que queremos abrir e do que não queremos abrir, desde que Deus nos mande 
fazê-lo. 
Se nós, povo de Deus, quisermos ter tal estabilidade, teremos de ser 
obedientes quando estivermos dispostos a ser e quando não o estivermos. 
Não me importa qual seja a decisão dos outros; quanto a mim, já decidi: 
procurarei manter minha estabilidade. Farei o que creio que Deus me ordenou, 
falando ao meu coração e por meio da sua Palavra, não importa o que aconteça. 
Já vimos que a Bíblia nos fala que Deus não nos deu espírito de covardia, 
mas de poder e de amor; e deu-nos uma mente sã e equilibrada. Gosto muito do 
modo como a versão da Bíblia ampliada em inglês (The Amplified Bible) traduz 
esse versículo. Ela enfatiza algo que eu não conhecia de outras fontes, dizendo 
que o Espírito de Deus que há em mim é um espírito de disciplina e domínio 
próprio. 
 
Pare com o "Ioiô Emocional" 
Mas o fruto do Espírito [Santo, que é a obra que sua 
presença em nós realiza] é: amor, alegria 
(contentamento), paz, longanimidade 
(paciência, um temperamento equilibrado), 
benignidade, bondade, fidelidade, mansidão 
(humildade, brandura), domínio próprio (autocontrole). 
Contra estas coisas não há lei. 
Gálatas 5.22-23 
 
Segundo esse texto, domínio próprio é fruto do Espírito Santo. Se quisermos 
ser líderes, devemos ter autocontrole. Também devemos ser dignos de confiança. 
Precisamos ser confiáveis para Deus. A confiança é decorrência da estabilidade. 
Algo que me irrita muito é ter, em meu quadro de funcionários ou em minha equipe 
de ministério, pessoas que vivem tendo altos e baixos emocionais, pois nunca sei 
como reagirão. Eu os chamo de "funcionários de alto custo' de manutenção". Eles 
me irritam porque tenho de acompanhá-los pessoalmente o tempo todo. 
E esse acompanhamento constante que temos de fazer com relação a esse 
tipo de pessoa só é necessário porque elas se deixam levar pelas emoções em vez 
de seguir a direção do Espírito Santo que habita nelas. Mas se não aprenderem a 
ouvir a voz do Espírito Santo por meio do testemunho interior dEle em nós e da 
Palavra e obediência a ela, nunca se tornarão como Deus quer que sejam. 
Os líderes devem ter auto-controle e autodisciplina. Têm de ser capazes 
de reconhecer quando estão indo na direção errada e fazer as correções 
necessárias no trajeto sem precisar de que outros as façam por eles. 
Esse tipo de estabilidade emocional, de autocontrole e de domínio próprio 
não se aplica somente aos líderes; é algo que todos os cristãos precisam 
desenvolver cada dia mais em sua vida. 
Lembro-me da época em que eu era o que chamo de "cristão ioiô". Estava 
sempre ou "em alta" ou "em baixa" emocionalmente. Se Dave fizesse aquilo de 
que eu gostava, eu ficava feliz. Se não o fizesse, eu ficava furiosa. 
Mas há tempos já amadureci. Dave nem sempre faz as coisas de que gosto, 
mas agora não fico mais chateada como naquela época, pois aprendi a exercer o 
domínio próprio. 
Você talvez tenha um casamento maravilhoso, como eu e Dave temos agora 
(depois que passei por grandes mudanças com a ajuda do Espírito Santo), mas 
você nunca terá um cônjuge que sempre fará o que você quer, o tempo todo. Se 
você for do tipo que fica feliz toda vez que seu cônjuge faz aquilo de que você 
gosta e triste toda vez que ele faz algo de que não gosta, então será como eu fui: 
cheia de altos e baixos emocionais. 
Deus, porém, não deseja que vivamos nessa instabilidade emocional, e sim 
que sejamos estáveis. 
Espero que cada leitor deseje profundamente ter estabilidade porque, se 
assim for, este livro poderá ajudá-lo. 
 
Concentre-se Naquilo em que Crê 
Se quisermos desenvolver estabilidade em nossa vida, vez por outra iremos 
passar por sofrimentos pessoais, pois mesmo a contragosto teremos de optar por 
fazer o que é certo. 
Aquilo de que os crentes mais me falam é o modo como se sentem: 
"Sinto que ninguém me ama." 
"Sinto que meu cônjuge não me trata como deveria." "Sinto que nunca terei 
sucesso nem felicidade em minha vida." "Sinto... Sinto... Não sinto..." e assim por 
diante, sem parar. 
Parece que estamos apenas sentindo ou não sentindo o tempo todo, como 
se os sentimentos fossem a razão de ser da nossa vida. Porém, como cristãos, em 
vez de nos concentrarmos no que sentimos, temos de nos concentrar naquilo em 
que cremos. 
Sinceramente, nem sempre me sinto ungida, mas creio que sou. Nem 
sempre tenho vontade de pregar e ensinar, mas levanto-me e o faço. E por quê? 
Porque é minha responsabilidade. Sou líder. Há pessoas que dependem de mim. 
Como poderemos ser líderes se nos deixarmos guiar pelos nossos 
sentimentos? Temos de andar de acordo com o que cremos que é correto. Se 
formos ficar esperando sentir vontade de fazer o que e certo, talvez nunca 
venhamos a fazer coisa alguma. 
Se quisermos ser lideres, não podemos agir conforme os sentimentos; que é 
certo. 
Somos humanos (carne) e precisamos aprender a discernir as coisas da 
alma e as do espírito.4 Temos de distinguir se o que está nos impulsionando é a 
alma (nossa mente, nossa vontade e nossas emoções) ou se é o Espírito Santo. 
Se for a alma, então temos de ter força e determinação para dizer "não" e optar por 
seguir a direção do Espírito. 
Na Bíblia, esse é o sentido de estabilidade: a capacidade de exercer a 
autodisciplina e o autocontrole. 
 
Administre as Emoções 
Quando analisamos as qualificações necessárias para o exercício da 
liderança, a freqüência com que encontramos referências à autodisciplina e ao 
controle emocional é impressionante. Na verdade, o assunto é tão importante que 
escrevi um livro inteiro sobre ele, intitulado Managing Your Emotions5 (Adminis-
trando Suas Emoções). 
Nesse livro explico que como as nossas emoções nos acompanharão 
durante a vida inteira, devemos aprender a controlá-las ao invés de deixá-las nos 
controlar. 
Sempre desejamos que as coisas desagradáveis ou problemáticas 
desapareçam. Se algo nos incomoda ou nos causa problemas, pedimos a alguém 
que ore por nós para sermos libertos daquilo e termos paz. 
Deus, entretanto, deseja que amadureçamos e compreendamos que há 
certas coisas nesta vida que precisamos aprender a controlar sozinhos. As 
emoções são uma delas. 
Por exemplo, o fato de eu sentir vontade de dar um soco em alguém não me 
dá o direito de perder o controle e fazê-lo. Não posso fazer tudo o que me der 
vontade. 
Há algum tempo, eu disse a meu marido: "Dave, sabe o que gostaria de 
fazer? Gostaria de fugir de casa". 
Naquela época, sentia que tudo na minha vida estava me soterrando. Havia 
problemas no escritório, problemas em casa, problemas em todo lugar para onde 
eu olhasse. Então pensei: Quero sair daqui! Não quero que ninguém fale 
comigo. Quero ir para um lugar onde ninguém me conheça ou me reconheça. 
Só quero que todo mundo me deixe em paz. 
Como eu gostaria de fugir de casa! Mas eu sabia que não faria isso 
porque não podia. Sou líder, e os líderes não fogem das coisas que os 
perturbam. Ao contrário, eles ficam e as resolvem. 
Se queremos ser líderes, devemos entender que não poderemos fazer ou 
dizer tudo o que pensamos ou sentimos. 
Também no casamento essa é uma verdade fundamental. Meu marido, 
Dave, e eu somos uma equipe; juntos, lideramos um lar e um ministério. Embora 
tenhamos personalidades completamente diferentes, temos de conviver um com o 
outro em paz e andar mutuamente em amor, dando um bom exemplo. Acho que 
nos damos muito bem, considerando todo o tempo que passamos