A FORMAÇÃO DE UM LIDER
313 pág.

A FORMAÇÃO DE UM LIDER


DisciplinaR110 materiais261 seguidores
Pré-visualização50 páginas
que o Senhor me deu porque eu o servi fielmente 
durante esses anos todos. Deus vai nos dar tudo o que os outros nos impediram 
de conquistar. 
Mas, embora seja ótimo ter esse diploma, possuo algo muito mais 
importante e maravilhoso: muito bom senso. 
Às vezes, quando as pessoas têm uma convicção muito grande a respeito 
de algo, só pregam sobre aquele assunto. Mas isso está errado. Em tudo é preciso 
haver equilíbrio. Precisamos usar o bom senso até mesmo na vida espiritual. 
Em nosso ministério, Dave e eu usamos o bom senso em tudo o que 
fazemos. Não compramos coisas pelas quais não podemos pagar. Não 
contratamos pessoas se não podemos garantir seu salário. Dispensamos aqueles 
que causam confusão em nossa organização. Temos muito bom senso para saber 
o que fazer para ficarmos longe de confusão. Na verdade, não é tão difícil assim. 
Simplesmente devemos fazer aos outros aquilo que desejamos que nos façam.10 
Devemos pagar nossas contas em dia; comunicar-nos adequadamente; ao corrigir 
alguém, dar-lhe também incentivo para que a sua auto-estima não caia, e assim 
por diante. 
Se os cristãos usassem mais o bom senso, as coisas estariam muito 
melhores para eles. Às vezes, quando as pessoas se convertem e ficam cheias do 
Espírito Santo, pensam que conseguirão tudo por meio de milagres. Porém, 
converter-se simplesmente significa que entregamos a vida a Deus, não mais 
tentando nos cuidar por conta própria, mas nos entregando aos cuidados de Deus. 
E verdade que Deus faz milagres, mas Ele também espera que façamos nossa 
parte. 
Em vez de termos um coração tolo, precisamos ser sábios. E uma das 
melhores formas de fazer isso é usando o bom senso que Deus nos deu. 
 
11. Um coração indeciso 
De Zebulom, dos capazes para sair à guerra, 
providos com todas as armas de guerra, cinqüenta mil, 
destros para ordenar uma batalha 
com ânimo resoluto. 
1 Crônicas 12.33. 
 
Nessa passagem, o autor está fazendo uma relação dos homens corajosos 
que foram até Davi para ajudá-lo a se preparar para a guerra, para que se tornasse 
rei de Israel. Como podemos perceber, esses homens não tinham um coração 
indeciso, mas eram estáveis e confiáveis. 
A Bíblia diz que devemos ser decididos e resolutos. Em Mateus 6.24, Jesus 
diz: Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e 
amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro... 
Alguns anos atrás, servi como pastora auxiliar numa igreja era Saint Louis. 
Eu amava o trabalho e o pastor titular, mas o Senhor me disse que eu devia sair 
dali e começar meu próprio ministério. 
Eu sabia que quando o Senhor nos chama para fazer algo, querendo ou não 
devemos obedecer, pois se não o obedecermos, nada mais em nossa vida 
prospera. 
Eu também sabia que não iria gostar mais das coisas que eu estava fazendo 
e que gostava de fazer naquela época porque Deus já havia terminado aquela 
obra. E, quando Deus termina, nós devemos terminar também. Mesmo assim, 
ainda continuei naquele cargo durante todo o ano seguinte. Foi um período em que 
experimentei toda sorte de coisas de que não gostava. Eu não estava feliz e não 
sabia por que. Nada mais parecia dar certo. Parecia que eu estava tentando 
encaixar uma peça quadrada num orifício redondo. 
Finalmente o Senhor me disse: "Vá exercer seu ministério no Norte, no Sul, 
no Leste e no Oeste". E assim o fiz. Mas durante três anos, quando ia à igreja, 
sentia-me imensamente triste. Quando ficava sabendo que ia haver um retiro de 
pastores, ficava deprimida. Eu ficava me perguntando: "Qual é o problema 
comigo? Será que não entendi a ordem de Deus?" 
Meu pastor sentia-se do mesmo modo que eu. Por um lado, ele via que o 
que eu estava fazendo era a vontade de Deus para mim, mas, por outro, ele ainda 
queria que eu fizesse parte da liderança daquela igreja. Eu tentava organizar meu 
próprio ministério de um modo que houvesse espaço para continuar envolvida nos 
trabalhos da igreja que tinha deixado. 
Enquanto eu passava por isso, Deus teve de me disciplinar seriamente. Por 
fim Ele disse: "Joyce, não posso fazer mais nada em seu ministério enquanto você 
não dedicar seu coração exclusiva e integralmente àquilo que a chamei para 
fazer". 
Mas eu continuava não compreendendo o que havia de errado comigo e 
continuava perguntando: "Se estou fazendo o que devo, por que ainda me sinto tão 
mal?" 
Finalmente, compartilhei meu problema com um homem que tinha um 
ministério profético. 
\u2014 Se eu ouvi Deus me falar e estou fazendo Sua vontade, por que eu ainda 
me sinto assim?, perguntei-lhe. 
\u2014 E muito simples", respondeu ele. Você ainda tem laços de alma com seu 
antigo ministério. 
Percebi que ele estava certo. Eu investira cinco anos de minha vida naquele 
trabalho, e minha alma ainda estava profundamente envolvida com ele. Deus me 
dissera para ir em frente, mas minha alma continuava ligada ao que eu deixara. 
Meu problema principal era que o meu coração estava dividido. E enquanto eu 
continuasse indecisa, não encontraria paz de espírito. 
Foi por essa razão que quando Deus chamou Abraão, disse-lhe que saísse 
de sua terra, deixasse sua família, parentes e tudo o que conhecia e fosse para um 
lugar que Deus lhe mostraria.11 É a isso que Paulo se referiu quando afirmou que 
devemos deixar as coisas que para trás ficavam e seguir em frente.12 Isso foi o que 
Deus disse a Israel por intermédio do profeta Isaías: Não vos lembreis das coisas 
passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço coisa nova, que está saindo à 
luz, porventura, não o percebeis?12, 
Nosso problema é que sempre queremos nos segurar ao passado e, ao 
mesmo tempo, seguir rumo ao futuro. Isso é que significa ter um coração indeciso. 
Em Tiago 1.8, lemos que a pessoa que tem uma vontade ambígua é hesitante, 
irresoluta, instável, insegura e incerta sobre o que acha, sente ou decide. A NVI diz 
que o homem assim tem mente dividida e é instável em tudo o que faz. 
Creio que não devemos ter um coração indeciso. Ao contrário, devemos ser 
decididos. Os líderes devem ser capazes de tomar decisões e perseverar nelas. 
Quando tomamos uma decisão e depois ficamos alternando entre certeza e dúvida 
sobre se tomamos ou não a decisão certa, então não somos estáveis. Precisamos 
fazer todo o possível para ouvir o que Deus quer nos dizer, e então tomarmos uma 
decisão com base no que ele nos disse. Quando tomamos uma decisão, 
precisamos fazer de todo o coração aquilo a que nos propusemos. Seja o que for 
que decidamos fazer, temos de fazê-lo de todo o coração, com toda a intensidade 
do nosso ser. 
Em Romanos 12, o apóstolo Paulo fala de diferentes dons da graça que são 
dados individualmente aos membros do Corpo de Cristo. Nesse capítulo, ele nos 
fala que se somos professores, devemos nos dedicar ao ensino. Se temos o dom 
de dar, devemos nos dedicar a dar. Se temos o dom de exortação, devemos nos 
dedicar a exortar. Em outras palavras, não podemos ficar envolvidos no chamado 
dos outros, pois o chamado de nossa vida é pessoal, individual. Assim, temos de 
lutar para nos manter focalizados naquilo que Deus nos chamou para fazer. Não 
sejamos indecisos. 
Se você sabe que tem um chamado para a sua vida, então creia nele com 
consistência. Não creia na segunda-feira, depois duvide na terça-feira, creia 
novamente na quarta-feira e depois, até a sexta-feira, desista de tudo porque as 
circunstâncias estão ruins. Qualquer que seja seu chamado, cumpra-o da melhor 
maneira possível, crendo que você ouviu a voz de Deus. 
 
12. Um coração ferido 
Porque estou aflito e necessitado e, 
dentro de mim, sinto ferido o coração. 
Salmo 109.22. 
 
É errado sentir o coração ferido? Não, mas precisamos