resumo responsabilidade civil do estado
22 pág.

resumo responsabilidade civil do estado


DisciplinaDireito Administrativo I54.716 materiais994.018 seguidores
Pré-visualização5 páginas
do dano recairá na pessoa do Estado.
- Dano decorrente de atividade nuclear exercida pelo Estado ou autorizada por ele;
- Dano ao meio ambiente;
- Acidente de trânsito (DPVAT);
- Crimes ocorridos a bordo de aeronaves que estejam sobrevoando o espaço aéreo brasileiro e
- Danos decorrentes de ataques terroristas.
- Atos de guerra ou eventos correlatos 
No caso do Brasil, utiliza-se o RISCO ADMINISTRATIVO, e somente em casos excepcionais a teoria do risco integral.
Q689471 A teoria do risco administrativo fundamenta o princípio constitucional da responsabilidade civil objetiva do Estado, que se reveste de caráter absoluto na medida em que a oficialidade da conduta lesiva implica, necessariamente, o dever de reparar os danos, indenizando-os, independentemente da existência de culpa ou dolo.
FALSO. A teoria do risco administrativo é um risco RELATIVO \u2013 uma vez que pode ser atenuado ou excluído. Já a teoria do risco integral é que é o risco absoluto.
Q593436 De acordo com a teoria do risco, a demonstração de culpa não é necessária para se impor ao Estado responsabilidade objetiva.
CORRETO. Não precisa nem distinguir qual das teorias é , AS DUAS dizem que não precisa de culpa , pois AS DUAS consagram responsabilidade objetiva (o que muda é que a integral não admite causas atenuantes ou excludentes)
Q589596 Tratando-se de responsabilidade por dano nuclear, é inaplicável a excludente que consiste na culpa exclusiva da vítima para afastar o dever de indenizar.
CORRETO. Pois aplica-se a teoria do risco integral.
Q693514 Empresa pública municipal refinadora de petróleo, durante o desenvolvimento de sua atividade, deixou vazar milhões de litros de óleo cru causando prejuízo às populações ribeirinhas
CORRETO = houve responsabilidade objetiva do Estado, instruída pela teoria do risco INTEGRAL.
Obs.: Esses acidentes ambientais é teoria do risco INTEGRAL!
Q382040 A teoria adotada no Brasil quanto aos casos de responsabilidade civil da administração pública é a do risco integral, segundo a qual a responsabilidade é objetiva, isto é, não depende da comprovação da culpa ou do dolo.
FALSO. Se perguntar SECO, é teoria do risco ADMINISTRATIVO. Teoria Do risco integral é somente nas hipóteses EXCEPCIONAIS. 
Jurisprudência TEM responsabilidade
TEM RESPONSABILIDADE
- Política de congelamento das tarifas áreas gerou dano à companhia: A União, na qualidade de contratante, possui responsabilidade civil por prejuízos suportados por companhia aérea em decorrência de planos econômicos que impossibilitaram a empresa de reajustar suas tarifas 
- Tinha um cadáver em decomposição em reservatório de água público: O consumidor faz jus a reparação por danos morais caso comprovada a existência de cadáver em avançado estágio de decomposição no reservatório do qual a concessionária de serviço público extrai a água fornecida à população 
- O termo inicial da prescrição de pretensão indenizatória decorrente de suposta tortura e morte de preso custodiado pelo Estado, nos casos em que não chegou a ser ajuizada ação penal para apurar os fatos, é a data do arquivamento do inquérito policial.
- Dano pelos Correios não entregar uma carta registrada do cara que enviou: Se a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) não comprovar a efetiva entrega de carta registrada postada por consumidor nem demonstrar causa excludente de responsabilidade, há de se reconhecer o direito a reparação por danos morais in re ipsa, desde que o consumidor comprove minimamente a celebração do contrato de entrega da carta registrada.
Consumidor assaltado dentro de um banco postal \u2013 responsabilidade da ECT: A ECT é responsável pelos danos sofridos por consumidor que foi assaltado no interior de agência dos Correios na qual é fornecido o serviço de banco postal	
- Q801808 De acordo com o entendimento do STF, empresa concessionária de serviço público de transporte responde objetivamente pelos danos causados à família de vítima de atropelamento provocado por motorista de ônibus da empresa.
- A concessionária de transporte ferroviário pode responder por dano moral sofrido por passageira, vítima de assédio sexual, praticado por outro usuário no interior do trem. 
Embora seja caso fortuito, o STJ considerou que seria um caso fortuito INTERNO, portanto não afasta a responsabilidade do Estado.
Jurisprudência NÃO TEM responsabilidade
NÃO TEM RESPONSABILIDADE.
- Erro médico em hospital da rede privada mas com atendimento custeado pelo SUS: A União não tem legitimidade passiva em ação de indenização por danos decorrentes de erro médico ocorrido em hospital da rede privada durante atendimento custeado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 
- Roubo dentro de bancos privados: é assente na jurisprudência do STJ que, nas discussões a respeito de assaltos dentro de agências bancárias, sendo o risco inerente à atividade bancária, é a instituição financeira que deve assumir o ônus desses infortúnios. \u201cRoubos em agências bancárias são eventos previsíveis, não caracterizando hipótese de força maior, capaz de elidir o nexo de causalidade, requisito indispensável ao dever de indenizar\u201d.
- Erro no pagamento de boleto bancário de concurso \u2013 candidato perdeu a inscrição do concurso porque o cara do banco digitou errado o código de barras. STF disse não ter dano, pois a mera participação no concurso não caracteriza uma chance real, apenas uma chance hipotética de conseguir algo.
- Candidato que não pode tomar posse por algum erro, e depois a sentença judicial empossa ele: indevida a indenização por danos materiais a candidato aprovado em concurso público cuja nomeação tardia decorreu de decisão judicial
Exemplos nos quais o STJ reconheceu que o fato de terceiro era causa excludente da responsabilidade (fortuito EXTERNO):
- Dano sofrido pelo passageiro em virtude de uma pedra que foi arremessada contra o ônibus ou trem 
- Assalto a mão armada no interior do veículo de transporte coletivo 
- Assalto a mão armada nas dependências da estação metroviária 
- Morte de usuário do transporte coletivo, vítima de \u201cbala perdida\u201d 
- Danos decorrentes de explosão de bomba em composição de trem.
Jurisprudências de culpa reciproca
CULPA RECÍPROCA
Atropelamento de civil na linha de trem.